quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

FÁBRICA DE MOTORES DA RENAULT NO BRASIL COMEMORA 20 ANOS DE PRODUÇÃO

Mais de 4 milhões de motores já foram produzidos na unidade

Em 2019, a Curitiba Motores (CMO), fábrica de motores da Renault do Brasil, completa 20 anos de produção no Complexo Ayrton Senna. Desde sua inauguração, em 1999, a unidade já produziu mais de 4 milhões de motores, com cerca de 40% destinados à exportação. Atualmente, a fábrica produz 3 famílias de motores e tem capacidade produtiva de 600 mil unidades por ano, além de exportar motores para a Colômbia e Argentina e componentes para Turquia.

A história de sucesso começa com a inauguração da fábrica, em 2 dezembro de 1999. Com capacidade produtiva de 280 mil unidades por ano, a CMO produzia os motores 1.6 16V, que equipavam os três veículos produzidos na fábrica no Brasil, o Scénic, o Clio e o Clio Sedan. Além disso, os motores também eram exportados para a Argentina, para produção da linha Mégane.

Em 2000, passou a produzir o motor 1.0 16V com foco no Clio, atingindo a marca de 30 mil motores em seu primeiro ano completo de fabricação. Para diversificar a gama, em 2002 foi iniciada a produção dos motores 1.0 8V e 16V, além do 1.2 16V para exportação. Com isso, em 2006 atingiu a marca de 1 milhão de motores produzidos, marca que foi triplicada em 2014.

Em 2016 a fábrica deu início a modernização dos motores com a produção da linha SCe (Smart Control Efficiency) trazendo os motores 1.0 SCe e 1.6 SCe, mais potentes e econômicos. No ano seguinte, teve início a expansão da fábrica com a construção de novas linhas de usinagem, para aumentar a produção local de componentes do motor, como virabrequim, cala e suporte. Com todas essas inovações, em 2018 a fábrica atingiu a marca de 4 milhões de motores produzidos no Brasil.

Além da produção de motores, a fábrica também é destaque na capacitação de seus colaboradores, além da busca constante por evolução utilizando novas tecnologias, com foco na Indústria 4.0. “Ao longo desses anos, a CMO passou por diversas mudanças, sempre buscando inovações para continuar crescendo e produzindo motores cada vez mais modernos. Ficamos muito felizes comemorar os 20 anos de produção, fruto de muita dedicação e trabalho dos colaboradores que fazem parte dessa história”, afirma Carlos Martin, diretor de Fabricação de Motores da Renault.

IVECO, FPT INDUSTRIAL E NIKOLA LANÇAM PARCERIA PARA CRIAR TRANSPORTE 'ZERO EMISSÕES'


A Iveco e a FPT Industrial, marcas da CNH Industrial, se juntaram à Nikola para apresentar o escopo, os planos da joint venture e o acordo de colaboração entre as empresas. A ideia é acelerar a jornada do setor em direção à neutralidade de emissões no transporte pesado de cargas, na América do Norte e na Europa, com a adoção da tecnologia de células de combustível.

O início do projeto acontece três meses após o anúncio da CNH Industrial em 3 de setembro, no Capital Markets Day, envolvendo sua marca de veículos comerciais, a Iveco, e sua divisão de powertrain, a FPT Industrial, com a intenção de estabelecer uma parceria estratégica com a Nikola Motors. O foco principal do acordo é alavancar a experiência dos parceiros para implantar com sucesso a operação de caminhões pesados de zero emissões e para mostrar ao setor um novo modelo de negócios.

A parceria inclui a criação de uma joint venture para desenvolver e distribuir caminhões tipo "cab-over" elétricos e de célula de combustível de hidrogênio para o mercado europeu. A Nikola fornecerá sua experiência em células de combustível e tecnologias avançadas, assim como seu modelo de negócios que prevê uma taxa de locação com tudo incluído e única no setor. A Iveco, juntamente com a FPT Industrial, contribuirá com sua experiência na engenharia e fabricação para industrializar os caminhões.

As empresas começaram a desenvolver o primeiro caminhão da joint venture: o Nikola TRE elétrico, baseado na nova plataforma de caminhões pesados da Iveco, usada no S-WAY, que integra tecnologia, controles, informações e entretenimento da Nikola. Os testes começam em 2020, com o lançamento público na Europa previsto para a IAA 2020, em setembro, na cidade de Hannover, Alemanha. O apoio às vendas e pós-vendas do Nikola TRE será feito pela ampla rede europeia de revendedores da Iveco.

"O foco crescente no reconhecimento de que são necessárias reduções fundamentais nas emissões automotivas está levando nossa empresa a buscar soluções tecnológicas avançadas", disse Hubertus Mühlhäuser, CEO da CNH Industrial. O executivo destaca que a joint venture com a Nikola é uma prova da competência técnica dos parceiros da marca, o que resultará em benefícios ambientais tangíveis para os transportadores da Europa.

"Essa parceria é uma vitória para todos os envolvidos. Desde que lançamos o Nikola ONE em 2016, caminhoneiros e pessoas de governos pedem para trazermos o Nikola à Europa. Por isso, precisávamos do parceiro certo para nos ajudar a entrar no mercado europeu e a CNH Industrial é o parceiro comercial ideal", afirmou Trevor Milton, CEO da Nikola Motors.

KIA NOMEIA NOVO DIRETOR DE PLANEJAMENTO DE REDE

Com o objetivo de reforçar o atendimento à Rede Autorizada de Concessionárias, a Kia Motors do Brasil nomeou esta semana José Luiz Vendramini para o cargo de diretor de Planejamento de Rede, cujas principais atribuições serão o acompanhamento do padrão visual dos pontos de venda, o treinamento da mão de obra e o processo de ampliação da rede, diante da perspectiva de aumento do portfolio de produtos em 2020, com ao menos dois novos produtos da marca.
Com 37 anos de experiência no setor automotivo, inclusive com passagem pela própria Kia Motors, Vendramini  (foto) vai atuar em sintonia com o diretor de Vendas, Ary Jorge Ribeiro, em atendimento aos desafios da Kia para 2020.

