quinta-feira, 21 de junho de 2018

MECÂNICA ONLINE®.
Por Tarcisio Dias*

SERÁ QUE VEÍCULOS DE "ZERO EMISSÃO" SÃO DE VERDADE "ZERO EMISSÃO"?



Os planos em veículos elétricos já anunciados pelas montadoras somam US$ 150 bilhões e devem gerar vendas de mais de 13 milhões de unidades por ano até 2025, o que equivale a uma taxa de crescimento anual composta de 35%.

Estas são algumas das conclusões do estudo divulgado pelo Conselho Internacional sobre Transporte Limpo.  O estudo considera como os governos estão estimulando a indústria de veículos elétricos e analisa seu mercado global, incluindo a avaliação dos principais fabricantes e as políticas de apoio implementadas para estimular esses investimentos, e conclui que embora a indústria automobilística esteja dando os primeiros passos nessa direção, grandes empresas já se aproximam de economias de escala com mais de 100.000 veículos elétricos por ano.

Recentemente o BMW Group superou a marca de 250 mil veículos eletrificados vendidos no mundo. “Estamos muito satisfeitos em anunciar que há, agora, mais de 250 mil veículos eletrificados do BMW Group rodando pelo mundo”, celebra Pieter Nota, membro do Conselho de Administração da BMW AG responsável por Vendas e pela marca BMW. “Estamos na direção certa rumo à nossa meta declarada de comercializar mais de 140 mil veículos eletrificados neste ano”, concluiu o executivo.

Nos primeiros quatro meses de 2018, as vendas do BMW Group Eletrified totalizaram 36.692 unidades, 41,7% acima do volume alcançado no mesmo período do ano passado. Este avanço considerável nas vendas de modelos eletrificados foi distribuído em diversos mercados, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e China.

Por trás destes números estão políticas públicas que favorecem tanto o lado do consumidor quanto o dos fabricantes. Até o momento, três quartos dos veículos elétricos vendidos foram fabricados na mesma região em que foram comercializados, mostrando a importância das políticas do lado da demanda, para reduzir as barreiras e aumentar o mercado, e os regulamentos e a política tributária para impulsionar simultaneamente os investimentos industriais.

Atualmente os três principais mercados para veículos elétricos no mundo - China, Europa e EUA - são também onde a maioria dos veículos elétricos é produzida. Com base nos anúncios de fábricas de baterias até hoje, espera-se que a maioria das manufaturas globais de células de bateria estejam na China.

"Quem quiser fazer o mercado avançar na mudança para carros elétricos deve buscar políticas que quebrem as barreiras dos consumidores e que também estimulem as grandes empresas a investir", destaca Nic Lutsey, co-autor do estudo. "O mercado está avançando rapidamente e os governos líderes podem garantir que suas indústrias estejam à frente com políticas de longo prazo para veículos elétricos e baterias."

O crescimento dos veículos elétricos ressalta os esforços em todo o mundo de adaptação às regulamentações de emissões de CO2 e para promover os investimentos necessários na indústria para permitir a transição para o acionamento elétrico.

Os Estados Unidos estão considerando enfraquecer sua regulamentação, embora o crescimento do mercado de veículos elétricos na Califórnia esteja aumentando.

A União Europeia está considerando a regulamentação de CO2 de veículos automotores até 2030 com benchmarks de veículos elétricos e está trabalhando simultaneamente para investimentos em bateria muito maiores por meio de sua Battery Alliance da UE.

Para o vice-presidente da Comissão Europeia, Maroš Šefčovič, "As baterias estão no centro da revolução industrial e o desafio de criar uma indústria de produção de baterias competitiva e sustentável na Europa é imenso. Precisamos avançar rapidamente nesta corrida global."

Num artigo publicado por Parker Treacy, cujo título é Veículos de "zero emissão" são de verdade "zero emissão"? [Uma nova análise], ele considera o aspecto da análise de toda cadeia de produção do veículo elétrico e não apenas quando ele é entregue para o cliente.

Os 'veículos elétricos de emissão zero' mais famosos como Tesla, BMW i3 e Nissan Leaf vendem a imagem de um futuro mais limpo e melhor. Mas se você analisar o processo de criação desses automóveis desde sua fabricação até a eventual eliminação, quantas emissões ao longo da vida eles realmente liberam?

Produção - Quantas emissões são lançadas durante a produção do veículo? Isso inclui todas as emissões dos fornecedores para a produção, mineração, entrega e empacotamento das peças.

Uso do Veículo - Quantas toneladas de CO2 são emitidas na queima de combustível comparado com a quantidade emitida na geração de eletricidade para um carro elétrico?

Descarte do Veículo - Quantas emissões são gastas durante o descarte do veículo?

Um exemplo ilustrativo das instalações de produção de bateria da Tesla e os processos envolvidos na sua montagem considera que a produção de baterias dá origem a 150-200 quilos de equivalente de CO2 por quilowatt-hora de bateria produzida. Tesla Model S, por exemplo, tem uma bateria de 100 kWh, o que significa que quando alguém compra o carro, ele(a) já está levando para casa uma bateria que criou uma média de 17,5 toneladas de CO2 em seu processo de produção.

Segundo The Guardian, uma revista britânica, um carro de médio porte gasta 17 toneladas de CO2 durante o processo de produção. Esse número é semelhante ao de um carro elétrico, não incluindo a bateria. Contudo, os carros elétricos precisam ser leves, o que significa que eles incluem muitos metais de alto desempenho.

Outros, metais raros estão espalhados por todo o carro, principalmente nos ímãs que estão em tudo, desde os faróis até a eletrônica de bordo. Então, enquanto um carro tradicional gasta só 17 toneladas de CO2, um carro elétrico gasta um total de 34,5 - resultado de 17,5 na bateria e mais 17 no resto dos componentes.

Mesmo assim, um carro elétrico gera mais ou menos 2x mais CO2 do que um carro tradicional. A bateria dentro dos carros elétricos é muito suja e gera muita emissão.

É verdade que um carro elétrico tem "zero emissões". Mas de onde vem essa eletricidade?

Nos EUA, apenas 30% da eletricidade vem de fontes renováveis como a hidrelétrica, nuclear e solar. Logo, os carros elétricos fazem pouca diferença porque ao invés de queimar combustível no carro, está queimando combustível, gás natural, ou carvão para criar aquela eletricidade.

Em resumo, um carro tradicional cria 3x mais CO2 durante a vida útil, mas ainda gera menos emissões que o carro elétrico quando incluído as emissões com a sua fabricação

O descarte é a reciclagem das peças e também a gestão dos resíduos. As emissões de descarte são tipicamente menos que 1% das emissões da vida do veículo e são 0,3 toneladas para carros elétricos (assumindo a reciclagem responsável da bateria) e 0,15 toneladas para um carro tradicional.

Então, será que veículos de "zero emissão" são de verdade "zero emissão"?

No total, carros elétricos criam menos emissões, mas eles produzem muito mais na produção e menos no uso. Você também acaba mudando o problema de petróleo para cobalto e lítio, produtos com processo de mineração bem sujo, que são os componentes principais nas baterias.

No fundo, os problemas não foram resolvidos. Apenas mudaram o problema de materiais de uso como combustível para materiais de produção como a bateria.

Você precisa usar um carro elétrico minimamente por 3.8 anos para de verdade criar menos emissões. Para carros de frota e outros carros super usados e com uma vida mais curta, provavelmente carros tradicionais serão mais limpos. Dito isso, a tecnologia de bateria está acelerando bastante e deve dobrar em potência nos próximos 7-8 anos, segundo o banco Liberum.

Ainda com a tecnologia de bateria acelerando, existem carros tradicionais leves que tem menos emissões de vida que alguns carros elétricos.

Por exemplo, carros de 500 Kg como o francês Ligier microcarro ou o “kei car” do Japão tem as menores emissões de qualquer carro. 

Então, se você quiser de verdade criar menos emissões até a tecnologia de bateria ser aperfeiçoada, a melhor coisa a se fazer é usar um carro com menos peso!







Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online®  www.mecanicaonline.com.br que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet www.cursosmecanicaonline.com.br, uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.



Leia> Coisas de Agora.

AUDI APOIA PROJETO DE TÁXI AÉREO EM INGOLSTADT.

A Audi está moldando a mobilidade na terceira dimensão. 


Nesta quarta-feira (20), uma carta de intenção sobre o assunto foi assinada com parceiros do campo político e industrial na Chancelaria Federal em Berlim, capital alemã. Bram Schot, presidente interino e membro do Conselho de Gerenciamento de Vendas e Marketing da Audi AG, anunciou o início do projeto Urban Air Mobility em Ingolstadt junto ao Ministro Federal do Transporte, Andreas Scheuer, da Ministra do Estado para Assuntos Digitais, Dorothee Bär, da CTO da Airbus, Grazia Vittadini, do prefeito de Ingolstadt, Dr. Christian Lösel e de outros representantes políticos. O objetivo do projeto europeu é ser um modelo de operações teste de táxi aéreo na região de Ingolstadt.


"Carros conectados, elétricos e autônomos deixarão o trânsito urbano mais confortável e limpo, além de economizarem espaço – o que significa melhor qualidade de vida para as pessoas nas cidades. É assim que a mobilidade na terceira dimensão pode fazer uma contribuição valiosa para o futuro", enfatiza Schot. "Nós agradecemos o envolvimento da cidade de Ingolstadt e o apoio no desenvolvimento da região como campo de testes para táxis aéreos", disse Schot. No Salão do Automóvel de Genebra, a Audi, a subsidiária Italdesign e a Airbus apresentaram o Pop.Up Next, um conceito totalmente elétrico e automatizado para mobilidade vertical e horizontal.


"Gostaríamos de usar o nosso 'know-how' para melhorar a vida urbana, e almejamos desenvolver novos conceitos de mobilidade para cidades e outras necessidades das pessoas com o projeto Urban Air Mobility", disse Schot. No futuro distante, conceitos como o Pop.Up Next transportarão pessoas rapidamente e de modo confortável por vias e no ar de grandes cidades, resolvendo, assim, problemas de trânsito intenso.

O projeto Urban Air Mobility é parte de uma iniciativa europeia no contexto da Parceria de Inovação Europeia (EIP) em Cidades e Comunidades Inteligentes (SCC). O manifesto descreve a primeira fase da iniciativa da União Europeia, na qual cidades europeias como Hamburgo e Genebra estão participando.

Audi do Brasil.

NOVO AUDI A1 SPORTBACK - COMPANHIA IDEAL PARA UM ESTILO DE VIDA URBANO.