“O difícil e instável momento do setor de importação de veículos automotores não é motivo de esmorecer. Acreditamos na retomada da economia brasileira em 2020. Aliás, os primeiros sinais de recuperação já foram anunciados neste início de dezembro. Acabamos de vencer o título de ¨Melhor Pós-Venda”, do Portal UOL/Carros, em votação de internautas. Por isso, precisamos reforçar a equipe e nos prepararmos para 2020, ano em que teremos ao menos dois importantes lançamentos”, argumenta José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil.

Kia Motors do Brasil.
Textofinal de Comunicação Integrada

Leia> Coisas de Agora

FCA NOMEIA BRENO KAMEI COMO DIRETOR DOS BRANDS RAM, DODGE E CHRYSLER PARA A AMÉRICA LATINA


A Fiat Chrysler Automóveis anuncia mudanças na diretoria da América Latina. Breno Kamei (foto) assume o cargo de diretor dos brands RAM, Dodge e Chrysler para a América Latina, atribuições que eram da responsabilidade de Nicholas Parkes, que continua à frente das Operações Comerciais da região, excluindo Brasil e Argentina.

Breno Kamei mantém a função de diretor de Portfólio, Pesquisa e Inteligência Competitiva para a América Latina, que ocupa desde 2017. Formado em Administração e Marketing, Kamei está no grupo desde 2003, quando iniciou carreira na área de marketing. Em 2015, foi nomeado gerente de portfólio global de produtos para a América Latina, com base em Detroit, nos Estados Unidos.

“Além de ampliar o alcance das marcas RAM, Dodge e Chrysler na América Latina, vamos nos dedicar à construção de estratégias para nos aproximar cada vez mais dos clientes, intensificando um relacionamento contínuo”, afirma Kamei.

Fiat Chrysler Automóveis

Leia> Coisas de Agora

RENAULT VENCE COMO “MELHOR REPUTAÇÃO JUNTO AO CONSUMIDOR”

A Renault foi eleita a montadora com “Melhor reputação junto ao consumidor” na premiação Carsughi L’Auto Preferita



A nova categoria da premiação foi criada em parceria com o Reclame Aqui, que avaliou do início do ano até 17 de novembro qual marca teve mais reclamações respondidas, o índice de solução, se o cliente voltaria a fazer negócio com marca e a nota do consumidor.

Lançado em 2015, o prêmio Carsughi L’Auto Preferita faz homenagem ao jornalista Claudio Carsughi, que este ano celebrou 72 anos de carreira. Na edição 2019 da premiação, as marcas concorreram em 15 categorias preestabelecidas, e os vencedores foram eleitos por um júri composto por 21 jornalistas que cobrem o segmento automotivo no Brasil.

Este prêmio se soma a outro reconhecimento. Neste ano, a Renault foi eleita, pela terceira vez, a montadora com o melhor serviço de atendimento ao cliente no Brasil, de acordo com o levantamento da revista Exame, em parceria com o Instituto Ibero-Brasileiro de Relacionamento com o Cliente (IBRC).

CSN TRANSPORTES URBANOS DE SALVADOR FAZ PRIMEIRA AQUISIÇÃO DE ÔNIBUS NEOBUS


CSN - TRANSPORTES URBANOS SPE S/A, um dos principais operadores de transporte coletivo da Bahia, fez a sua primeira aquisição de ônibus com carrocerias NEOBUS. São 30 unidades do urbano New MEGA para utilização no sistema de transporte coletivo urbano da Grande Salvador.

"A aceitação e preferência que os produtos NEOBUS têm conquistado nos mais competitivos mercados brasileiros representa incentivo e ainda mais dedicação para todos os colaboradores da empresa. É muito importante conquistar um cliente como a CSN e, com certeza, pela qualidade e relação custo/benefício do New MEGA, continuaremos a fornecer nossos ônibus", destaca Douglas Cristiano Pessoa, supervisor de vendas da NEOBUS.

Os 30 ônibus New MEGA fornecidos para a CSN têm chassi Volvo B270 F, com 13.345mm de comprimento e capacidade para 75 passageiros, sendo 38 sentados em poltronas City. São equipados com sistema de ar-condicionado de teto, iluminação interna e externa em LED, elevador na porta entre-eixos do lado direito para total acessibilidade, itinerários eletrônicos e preparação para sistema de monitoramento interno e externo com quatro câmeras de vídeo.

Os ônibus New MEGA se destacam pela sua extrema robustez. Além de ser espaçoso, econômico e esteticamente atrativo, o veículo foi projetado para atender às necessidades dos operadores de transportes de todo o País, aliando conforto e ótimo desempenho.

CONVERSA DE PISTA.
Por Wagner Gonzalez*

Boesel no Hall da Fama e Interlagos fora do WEC



Automobilismo brasileiro vive momentos antagônicos


No mesmo dia em que a Federação Internacional do Automóvel (FIA) homenageou o paranaense Raul Boesel (foto de abertura/Embrashow) por sua vitória no Campeonato Mundial de Resistência de 1987, os atuais organizadores desse evento anunciaram, ontem, o cancelamento da etapa brasileira que estava prevista para acontecer dia 1º de fevereiro em Interlagos.

Etapa brasileira prevista para 1º de fevereiro, em Interlagos, foi cancelada segunda-feira (2).

A falta de garantias financeiras foi a razão para tal medida, algo que já era comentado entre as equipes desde a etapa de Shangai, disputada dia 10 de novembro. A exclusão da etapa brasileira afeta o automobilismo brasileiro por se tratar da terceira oportunidade que etapas de campeonatos internacionais no Brasil são anunciadas e canceladas.