Em 2010, uma nova linha de modelos da Audi fez sua estreia na forma do A1. E agora a segunda geração do compacto de sucesso está saindo da linha de montagem. Seu design dinâmico caracteriza o novo A1 Sportback. É o companheiro ideal no ambiente urbano e também muito adequado para viagens mais longas. Com seus sistemas de infotainment e assistência ao motorista derivados de modelos mais luxuosos, o A1 Sportback está agora fortemente conectado com o mundo digital. Novas linhas de acabamento fornecem ampla oportunidade para personalização. O carro será lançado no mercado europeu em outubro deste ano.

Design externo marcante, com genes do esportivo Ur-quattro


O A1 Sportback cresceu significativamente em comprimento – com 56 milímetros adicionais, agora mede 4,03 metros. Sua largura permaneceu quase a mesma, com 1,74 metro. A nova geração do modelo tem apenas 1,43 metro de altura. Sua ampla largura e balanços curtos resultam em um visual tenso e esportivo. A grade Singleframe e as entradas laterais de ar dominam a dianteira. Abaixo da borda do capô há três fendas planas –  uma homenagem ao Sport quattro, ícone de rally da marca de 1984.

O novo A1 Sportback também enfatiza uma semelhança com os Audi Ur-quattro e Sport quattro quando visto de lado: a coluna C larga e inclinada parece "empurrar" o carro para a frente mesmo quando parado. Todas as linhas nas laterais, desde a borda da janela até a soleira, inclinam-se para cima em direção à parte traseira em forma de cunha. As rodas destacadas e a linha de ombros baixa proporcionam ao A1 Sportback um sólido posicionamento na estrada.


Com a versão S line, a Audi enfatizou ainda mais o caráter esportivo por meio de vários recursos, que incluem, por exemplo, entradas de ar maiores, frisos adicionais nas soleiras, uma fenda central alongada abaixo do capô com duas aletas e aerofólio traseiro maior. Equipada com o motor top de linha, a versão também é reconhecível por meio de seus escapamentos duplos. 

A versão Edition, baseada na linha de equipamentos S line e disponível para o lançamento do modelo no mercado, é particularmente distinta, mostrando a linguagem de design da A1 com inúmeros contrastes. Grandes rodas de 18 polegadas de bronze – brancas ou pretas, dependendo do acabamento externo – entregam detalhes surpreendentes. Uma chapa com as argolas do logo da Audi na lateral do carro também estão disponíveis na cor das rodas. Assim como no lendário Sport quattro, os faróis de LED e lanternas também de LED têm acabamento escurecido. As argolas na grade Singleframe e a designação do modelo na parte traseira são da cor preta.

Diversas combinações: as linhas de equipamentos


Um novo recurso do A1 Sportback é a estrutura de linhas modulares. Isso proporciona um grau particularmente alto de flexibilidade. Pela primeira vez, os clientes podem combinar acabamentos externos e internos como quiserem. Dependendo da linha do equipamento – básico, intermediário ou S line – os acessórios no exterior estão disponíveis em várias configurações. Com as linhas "Interior advanced", "Interior design selection" e "Interior S line", a Audi também oferece inúmeras possibilidades aos clientes de selecionar cores e materiais na cabine.

Novo visual: o design interno



"O interior mais esportivo da classe compacta", esse era o objetivo do time de design. O interior é, portanto, focado no motorista, com seu design emotivo e personalizável. Todos os controles e a tela MMI sensível ao toque são fortemente voltados para o motorista, ressaltando o cockpit. O display e a faixa de ventilação do lado do passageiro dianteiro estão integrados com material preto brilhante. O pacote de iluminação ambiente opcional dá vida ao design interno no escuro, se desejado, por meio de luzes de LED em 30 cores selecionáveis.

Mais espaço e conforto: o conceito de espaço


O novo A1 Sportback é muito mais espaçoso – tornando a vida muito mais confortável para o condutor e os passageiros. Apesar das dimensões externas compactas e da linha de teto esportiva, adultos no banco traseiro ainda desfrutam de bastante espaço para a cabeça e as pernas. A capacidade do porta-malas aumentou em 65 litros, chegando a 335 litros; com os bancos traseiros rebatidos, esse valor aumenta para 1.090 litros.

Totalmente digital: operação e exibição


O A1 Sportback foi adaptado para o futuro digital. Até mesmo a versão básica vem de fábrica com um painel de instrumentos totalmente digital com tela de 10,25 polegadas de alta resolução e volante multifuncional. O Audi virtual cockpit é opcional e conta com uma ampla gama de funções, apresentando informações abrangentes no campo de visão direto do motorista.

Totalmente conectado e sempre atualizado: Infotainment e Audi connect


O conceito de Infotainment no novo A1 Sportback é proveniente de modelos de topo da marca. O rádio MMI é de série – pode ser operado por meio dos botões multifuncionais no volante e no visor no painel de instrumentos totalmente digital. Na configuração superior, o MMI Navigation Plus oferece uma tela MMI sensível ao toque de 10,1 polegadas, que combina perfeitamente com a área com visual preto brilhante.

Em conjunto com o Audi connect, o MMI Navigation Plus oferece aos motoristas do A1 Sportback diversas funções, como orientação de rota alternativa – calculando o percurso na nuvem, levando em conta toda a situação do tráfego. O Audi smartphone interface garante que os ocupantes a bordo do A1 Sportback estejam sempre conectados. O sistema integra smartphones iOS e Android usando Apple CarPlay e Android Auto em uma plataforma no MMI programada especificamente para eles, e oferece duas entradas USB.

Segurança em primeiro lugar: os sistemas de assistência ao motorista



Os sistemas de assistência ao motorista do A1 Sportback também são herdados dos modelos maiores. Eles mantêm o compacto a uma distância pré-determinada do carro à frente, facilitam a manutenção da pista e ajudam o motorista na hora de estacionar.

O aviso de saída de faixa ajuda o motorista a manter o carro na pista em velocidades a partir de 65 km/h. Também de série é o limitador de velocidade, que evita de forma confiável que o carro exceda uma velocidade máxima selecionada. Outro recurso é o Audi Pre sense dianteiro. O sensor de radar reconhece situações críticas envolvendo outros veículos, pedestres atravessando ou ciclistas à frente do veículo. O sistema então dá um sinal acústico e visual para avisar o motorista. O assistente de velocidade adaptativa, que também tem um radar como base, mantém a distância desejada do veículo à frente.

O novo A1 Sportback oferece vários sistemas para facilitar o estacionamento. Pela primeira vez, o carro oferece uma câmara de ré, além do sensor de estacionamento traseiro. Os sensores ultrassônicos frontais do sistema reconhecem objetos em frente ao carro e emitem avisos acústicos e visuais. Já o park assist estaciona o modelo em vagas paralelas e horizontais.

Ajuste esportivo e equilibrado: a suspensão


O design dos eixos do novo A1 Sportback proporciona uma condução ágil e uma experiência esportiva e equilibrada. Além da suspensão básica, há uma opção mais firme. Pacotes dinâmicos, configurados individualmente para cada versão do motor, oferecem opções de equipamentos para dar ao A1 Sportback um acabamento ainda mais esportivo. Para o motor a gasolina de entrada, o pacote "Base" inclui suspensão esportiva, pinças de freio vermelhas e discos de freio maiores. A Audi oferece ainda o pacote "Performance" para as outras versões de motor, que também inclui pinças de freio vermelhas e discos de freio maiores, além de suspensão com amortecedores ajustáveis, abafador esportivo e o sistema Audi drive select.

Audi do Brasil.

KIA LIDERA ESTUDO DA J.D. POWER NOS EUA PELO 4º ANO CONSECUTIVO.

Os proprietários de veículos da Kia reportaram menos problemas nos primeiros 90 dias, do que todas as outras marcas de carros e caminhões nos EUA.


Pelo 4º ano consecutivo, a Kia foi reconhecida como a marca número um entre as automotivas no Estudo de Qualidade Inicial (IQS) de 2018, da J.D. Power. Com 72 problemas relatados a cada 100 veículos, a Kia manteve sua posição, com liderança em desempenho dos segmentos do Sorento (SUV médio) e do Rio (compacto). Optima (sedã médio), Sportage (SUV compacto) e Grand Carnival (minivan) conquistaram o 2º lugar em suas respectivas categorias, enquanto o Cerato ficou com a 3ª colocação entre os sedãs compactos. Depois de ganhar os prêmios IQS em 2015, 2016 e 2017, o Soul foi novamente o MPV compacto com a melhor avaliação no estudo.

“O primeiro lugar entre todas as marcas do mercado por quatro anos consecutivos não deixa dúvidas quanto à qualidade e ao máximo cuidado depositados em cada carro que a Kia produz”, disse Michael Cole, diretor de operações e EVP da Kia Motors America. "Com dois líderes de segmento e cinco outros modelos classificados entre os três primeiros de suas respectivas categorias, fica ainda mais evidente o avanço da Kia e o foco na experiência de propriedade do consumidor".

O Estudo de Qualidade Inicial da J.D. Power nos Estados Unidos analisou as respostas de 75.712 compradores e locatários de novos veículos ano/modelo 2018, consultados ​​após 90 dias de propriedade. Os veículos foram avaliados com base na experiência de condução, desempenho do motor e da transmissão e uma ampla gama de possíveis problemas de qualidade relatados pelos proprietários de veículos.

Textofinal de Comunicação Integrada.

Leia> Coisas de Agora.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

VOLKSWAGEN DO BRASIL LANÇA 6ª EDIÇÃO DE SEU “ANUÁRIO DE RESPONSABILIDADE CORPORATIVA”.


Publicação revela compromisso da VW com a responsabilidade corporativa, sustentabilidade e transparência


A Volkswagen do Brasil acaba de lançar a 6ª edição de seu “Anuário de Responsabilidade Corporativa”, revelando o compromisso da empresa com a responsabilidade corporativa, sustentabilidade e transparência. A publicação destaca os principais avanços, conquistas e desafios da VW no ano de 2017 em termos de mercado, operações, socioambiental, governança e gestão. O Anuário pode ser lido no site da Marca (www.vw.com.br), no basta acessar o ícone planeta Volkswagen; em seguida, a aba Sustentabilidade. Ou clique aqui para conferir.

O Anuário de Responsabilidade Corporativa da Volkswagen do Brasil destaca o importante momento da empresa, que vivencia o nascimento de uma Nova VW, muito mais próxima das pessoas, inovadora, desejada, moderna e ágil. Uma marca com veículos altamente inovadores e tecnológicos, cada vez mais seguros, conectados, com design diferenciado e eficientes quanto ao consumo de combustíveis.

Um dos pontos estratégicos da Nova VW é a maior ofensiva de produtos da história da Volkswagen do Brasil, com investimentos de R$ 7 bilhões no desenvolvimento e lançamento de 20 novos veículos até 2020, sendo 13 deles fabricados no Brasil.