Raul Boesel foi o único brasileiro presente na festa, que inclui todos os campeões mundiais da categoria Endurance das temporadas de 1981 até 1992 (Então conhecido como Campeonato Mundial de Carros Esporte) e de 2012 até 2018/2019. Na temporada de 1987 Boesel disputou todas as 10 etapas do campeonato pela equipe oficial da Jaguar, e venceu as etapas de Jerez, Silverstone, Nürburgring (em dupla com o norte-americano Eddie Cheever), Brands Hatch (com o dinamarquês John Nielsen) e Spa-Francorchamps(com o inglês Martin Brundle e o escocês Johnny Dumfries), totalizando 127 pontos contra 102 da dupla Jan Lammers (Holanda) e John Watson (Irlanda). Boesel também disputou 23 GPs de F-1 nas temporadas de 1982/83.

Raul Boesel conquistou o Campeonato Mundial de Carros Esportes pilotando este protótipo XJR-9. Foto: Jaguar.

Na América do Norte largou em 199 corridas das fórmulas Indy e Cart e conseguiu um terceiro lugar nas 500 Milhas de Indianapolis, em 1989; seu melhor resultado nos Estados Unidos foi a vitória nas 24 Horas de Daytona de 1991 a bordo de um Jaguar XJR-9 compartido com Martin Brundle e John Nielsen. Atualmente Boesel é um renomado DJ internacional e participa de eventos em várias cidades do mundo.

CBA e promotor evitam comentar cancelamento


Tanto a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), quanto a Duduch Motorsports, promotora do evento "6 Horas de Interlagos", evitaram comentar e responder questões sobre o cancelamento da prova, anunciada com pompa e circunstância há cerca de ano e meio como etapa brasileira do Campeonato Mundial de Resistência, mais conhecido como WEC. 

Tal cenário em nada contribui para esclarecer uma situação que traz danos variados ao automobilismo brasileiro aqui e no Exterior: nos últimos anos a F-Indy já foi anunciada e cancelada em São Paulo e em Brasília e a capital paulista e o Rio apareceram no calendário oficial da F-E e tiveram desfecho idêntico. Pior, autoridades cariocas insistem em anunciar que o GP do Brasil de F-1 deverá ir para o Rio em 2021, assim como o Campeonato Mundial de Motociclismo terá uma etapa no ainda inexistente Autódromo de Deodoro. 

Questionado sobre a forma como apoiou o evento do WEC e se pretende impor alguma exigência ou medida para evitar que tais cancelamentos se repitam, o presidente da CBA, Valdner Bernardo, optou por responder, via sua assessoria, escolheu desprezar a oportunidade de esclarecer o tema como se conclui ao ler sua resposta: "A Confederação Brasileira de Automobilismo lamenta o cancelamento da etapa do Mundial de Endurance que aconteceria em São Paulo. Desde que fomos procurados pelo promotor local, ainda em 2017, acompanhamos o processo e prestamos todo o apoio esportivo, que é o que cabe à CBA em face ao evento privado. A presença de uma prova com essa atratividade seria um grande acontecimento para os apaixonados por esporte a motor. Esperamos que os obstáculos que impediram a vinda do WEC ao Brasil sejam ultrapassados e que, em um futuro breve, possamos receber essa tão importante categoria do automobilismo mundial."

Na etapa de Xangai equipes já estavam cientes do possível cancelamento da etapa brasileira. Foto: WEC/Jeff Carter.

Tal posicionamento parece inadequado ao que consta no parágrafo D, artigo 6º do seu estatuto ("promover, autorizar e fiscalizar a realização de campeonatos e torneios desportivos nacionais e internacionais), entre outros. Independente do resultado obtido no apoio que presta ao kartismo, não há motivo para tratar com indiferença fatos que contribuem para prejudicar a imagem do esporte frente a organizadores internacionais e potenciais investidores do esporte. Deixar de se posicionar claramente sobre o cancelamento de um evento internacional dois meses antes de sua realização ajudaria muito a entidade a recuperar sua própria imagem em um momento em que circulam rumores sobre a possível perda de sua sede própria devido a operações financeiras questionadas na Justiça.

Outra curiosidade sobre o anúncio do cancelamento da prova 6 Horas de Interlagos foi a maneira como a decisão foi divulgada: o comunicado de imprensa sobre o assunto foi divulgado por uma agência que chegou a interromper sua prestação de serviços ao promotor do evento. Questionada sobre os motivos que levaram Gérard Neveu (CEO do Campeonato Mundial de Resistência da FIA) a rejeitar as garantias financeiras oferecidas e cancelar a prova, a agência Néctar respondeu com um lacônico "Neste momento, não temos informações adicionais ao comunicado (sic)".

Gerard Neveu declarou que promotores não ofereceram as garantias financeiras para realizar a prova. Foto: WEC.

Dois outros pontos deixam claro que o cancelamento da corrida em Interlagos não era algo novo. Em reunião com as equipes participantes do WEC durante a etapa de Xangai, há cerca de um mês, Neveu admitiu as dificuldades que a Duduch Motorsports enfrentava e em seu comunicado de ontem anunciou um evento que substituirá a prova brasileira na temporada 2019/2020 da categoria, a Lone Star Le Mans, dias 22 e 23 de fevereiro, no Circuito das Americas, em Austin, Texas. Posto que um evento dessa magnitude demanda organização logística e negociações extensas, fica evidente que o destino da "6 Horas de Interlagos" já estava selado há tempos. Independente do esforço e do investimento despendidos pela empresa Duduch Motorsports é primordial que promotores e autoridades do automobilismo brasileiro atuem de forma a interromper uma lamentável frequência de cancelamentos de eventos internacionais.


* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores ClássicosTwitter: @motclassicosFale com o Wagner Gonzalez: wagner@beepress.com.br.

Leia> Coisas de Agora

PRINCESA D’OESTE FAZ NOVA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS VOLARE.


A Viação Princesa d’Oeste, de Campinas, no interior do Estado de São Paulo, acaba de adquirir quatro novos micro-ônibus Volare do modelo Attack 8 Escolar. Os veículos foram incorporados à frota da operadora, que no final do ano passado havia comprado 12 micro-ônibus Fly 9.

Os veículos foram desenvolvidos com configuração interna para transportar 44 estudantes com total conforto, segurança e agilidade. Equipado com motor Cummins ISF 3.8 Euro 5, com 152 cv de potência, o Volare Attack 8 apresenta menor consumo de combustível, garantindo economia e rentabilidade.

O modelo adquirido na concessionária Attiva, conta com poltronas escolares na configuração 3x2, assoalho em acabamento que imita madeira, janelas com vidro superior móvel, dois renovadores de ar no teto, itinerário eletrônico e porta- pacotes.

FCA VENCE EM DUAS CATEGORIAS DO PRÊMIO CARSUGHI L´AUTO PREFERITA

A FCA venceu em duas categorias na quinta edição do Prêmio Carsughi L´Auto Preferita: Melhor Projeto Socioambiental, com as ações do Polo Automotivo Jeep, de Goiana (PE), e Melhor Picape Média, com o Fiat Toro, produzido na mesma unidade fabril reconhecida. 


A cerimônia de entrega dos troféus, que acontece anualmente desde 2015, foi realizada nesta segunda-feira (02) em São Paulo (SP). Ao longo dos últimos anos a FCA venceu nove vezes com os melhores veículos do mercado. O Fiat Toro levou por três anos consecutivos o troféu da sua categoria.

Ladeada por Claudia e Claudio Carsughi, Tatiana Corrêa Carvalho recebeu uma das premiações conquistadas pela Fiat Chrysler Automobiles. 

Neste ano, pela primeira vez, a FCA foi reconhecida na categoria relacionada à sustentabilidade. A companhia busca compreender as necessidades atuais da sociedade, com iniciativas que vão além de atividades diretas, aplicando uma estratégia de sustentabilidade transversal.

O Polo Industrial da Jeep, de onde saem o Jeep Compass, Jeep Renegade e o Fiat Toro, é uma das plantas mais modernas do grupo FCA no mundo. Além da tecnologia da indústria 4.0 na fabricação dos veículos, há uma consciência de todo o grupo quanto à questão socioambiental. A planta atua em sintonia com a comunidade para promover a conservação da Mata Atlântica através de seu programa de biodiversidade.

Com as iniciativas adotadas, a unidade pernambucana apresenta um índice de mais de 99,5% de recírculo de água da manufatura. Em um mês, cerca de 28 mil m³ de água (equivalente a oito piscinas olímpicas) deixam de ser captados da rede pública de abastecimento. Além disso, a planta recebeu o certificado Aterro Zero, que atesta que não há despejo de resíduos industriais, ou seja, 100% é reciclado ou reutilizado.

O Polo Jeep também foi a primeira fábrica no setor automotivo na América Latina a ter o certificado Carbono Neutro conquistado em 2017, devido ao desenvolvimento de processos para reduzir e neutralizar emissões de gases de efeito estufa geradas pela manufatura. Outra iniciativa importante é o Programa Biodiversidade: o maior viveiro de mudas da Mata Atlântica do Nordeste foi criado dentro da unidade com 10 mil metros quadrados. Desde 2014, já foram plantadas mais de 100 mil mudas de 295 diferentes espécies.

A unidade também trabalha com a melhoria da educação pública da região com os projetos Rota do Saber, para qualificação de gestores pedagógicos e professores de escolas públicas do Ensino Fundamental, e Vozes Daqui, que pretende despertar e aprimorar o interesse de alunos e da comunidade pelo ambiente escolar.

Melhor Picape Média 


No mesmo complexo fabril também é produzido o modelo que foi eleito como a Melhor Picape Média do Prêmio Carsughi L´Auto Preferita. Com mais de 200 mil unidades vendidas e líder em vendas no segmento das picapes médias, o Toro está disponível nas versões Endurance, Freedom, Volcano, Ranch e a recém-chegada Ultra. Agora, com a linha 2020, o Fiat Toro em suas versões Freedom (Flex e Diesel) trouxe ao Brasil pela primeira vez o novo conceito italiano S-Design, apresentado no Salão de Genebra de 2017. Alguns itens do pacote especial são incorporados à picape dentro da fábrica pelo Mopar Custom Shop, mantendo a qualidade e garantia total. 

Com seu prático porte médio que inaugurou o inédito conceito de SUP (Sport Utility Pickup), um misto de SUV e picape, o Fiat Toro mudou completamente o panorama e as vendas destes veículos no Brasil. Reuniu o requinte, luxo e conforto com a praticidade de uma ampla caçamba, que conta com inédita tampa de dupla abertura lateral, facilitando a carga e descarga. Com estes atributos, o Fiat Toro rapidamente conquistou os consumidores e se tornou um campeão de vendas. Pelo seu porte, consegue reunir as melhores qualidades das picapes pequenas e das grandes.

Hoje a Fiat lidera com tranquilidade todo o amplo segmento de picapes, que vai das compactas derivadas de automóveis até as grandes. Somadas, Fiat Toro e Fiat Strada abocanharam quase 40,0% de participação de mercado em todo o segmento de picapes em 2018. A Strada representou 20,6% e o Toro 17,9%. Ou seja, o Fiat Toro só "perde" dentro de casa para sua irmã Fiat Strada e mesmo assim por uma margem menor que 3%. O reconhecimento de uma parte dessa história de sucesso se materializa através do Prêmio Carsughi L´Auto Preferita, na categoria Picape Média. 