“Olhamos para o futuro de forma otimista, cheios de energia e estamos fazendo rápidas evoluções. A ofensiva de produtos da Nova VW é o maior ciclo de renovação de portfólio da história da Volkswagen do Brasil. E nossas fábricas avançam para se tornarem cada vez mais conectadas, flexíveis e autônomas”, afirma o Presidente e CEO da Volkswagen Região América do Sul e Brasil, Pablo Di Si.

Desde 2017, outras duas prioridades estratégicas se tornaram fundamentais para a VW: “a ‘Digitalização’ e ‘Conectividade e Novos Negócios’, que incluem o olhar atento para a demanda por convergência e recursos digitais e para os próximos desafios na relação entre as pessoas e os carros”, completou Pablo Di Si.

O Anuário segue as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) e traz capítulos sobre o histórico e resultados da empresa; Estratégia e Gestão; Pessoas; Imagem; Produtos; Tecnologia, Segurança e Ecoeficiência; Fábricas; Clientes e Fornecedores.

“A publicação do Anuário de Responsabilidade Corporativa demonstra o compromisso da Volkswagen do Brasil com a transparência e a proximidade, cada vez maior, com todos os seus públicos de relacionamento”, afirmou o Vice-Presidente de Recursos Humanos da Volkswagen Região América do Sul e Brasil, Marcellus Puig.

Crescimento acima do mercado



O ano de 2017, referente ao Anuário, marcou o início da retomada do mercado, que registrou crescimento de 9,4% no número de emplacamentos de veículos leves, totalizando 1,8 milhão. Nesse contexto, a publicação destaca que a Volkswagen do Brasil cresceu acima do mercado: aumentou suas vendas em 19% no ano passado, o dobro da média da indústria automobilística, fato que vem se mantendo neste ano.

Indústria 4.0 e comunicação digitalizada



O Anuário destaca também que a renovação do portfólio da Volkswagen do Brasil envolve a modernização de suas fábricas para que se tornem cada vez mais inteligentes, conectadas, flexíveis e autônomas. Parte desses avanços vem da implementação do conceito de Indústria 4.0, que inclui novos equipamentos altamente tecnológicos e conectados, postos de trabalho digitalmente interligados e ganhos de eficiência operacional.

Baseadas na Indústria 4.0, as simulações durante a fase de concepção de um novo projeto já acontecem de modo digital, possibilitando, por exemplo, a identificação prévia de possíveis inconsistências técnicas. A Fábrica Digital da VW, que trabalha com mais de 50 softwares, permite simular processos produtivos, novas construções prediais e infraestruturas antes de serem implementados fisicamente, além de estudar a ergonomia de postos de trabalho, contribuindo para a manutenção da saúde e bem-estar dos empregados. Impressoras 3D auxiliam o desenvolvimento de peças e dispositivos específicos com a máxima precisão e sem desperdício de material.

O Anuário retrata ainda o processo de digitalização da comunicação interna da Volkswagen do Brasil, que levou aos empregados o App “VW&Eu” e os quadros de avisos eletrônicos “Fique Conectado”. A comunicação digital permite informar o público interno em tempo real, onde ele estiver. Com grande aceitação, o App “VW&Eu” já é utilizado por 13 mil, do total de 15 mil empregados, oferecendo notícias sobre a empresa, seus produtos, comunicados sobre o dia a dia no trabalho, mensagens da liderança, além de consultar serviços como holerite, banco de horas, férias, cardápio dos restaurantes nas fábricas, entre outros.

O “Fique Conectado” é uma rede de quadros de avisos eletrônicos que leva informação em tempo real (com vídeos e notícias) aos empregados da produção, no seu ambiente de trabalho. Como os monitores são ligados em rede, é possível atualizar as telas instaladas em todas as unidades da empresa no País, com apenas um clique, dinamizando a comunicação.

Ganhos ambientais



O Anuário também destaca o compromisso ambiental da Volkswagen, formalizado com o programa de sustentabilidade “Think Blue. Factory.”, que define metas de sustentabilidade para o processo produtivo de todas as fábricas da VW no mundo.

Entre os ganhos, o Anuário lembra que em 2017 a Volkswagen do Brasil conseguiu o melhor índice de reúso de água desde o início do programa “Think Blue. Factory.”, em 2010. Esse resultado foi influenciado, principalmente, pelo projeto de reutilização de água no processo produtivo na fábrica da Volkswagen do Brasil em Taubaté (SP), que economizou cerca de 131 mil litros de água potável no ano passado. A partir de um novo processo de filtragem da água, foi possível utilizá-la no processo produtivo da pintura. Essa economia equivale a mais de R$ 250 mil por ano.

Outro destaque é o alto índice de reciclagem e reaproveitamento de materiais: mais de 97% dos resíduos gerados pela Volkswagen do Brasil são encaminhados para a reciclagem ou reutilizados e recuperados. Em 2017, o índice de reciclagem cresceu 18% em relação ao ano anterior.

Maior ofensiva de produtos da VW do Brasil



A maior ofensiva de produtos da Volkswagen do Brasil, que teve início em 2017 com o lançamento do Novo Polo, é outro tema do Anuário. O modelo chegou às concessionárias em novembro do ano passado e já é um dos carros mais vendidos do País. O Novo Polo se tornou referência em tecnologia, segurança, motorização e design. Também venceu os principais comparativos da imprensa especializada e foi o carro mais premiado de 2017.

Para chamar a atenção para o Novo Polo e despertar a curiosidade do público, a Volkswagen do Brasil apostou em um modelo inovador de comunicação com forte impacto sobre o público jovem e aficionado por séries. A websérie “01.09” foi lançada em capítulos na internet, apresentando as tecnologias de última geração inseridas em um enredo de ação e suspense (assista em https://0109.vw.com.br).

Outro destaque é o sedã Volkswagen Virtus, o 2º modelo da ofensiva de produtos da Nova VW, que foi revelado em 2017 e lançado oficialmente em 2018. O Virtus chegou às concessionárias em fevereiro deste ano e já está entre os líderes de vendas do segmento, sendo referência em design, espaço interno e conforto. Além disso, o Virtus foi o 1º automóvel do mundo a contar com o Manual Cognitivo com a tecnologia de inteligência artificial Watson, da IBM, que “conversa” com o motorista para tirar dúvidas.

Volkswagen do Brasil.
Assuntos Corporativos e Relações com a Imprensa.

Leia> Coisas de Agora.

VOLKSWAGEN TRUCK & BUS ESTÁ PRESTES A SE TORNAR O GRUPO TRATON.


Um novo campeão para uma nova era

Nesta quarta-feira (20), a Volkswagen Truck & Bus revelou à sua diretoria que a organização receberá um novo nome: GRUPO TRATON. Essa nova marca é mais um pilar na trajetória do Grupo para aumentar ainda mais a sua independência e continuar em direção à transformação da estrutura societária.

“O novo nome, TRATON, é um grande marco em nosso caminho para nos tornarmos Campeões Globais da indústria de transportes. Desde a nossa fundação, nós crescemos juntos mais rapidamente do que esperávamos. A TRATON nos oferece mais independência. Ela vai fortalecer ainda mais a identidade conjunta do nosso Grupo – bem como os aspectos que nos tornam únicos. Um novo nome também promoverá nossa visibilidade como o Grupo líder em soluções inovadoras em transportes. Isso vai nos deixar mais atraentes para novos talentos e para mercados de capitais”, disse Andreas Renschler, CEO do Grupo Volkswagen Truck & Bus e membro do Board da Volkswagen AG.

A TRATON reflete o DNA do Grupo: o que a empresa está buscando e como ela age. O nome pertence a uma empresa jovem, criada e nascida em uma nova era de transportes:

• A TRAnsformação do transporte no ecossistema é a nossa missão – para o benefício de todos.
• O TRAnsporte é a nossa paixão – e a dos nossos clientes, também.
• TONelagem é o que os nossos clientes transportam ao redor do mundo, todos os dias.
• A TRAdição das nossas fortes marcas é o que nos une.
• Estar sempre “ON” é a principal meta dos nossos clientes, e é a forma como nós agimos para fazer com que tudo seja possível para eles.

A TRATON compartilha dos nossos valores: determinação, integridade, respeito, foco no cliente e espírito de equipe. As fortes e tradicionais marcas MAN, Scania, Volkswagen Caminhões e Ônibus e RIO manterão suas próprias identidades sob o abrigo do GRUPO TRATON. A alteração oficial no nome deve entrar em vigor no terceiro trimestre de 2018.

O setor de transportes está passando por grandes mudanças devido aos volumes cada vez maiores de transportes, normas de emissões mais rigorosas e demanda crescente dos clientes por soluções eficientes, sustentáveis e competitivas. A TRATON combina a agilidade e o espírito de uma startup com a vasta experiência das marcas tradicionais. Com essa configuração única, o Grupo está perfeitamente posicionado para reinventar o transporte para as gerações futuras.

“O Conselho Administrativo apoia integralmente os ambiciosos planos da Volkswagen Truck & Bus e do movimento do Grupo de buscar uma identidade inigualável. Isto vai fortalecer nosso negócio de caminhões em direção à transformação da estrutura societária”, afirmou Hans-Dieter Pötsch, presidente dos Conselhos Administrativos da Volkswagen AG e da Volkswagen Truck & Bus.

A Volkswagen Truck & Bus é uma subsidiária integral da Volkswagen AG e uma fabricante líder mundial de veículos comerciais com suas marcas MAN, Scania, Volkswagen Caminhões e Ônibus e RIO. Em 2017, as marcas pertencentes à Volkswagen Truck & Bus venderam 205.000 veículos no total. Sua oferta inclui veículos comerciais leves, caminhões e ônibus, que são produzidos em 31 fábricas distribuídas entre 17 países. Em 31 de dezembro de 2017, a empresa contava com 81.000 colaboradores em todo o mundo considerando todas as suas marcas de veículos comerciais. O Grupo busca se realinhar ao sistema de transportes através de seus produtos, serviços e da parceria com os seus clientes.


PAIXÃO POR ÔNIBUS DESDE MUITO CEDO.


O garoto Bernardo realiza seu sonho e visita garagem da SBCTrans


Prestes a completar quatro anos de idade, Bernardo Coelho Domingues realizou seu grande sonho e visitou, no último dia 16 de junho, a garagem da SBCTrans, em São Bernardo do Campo. Desde pequeno Bernardo se interessa por veículos, ônibus em especial, e desejava ver de perto os veículos da operadora, sobretudo os com a nova pintura.