Fiat Chrysler Automóveis

Leia> Coisas de Agora

METRA ABRE SUA GARAGEM PARA OS APAIXONADOS POR ÔNIBUS

A Metra, empresa dedicada ao transporte de passageiros no Corredor ABD, entre o bairro de Jabaquara, na zona sul de São Paulo, São Mateus, zona leste, e sua extensão entre o município de Diadema e o bairro do Brooklin, na zona sul, promoveu o programa Garagem Aberta que reuniu busólogos, mantendo uma longa tradição de relacionamento com os admiradores de ônibus.



O grande interesse e procura dos busólogos levou a Metra a organizar duas turmas de admiradores, que nos dias 26 de novembro e 3 de dezembro foram recebidos na sede da empresa, onde participaram de palestras, esclareceram dúvidas, visitaram as instalações, passearam de ônibus, receberam informações da história da empresa e puderam fotografar e filmar o que desejaram.

Busólogo é o termo que identifica pessoas que apreciam ônibus, reúnem-se para trocar informações, fotografam e filmam os veículos, colecionam e trocam imagens, miniaturas, bonés, camisetas, vídeos e histórias, prestigiam exposições, eventos e estudam veículos e empresas que os produzem ou os utilizam para o transporte de pessoas.

A maioria dos admiradores de ônibus é do sexo masculino, mas há mulheres, naturalmente em menor número, que também fazem parte do grupo de apaixonados e apreciam trocar informações. Entre elas, Lucimara dos Santos Lamy que acompanhou o pai desde os 8 anos de idade, na administração de uma empresa de venda de peças para ônibus e que, hoje, conhece tanto, que não tem receio de corrigir informações que julga equivocadas.

Outra mulher presente no evento foi Leila Severo, também apaixonada por ônibus e motorista habilitada há mais de 12 anos. Com experiência na profissão e capacitada para conduzir veículos pesados, revelou o sonho de ser contratada para dirigir um modelo biarticulado, com capacidade para transportar mais de 150 passageiros.

Entre os homens, João Pedro Santos, que acompanha a evolução dos veículos e dá exemplos de conhecimento como sobre o modelo de ônibus Volvo B58 com carroceria Caio Vitória, lançado em 1989, mas superado tecnicamente pelo Caio Milenium 340, lançado alguns anos depois, em virtude da evolução atingida pelas empresas fabricantes.

Metra
Secco Consultoria de Comunicação

Leia> Coisas de Agora

CÂMBIO DERRUBA VENDA DE CARROS IMPORTADOS


As quinze marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, com licenciamento de 2.767 unidades, anotaram em novembro último forte queda de vendas de 18,8% em relação a outubro de 2019, quando foram vendidas 3.407 unidades importadas. Ante novembro de 2018, quando foram comercializadas 2.947 unidades, a retração é de 6,1%.

“A permanência do dólar acima de R$ 4,00 tem agitado o mercado interno, mas o impacto mais devastador tem sido para o setor de importação de veículos automotores, pois além do dólar na faixa atual, ainda pagamos os 35% do Imposto de Importação, maior percentual permitido pela Organização Mundial do Comércio e competimos com empresas com grandes subsídios federais e estaduais”, analisa José Luiz Gandini, presidente da Abeifa, para quem – com o resultado de novembro– será muito difícil que as associadas fechem o ano com 35 mil unidades comercializadas projetadas.

Segundo Gandini, “o setor vive um momento dramático, de inviabilidade do negócio de importação. Por esse motivo, temos conversado com setores do Governo no sentido de viabilizar a tão esperada redução do imposto de importação, já que o câmbio, por si só, é um fator de limitação de volumes. Precisamos desse equilíbrio para que os carros importados possam ser competitivos em preços finais ao consumidor. Os importadores precisam viabilizar seu negócio até mesmo para manter o atendimento de pós-vendas à frota circulante de importados no país”.

No segmento de importados, as cinco marcas que mais venderam, em novembro, foram a Volvo (754 / +4,6%), Kia Motors (661 unidades / -33,2%), BMW (330 / -46,7%), Land Rover (242 / -1,6%), e Porsche (219 / +12,9%).

De outra parte, as quatro montadoras associadas à entidade que produzem veículos localmente mantêm taxa de crescimento de 38,8% no acumulado, passando de 21.263 unidades licenciadas nos primeiros dez meses de 2018 para 29.506 unidades em igual período deste ano.

Entre as associadas com produção nacional - BMW, CAOA Chery, Land Rover e Suzuki, em novembro último, o emplacamento de 3.148 unidades também representou queda de 9,3% em relação a outubro de 2019, quando totalizaram 3.471 unidades , mas significaram alta de 41,5% ante novembro de 2018, quando anotaram 2.224 unidades.

Por marcas, a CAOA Chery, com 1.902 unidades emplacadas, registrou queda de 13,3% ante outubro de 2019; a BMW, com 847 unidades, alta de 1,8%; a Suzuki, com 223 unidades licenciadas, alta de 44,8% e a Land Rover, com 176, queda de 39,5%.

Somados os emplacamentos de unidades importadas e produzidas localmente, o ranking das cinco marcas, por volumes, aponta, a CAOA Chery com 1.902 unidades (só nacionais), a BMW com 1.177 unidades (330 nacionais + 847 importados), a Volvo com 754 unidades (só importados), a Kia Motors com 661 veículos (só importados), e Land Rover com 418 veículos (242 importados e 176 nacionais).

Participações – Em novembro último, ao considerar somente os veículos importados por associadas à entidade – total de 2.767 unidades -, o setor significou marketshare de 1,2%. Com 5.915 unidades licenciadas (importados + produção nacional), a participação das associadas à Abeifa foi de 2,56% do mercado total de autos e comerciais leves (230.923 unidades).