Segundo sua mãe, Caroline Montingelli Coelho, a paixão pelo ônibus surgiu em 2016, quando ele entrou em uma loja de miniaturas. "Estávamos na loja de brinquedos e ele agarrou um ônibus e não largou. Chorou horrores para largar. Compramos e, desde então, ele quer todos os ônibus que vê. Até agora, o preferido dele era um School Bus da hotwheels, mas essa miniatura da SBCTrans passou a ser a favorita dele!", enfatiza Caroline.


De acordo com o pai, Raphael Caovila Domingues, depois que passou a gostar de ônibus, ele começou a pedir para andar de ônibus. "Os avós passaram a levá-lo para passear de ônibus, primeiro somente pelo bairro, Jordanópolis, e depois, fazendo integrações até com o Metrô de São Paulo. No Natal, foram dois dias para conseguirem andar no trólebus iluminado", comenta o pai.



Bernardo diz que, quando crescer, quer ser motorista de ônibus. "É muito emocionante ouvir isso dele porque meu avô, que faleceu em setembro passado, criou os filhos e nossa família 'sobre rodas'. Por 25 anos, foi motorista da Viação Cometa, na rota São Paulo - Juiz de Fora. Depois de aposentado, não conseguiu ficar parado e foi trabalhar com ônibus de rua em Juiz de Fora. Se ele seguir os passos e exemplos do bisavô, será um homem de bem e feliz, o que me enche de orgulho", finaliza Caroline.
   
Fotos: Bebê de Touca Fotografia - SBCTrans/Marketing.

terça-feira, 19 de junho de 2018

VOLKSWAGEN AG E FORD ESTUDAM ALIANÇA ESTRATÉGICA PARA EXPANDIR CAPACIDADES, FORTALECER COMPETITIVIDADE E ATENDER MELHOR OS CLIENTES.

A Volkswagen AG e a Ford Motor Company anunciaram nesta terça-feira (19) a assinatura de um Memorando de Entendimentos e que estão estudando uma aliança estratégica destinada a fortalecer a competitividade de cada uma das companhias e melhor atender aos clientes globalmente.

As empresas estão estudando potenciais projetos em várias áreas - incluindo o desenvolvimento conjunto de uma linha de veículos comerciais para melhor atender às necessidades em evolução de seus clientes. A potencial aliança não envolverá acordos acionários, incluindo participações proprietárias cruzadas.

"A Ford está empenhada em melhorar nossa qualificação como negócio e alavancar modelos de negócios adaptativos - que incluem trabalhar com parceiros para melhorar nossa efetividade e eficiência", afirmou Jim Farley, presidente de Mercados Globais da Ford. "Essa potencial aliança com o Grupo Volkswagen é mais um exemplo de como podemos nos tornar mais ajustados como negócio, criando ao mesmo tempo um portfólio global de produtos vencedores e expandindo nossas capacidades”.

“Estamos ansiosos para analisar nos próximos dias, junto com a equipe da Volkswagen, como deveremos trabalhar juntos para melhor atender às necessidades em evolução dos clientes de veículos comerciais - e muito mais."

O Dr. Thomas Sedran, diretor de Estratégia do Grupo Volkswagen declarou: "As demandas do mercado e dos clientes estão se modificando a uma velocidade incrível. Ambas as empresas já têm posições fortes e complementares em diferentes segmentos de veículos comerciais. Para se adaptarem a um ambiente desafiador, é da mais alta importância ganhar flexibilidade por meio de alianças. Este é um elemento central da Estratégia 2025 do Grupo Volkswagen. A potencial colaboração industrial com a Ford é vista como uma oportunidade para melhorar a competitividade global das duas companhias." 

As empresas irão atualizar as informações e divulgar mais detalhes sobre o assunto à medida que as conversações progredirem. 

Com sede em Wolfsburg, na Alemanha, o Grupo Volkswagen é um dos maiores fabricantes mundiais de automóveis e o maior fabricante de carros da Europa.  O grupo compreende 12 marcas de sete países europeus: Volkswagen Passenger Cars, Audi, SEAT, ŠKODA, Bentley, Bugatti, Lamborghini, Porsche, Ducati, Volkswagen Commercial Vehicles, Scania e MAN. Cada marca tem sua própria personalidade e opera no mercado como uma entidade independente. O espectro de produtos vai de motocicletas a carros pequenos e veículos de luxo. No setor de veículos comerciais, os produtos incluem linhas de picapes, ônibus e caminhões pesados. O grupo opera 120 unidades de produção em 20 países europeus e em outros 11 países das Américas, Ásia e África. A cada dia de trabalho, seus 642.292 empregados em todo o mundo produzem cerca de 44.170 veículos, e trabalham em serviços relacionado a veículos ou outras áreas de negócios. O Grupo Volkswagen vende seus veículos em 153 países. Com seu programa para o futuro "TOGETHER - Estratégia 2025", o Grupo Volkswagen está preparando o caminho para o maior processo de mudança em sua história: o realinhamento de um dos maiores fabricantes de carros para tornar-se um provedor líder global de mobilidade sustentável.

A Ford Motor Company é uma empresa global baseada em Dearborn, Michigan, nos Estados Unidos. A companhia projeta, produz, vende e oferece serviços a uma linha completa de carros, caminhões, SUVs, veículos elétricos da Ford e veículos de luxo da Lincoln; oferece serviços financeiros por meio da Ford Motor Credit Company e visa posições de liderança em eletrificação, veículos autônomos e soluções de mobilidade. A Ford emprega aproximadamente 202.000 pessoas em todo o mundo.

VW Media Relations.
Ford Communications.
Volkswagen do Brasil.
Assuntos Corporativos e Relações com a Imprensa.

Leia> Coisas de Agora.

CONFORTO A TODA PROVA: CONHEÇA O VW DELIVERY EXPRESS.


Além de ser o caminhão que todo motorista pode dirigir, o Volkswagen Delivery Express destaca-se por unir robustez ao conforto de automóvel. 

Com o maior espaço interno da categoria, a cabine do novo Delivery reúne o que há de mais inovador em termos de ergonomia, conforto, espaço interno e robustez. A segurança é outro ponto alto: a cabine avançada ainda oferece melhor visibilidade em saídas de aclives ou curvas, proporcionando mais agilidade nas tomadas de decisão pelo motorista.

Pensando no dia-a-dia das aplicações urbanas, a Volkswagen inova mais uma vez: os clientes poderão também pedir a instalação da carroceria Randon e da câmera de ré no momento do pedido, de modo que o veículo já saia de fábrica pronto para rodar. Rádio e autofalantes também podem equipar o veículo com a garantia do BMB Mode Center, centro exclusivo de modificações da MAN Latin America. 

A nova cabine Delivery oferece ainda garantia de seis anos contra corrosão. Desenvolvida com a mais alta tecnologia, ela traz toda a modernidade, design, segurança e conforto reconhecido na marca VW. O seu espaço interno impressiona logo ao abrir as suas portas: seja na posição do motorista ou dos passageiros, todos os ocupantes estão sempre bem acomodados, principalmente quanto ao espaço para as pernas. 

Não por acaso seu desenvolvimento começou de dentro para fora: posição de dirigir, empunhadura do volante, regulagem de altura do banco, painel de instrumentos, porta-objetos e espaço suficiente para transitar no interior da cabine, indo do banco do motorista até o do passageiro de forma rápida, foram as premissas iniciais. 

“Cada detalhe do projeto interno da nova família Delivery levou em conta a rotina da distribuição urbana, tomando como premissas os aspectos de segurança, conforto e praticidade”, comenta Ricardo Yada, supervisor de Marketing do Produto da MAN Latin America. 

Tudo está à mão: o motorista tem acesso fácil a todos os comandos do veículo, tais como alavanca de transmissão, de freio de mão, coluna de direção regulável, dentre outros.

Mais de 15 porta-objetos facilitam a organização do motorista, incluindo consoles que comportam garrafas de até dois litros. Inclusive o encosto do banco central, rebatível, serve de mesa e apoio para o motorista fazer anotações em pranchetas, ou para uma refeição rápida em suas entregas.

Todos os itens, aliados ao excelente isolamento acústico da cabine proporcionam um ambiente de trabalho organizado e silencioso ao motorista. Isso pode ser traduzido como maior produtividade no final do dia. 

Outro diferencial interno é o túnel central plano, com altura de apenas 100 mm. Isso facilita o deslocamento interno na cabine, trazendo toda praticidade pedida pela aplicação.  O acabamento interno tem ainda cores escuras, ideais para o dia-a-dia da operação de distribuição urbana, o que evita a aparência de sujidade por conta do entra e sai da cabine.

E até mesmo a posição dos pedais foi adequada ao anda e para das entregas urbanas, sem exigir grande esforço de acionamento ao motorista, o que reduz os riscos de lesão por esforço repetitivo (LER).

A manutenção também é mais fácil: o basculamento da cabine é feito de forma simples e oferece rapidamente acesso à motorização. O sistema de suspensão independente na dianteira e parabólicas na traseira também é destaque: proporciona mais conforto e excelente manobrabilidade, ponto fundamental às operações urbanas. 

MAN Latin America.


Leia> Coisas de Agora.

REINTEGRA RENDE CRÉDITOS DE 20 MILHÕES NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA.


A Becomex, consultoria especializada na área tributária e operações internacionais, acaba de recuperar cerca de R$ 20 milhões em créditos do Reintegra no setor automotivo. Segundo os levantamentos da Becomex, somente em uma marca do setor, além desse montante, ainda restam mais de R$ 50 milhões a resgatar, referentes aos anos de 2015, 2016 e 2018.

O Reintegra é um mecanismo criado pelo governo para devolver uma parcela dos impostos pagos na cadeia produtiva às empresas exportadoras de bens manufaturados no Brasil, que podem reaver parcial ou integralmente o resíduo tributário existente na sua cadeia de produção.

A estratégia do governo federal para viabilizar a redução de R$ 0,46 do preço do litro do diesel e colocar fim à greve dos caminhoneiros cortou de 2% para 0,1% a alíquota do Reintegra a partir 1º de junho de 2018. A nova regra deve aumentar as perdas das empresas exportadoras do Brasil. Porém, ainda é possível resgatar com a alíquota maior os mais de R$ 9,5 bilhões acumulados no Reintegra, referentes aos cinco anos anteriores à nova decisão.

"O projeto de recuperação de créditos do Reintegra da Becomex leva, em média, 60 dias para cada ano, incluindo levantamento dos dados para solicitação do benefício. No curto prazo, as empresas recebem 'dinheiro novo' em seu caixa, e a longo prazo, conseguem mais organização e agilidade nos processos internos, melhor visão para encontrar novos benefícios que não estavam no radar, garantia de compliance e, ainda, o mesmo olhar da Receita Federal em todas as operações", afirma o vice-presidente da Becomex, Rogério Borili.


PitchCom - Comunicação na medida certa! 

Leia> Coisas de Agora.