No acumulado de janeiro a novembro, os importadores das associadas à Abeifa significam, com. 31.218, marketshare de apenas 1,3%. Se somados os totais de importados e a produção nacional, a participação da Abeifa é de 2,52%.

Saiba mais

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

CARSUGHI L´AUTO PREFERITA ANUNCIA VENCEDORES E TOYOTA CONQUISTA CINCO PRÊMIOS


Em sua quinta edição, premiação faz parceria com Reclame Aqui


O prêmio Carsughi L’Auto Preferita anunciou os vencedores da sua quinta edição, em cerimônia realizada nesta segunda-feira (2), no restaurante Trevolte, com a presença de executivos das principais montadoras em operação no Brasil e de profissionais da imprensa e agências de comunicação. O maior vencedor foi o Corolla 2.0, que conquistou duas categorias: Automóvel de Passeio Médio e Elétrico/Híbrido do Ano. A estas, a Toyota somou a de Marca Inovadora de 2019, e a Lexus, sua divisão de Luxo, duas:  Automóvel de Passeio Premium Luxo, com o Lexus ES 300h, e SUV Premium Luxo, com o Lexus UX 250h.

A novidade do prêmio Carsughi L’Auto Preferita 2019 é a parceria com o Reclame Aqui, criando a categoria Melhor Reputação junto ao Consumidor, conquistada pela Renault. Do início do ano até 17/11, o portal avaliou qual marca teve mais reclamações respondidas; o índice de solução; se voltaria a fazer negócio; e nota do consumidor.

Lançado em 2015, o prêmio Carsughi L’Auto Preferita presta homenagem ao consagrado jornalista Claudio Carsughi, que este ano celebrou 72 anos de carreira. “Estamos honrados em chegar à quinta edição, com tamanho sucesso, e o reconhecimento do mercado. A premiação já faz parte do calendário anual automotivo, e ganha mais peso a cada ano”, afirma Claudia Carsughi, idealizadora da premiação.

Nesta edição do Carsughi L’Auto Preferita, as marcas concorreram em 15 categorias preestabelecidas, e os vencedores foram eleitos por um júri composto por jornalistas que cobrem o segmento automotivo: Bob Sharp (Autoentusiastas/SP), César Tizo (Autoo/SP), Claudio Carsughi (Portal Carsughi/UOL Carros/SP), Claudia Carsughi (Portal Carsughi/UOL Carros/SP), Edison Ragassi (Revista Carro/O Mecânico/SP), Emílio Camanzi (Carros com Camanzi/MG), Fábio Trindade (Motorsport/SP), Fernando Siqueira (Tribuna do Norte/RN), Giu Brandão (Mundo sobre Rodas/AL), Jorge Finardi (SuperTop Motor/SP), Jorge Moraes (Diário de Pernambuco/PE), Luís Otávio Pires (Acelera Aí/MG), Mario Venditti (Autoline), Norton Luiz (Diário da Manhã/GO), Paula Gama (Motor/ES), Paulo Cruz (Auto News TV/MS), Rafael Poci Dea (Revista Motorshow), Selma Morais (Bahia Motor/BA), Sérgio Dias (Alpha Autos/SP), Sergio Quintanilha (Guia do Carro/SP) e Wanderley Faria (O Popular online/GO).

Prêmio Carsughi L’Auto Preferita 2019, por categoria


- Automóvel de passeio compacto – Hyundai HB20
- Automóvel de passeio médio – Toyota Corolla 2.0
- Automóvel de passeio grande – VW Passat
- Automóvel de passeio premium luxo – Lexus ES 300h
- SUV  compacto – VW T-Cross
- SUV médio – Mercedes Benz GLC
- SUV grande – Honda CR-V
- SUV premium luxo – Lexus UX 250h
- Picape média – Fiat Toro
- Picape grande – Ford Ranger
- Esportivo do ano – Porsche 718 Boxster
- Elétrico/Híbrido do ano – Toyota Corolla 2.0
- Marca Inovadora 2019 – Toyota
- Melhor Projeto Socioambiental – Circuito de Sustentabilidade Jeep
- Melhor Reputação junto ao Consumidor – Renault

A quinta edição do prêmio Carsughi L’Auto Preferita teve patrocínio de Alta Diagnósticos (ofereceu brinde aos presentes), BSS blindados, Fiat, Ford, Honda, Jeep, Renault (sorteou um par de ingressos para o musical “O Fantasma da Ópera”), Rokkets Digital (ofereceu as pílulas da inovação como brinde) e Toyota. Os parceiros de 2019 foram Cave Pamplona (vinhos e espumantes), Grupo Printer (divulgação do evento), Mc Patisserie (palhas italianas) e Mimo restaurante (sorteou cinco jantares para duas pessoas).

Sobre o prêmio Carsughi L´Auto PreferitaClaudio Carsughi, que batiza a premiação, é jornalista, comentarista e crítico de Fórmula 1, de futebol e da indústria automobilística. O prêmio foi lançado em 2015, com o intuito de celebrar e contemplar os melhores veículos, em 15 categorias, escolhidos por um corpo de 21 jurados. Esta é a primeira e única premiação que leva o nome de um jornalista e não da publicação.

domingo, 1 de dezembro de 2019

RENAULT É A MELHOR EMPRESA NA CATEGORIA “MONTADORA DE VEÍCULOS”


A Renault foi eleita a melhor empresa na categoria Montadora de Veículos na 32ª edição da premiação Maiores do Transporte & Melhores do Transporte 2019, promovida pelas revistas Transporte Moderno e Technibus.

Entre os nove quesitos analisados com base no balanço financeiro de 2018, a Renault obteve notas máximas em receita operacional líquida (ROL), patrimônio líquido (PL), lucro líquido (LL), rentabilidade do patrimônio líquido (RPL) e produtividade do capital (PC).

Em 2018 a Renault cresceu acima do mercado. As vendas aumentaram 28,5% enquanto o mercado registrou um crescimento de 13,6%. O crescimento é resultado do investimento contínuo nos últimos anos. 

“Em 2019 continuamos com a nossa trajetória de crescimento no mercado brasileiro. Um dos destaques da marca é o Master, líder pelo quinto ano consecutivo do segmento de furgões de até 3,5 toneladas, deve terminar o ano novamente na liderança”, explica Alexandre Dias, diretor Vendas Empresa da Renault do Brasil.



JEEP® GRAND CHEROKEE GANHA TECNOLOGIAS SEMIAUTÔNOMAS NO MODELO 2020


Prestes a entrar em mais uma década, a quarta desde o lançamento mundial em 1992, o Jeep® Grand Cherokee acaba de receber novidades importantes no modelo 2020 oferecido no mercado brasileiro. Utilitário-esportivo mais premiado do planeta e Jeep mais vendido de todos os tempos, passando de 5 milhões de unidades ao longo de quatro gerações, o topo de linha da marca passa a contar, de série, com um amplo pacote com tecnologias de assistência à direção.

O conjunto é formado por recursos até então inéditos para o modelo no país. Casos do controle adaptativo de velocidade com parada total (ACC), assistente avançado de frenagem, aviso de colisão frontal com frenagem ativa (FCW+), alerta de mudança de faixa com assistente de correção (LaneSense), sistema semiautomático de estacionamento paralelo e perpendicular (Park Assist) e monitoramento de pontos cegos (BSM).

O Jeep Grand Cherokee ainda exibe outras novidades no modelo 2020, como as rodas de liga leve de 20 polegadas com novo desenho e a opção de revestimento interno de couro bege, além do tradicional preto. Também foi reformulada a tela do sistema multimídia Uconnect. Com os mesmos 8,4” de antes, ela agora está ligeiramente mais próxima dos ocupantes, na mesma linha do painel. Isso ajuda na ergonomia e deixa o visual mais limpo. Lembrando que a central é compatível com Android Auto, Apple CarPlay e tem navegador  GPS próprio.

Capacidade 4x4 com todo o conforto



O Grand Cherokee 2020 tem versão única, Limited Diesel, equipada com o eficiente conjunto mecânico formado pelo motor turbo diesel V6 de 3 litros, 241 cv e 56,1 kgfm combinado ao câmbio automático de oito marchas. A tradicional aptidão off-road líder da categoria é garantida pela tração integral Quadra-Trac II, com capacidade de subida (crawl ratio) de 44:1 com a reduzida acionada, podendo transferir 100% do torque para o eixo traseiro. Há ainda controle de descida (HDC) e sistema de tração Selec-Terrain com cinco modos: Auto (automático), Snow (neve), Sand (areia), Mud (lama) e Rock (pedra).

O SUV grande da Jeep tem outros destaques em sua longa lista de equipamentos, a exemplo de: apoios de cabeça dianteiros ativos, bancos dianteiros com ajustes elétricos, aquecimento e ventilação, banco traseiro com aquecimento, comutação automática de faróis (fachos alto/baixo), controle de oscilação de reboque (TSC), faróis com nivelamento automático, quadro de instrumentos com tela configurável de TFT de 7”, sistema de entretenimento traseiro com duas telas rebatíveis de 9”, duas entradas HDMI e dois fones de ouvido sem fio, som premium com 9 alto-falantes e subwoofer, tampa do porta-malas com acionamento elétrico, teto solar panorâmico e volante com ajuste elétrico de altura e profundidade, entre outros. Só de itens relativos à segurança, são mais de 70.

O Jeep Grand Cherokee Limited Diesel 4x4 2020 estará disponível a partir de dezembro pelo preço sugerido de R$ 359.990, nas cores sólidas branco e preto e nas metálicas cinza e prata.

FCA

Leia> Coisas de Agora

sábado, 30 de novembro de 2019

MARCOPOLO CONQUISTA PRÊMIO MAIORES & MELHORES DO TRANSPORTE 2019

Luciano Piccirillo Neto, gerente comercial da Marcopolo, com os troféus de Maiores & Melhores do Transporte. Foto: Sabrina Leme.

A Marcopolo S.A. foi uma das vencedoras do 32º Prêmio Maiores do Transporte & Melhores do Transporte, evento anual promovido pela OTM Editora. A empresa foi destaque na categoria de Fabricante de Carrocerias de Ônibus e também eleita “A melhor entre as melhores da categoria Indústria” pelos indicadores de desempenho avaliados pela premiação.

A fabricante alcançou, em 2018, o melhor desempenho em toda a sua história, com receita recorde de R$ 4,197 bilhões e crescimento de 45,9% em relação a 2017, quando registrou receita de R$ 2,876 bilhões. O resultado foi fruto do trabalho que a empresa vem realizando nos últimos anos com foco na eficiência, competitividade, produtividade, segurança e qualidade.

A Marcopolo adotou estratégia que permitiu obter excelentes resultados em vários indicadores financeiros. Nos nove primeiros meses deste ano, manteve sua trajetória de crescimento e registrou receita líquida consolidada de R$ 3,121 bilhões, com crescimento de 5,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando contabilizou R$ 2,957 bilhões. As vendas para o mercado brasileiro cresceram 16,9% e, junto com os negócios no exterior, sustentaram o aumento da receita.

Marcopolo
Secco Consultoria de Comunicação

Leia> Coisas de Agora

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

EXPRESSO FREDERES COMEMORA 80 ANOS COM NOVOS ÔNIBUS MARCOPOLO

A Expresso Frederes S.A. comemora 80 anos de atividades e adquire dois novos ônibus Marcopolo Paradiso 1200 que serão utilizados em linhas intermunicipais do Rio Grande do Sul



Sediada em Porto Alegre, a empresa conta com operações de linhas regulares em Tapes, Camaquã, Cerro Grande do Sul, Dom Feliciano, Jaguarão e São Lourenço. Fundada pela união dos empreendedores Nicolau Frederes, Paulo Frederico Weimar e Waldomiro Rödel, conta atualmente com mais de 200 funcionários e 80 ônibus na frota.

“É uma satisfação muito grande poder participar das comemorações de 80 anos da Expresso Frederes, tradicional operadora gaúcha que demostra a força da gestão familiar e que por décadas deposita confiança em nosso trabalho para a construção de uma sólida parceria”, destaca Rodrigo Pikussa, diretor do Negócio Ônibus da Marcopolo.

José Antônio Rödel e Leo Vicente Frederes, representantes da terceira geração no comando da empresa, falam sobre a longevidade da companhia, cuja trajetória iniciou na década de 1930. “Estamos sempre em busca das melhores soluções para ofertar aos nossos clientes, mas o que consideramos primordial, como nossa essência, é o respeito e contato próximo com os nossos colaboradores”, comenta Rödel. “É o prazer de atuar no segmento de transportes que nos impulsiona, mesmo que seja um segmento bastante desafiador”, complementa Frederes.

Os dois novos ônibus fornecidos têm 13.100mm de comprimento e contam com equipamentos e acessórios para garantir o máximo conforto, comodidade e segurança aos clientes, como acesso à internet, TV digital a bordo, 46 poltronas semileito e sistema de monitoramento por câmeras. Possuem ainda tomadas USB individuais, sistema de ar-condicionado, monitores no salão de passageiros, parede separação total, cortinas, itinerário, bagageiro, porta-copos e porta-pacotes.

Foto: Tatiana Dondé dos Santos.

quarta-feira, 27 de novembro de 2019

CONVERSA DE PISTA.
Por Wagner Gonzalez*

F-1: TEMPORADA TERMINA COM CERTEZAS E DÚVIDAS



GP de Abu Dhabi encerra domingo o campeonato de 2019


Com a devida ressalva ao domínio da Mercedes Benz e o sexto título de Lewis Hamilton (foto de abertura/Mercedes) a temporada de F-1 de 2019 chega ao fim no próximo fim de semana com mais dúvidas que certezas. A incapacidade da Ferrari em gerir o maior orçamento da categoria e dois pilotos e fases distintas de suas carreiras, o amadurecimento de Max Verstappen e a chegada de Alexander Albon ao pelotão dianteiro, a reorganização de times como a McLaren e a Renault e o desequilíbrio das demais equipes justificam o título desta coluna. O saldo é amplamente positivo para o torcedor, que pode esperar uma nova temporada mais competitiva e menos desequilibrada.

Valtteri Bottas deve seguir na sombra de Hamilton. Foto: Mercedes.

Há pouco ou nada para discutir sobre o rendimento de Lewis Hamilton durante o ano: o inglês que se tornou o primeiro negro a triunfar na outrora aristocrata e refratária comunidade da F-1 mostrou regularidade e astúcia durante todo o ano e fez por merecer o título que, a bem da verdade, apenas o finlandês Valtteri Bottas poderia evitar o destino consumado. Tudo indica que no ano que vem tal desequilíbrio continuará inalterado: Hamilton já deixou claro que vai em busca de um resultado que o iguale ao heptacampeão Michael Schumacher, único da história da conquistar sete títulos.

Na Ferrari fica cada vez mais claro que Sebastian Vettel não consegue manter a frieza típica dos alemães frente aos ataques do ainda novato Charles Leclerc, monegasco que ainda se perde no entusiasmo pueril, apesar de ter demonstrado possuir potencial para liderar a Ferrari e agradar à imensa torcida da Scuderia. Embora os dois estejam confirmados para a temporada de 2020 esta coluna não se surpreenderá se um dos dois não terminar o ano a bordo dos caros vermelhos de Maranello. Vettel é o primeiro candidato a deixar esse barco em meio a uma tormenta com a que marcou o abandono de ambos após um acidente no GP do Brasil.

Max Verstappen se recuperou no final da temporada. Foto: RBCP-Getty Images.

Na terceira equipe do grid nota-se o amadurecimento de Max Verstappen e o progresso da Honda como fornecedora de motores mais competitivos. O anglo-tailandês Alex Albon pode ser considerado a grande revelação do ano: só não conseguiu seu primeiro pódio em Interlagos por cortesia de Lewis Hamilton, que provocou sua rodada nas voltas finais da etapa brasileira quando ambos disputavam o segundo lugar. Carrasco de Pierre Gasly, a quem substituiu na equipe Red Bull, Albon viu sua vítima involuntária conseguir seu primeiro na prova onde ele mais brilhou.

McLaren e Renault, equipes que compartem do mesmo motor, disputaram o quarto lugar na temporada, que deverá ficar nas mãos da primeira. Ao apostar em dois pilotos mais jovens e com menos vícios – Carlos Sainz Jr e Lando Norris -, o time inglês deu um passo mais seguro no seu retorno ao protagonismo da categoria. A Renault, que ano que vem terá o franco-catalão Estebán Ocón ao lado de Daniel Ricciardo, vai pelo mesmo caminho e poderá capitalizar esse trabalho em 2020.

No resto do grid nota-se o vai e vem típico da segunda metade do grid. Propostas de impor um teto de gastos esbarra na criatividade típica de quem tem mais capital e dificilmente consolidará o sonho de uma categoria mais equilibrada. Por isso tudo, ainda é pouco provável que o status quo da F-1 mude radicalmente, ainda que as chances de se ver corridas mais emocionantes e disputas mais próximas seja algo factível para o ano que vem.

* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores ClássicosTwitter: @motclassicosFale com o Wagner Gonzalez: wagner@beepress.com.br.


Leia> Coisas de Agora