sexta-feira, 8 de novembro de 2019

VENDA DE VEÍCULOS IMPORTADOS CRESCE 19,8% EM OUTUBRO


Com o licenciamento de 3.407 unidades, as quinze marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores, anotaram em outubro crescimento de vendas de 19,8% em relação a setembro de 2019, quando foram vendidas 2.845 unidades importadas. Ante outubro de 2018, quando foram comercializadas 3.484 unidades, a retração é de 2,2%.

O desempenho positivo de 19,8% em outubro último fez decrescer o índice negativo do acumulado dos primeiros dez meses do ano. A queda no ano caiu de 9,8% para 8,9%. Embora o setor tenha anotado tendência mensal de alta, a dois meses do final de 2019, a estimativa de vendas para o ano – já revisada em julho último - de 40 mil unidades, foi mantida em 35 mil unidades.

De outra parte, as quatro montadoras associadas à entidade que produzem veículos localmente mantêm taxa de crescimento de 38,4% no acumulado, passando de 19.039 unidades licenciadas nos primeiros dez meses de 2018 para 26.358 unidades em igual período deste ano.

No segmento de importados, as cinco marcas que mais venderam, em outubro, foram a Kia Motors (990 unidades / +50%), Volvo (721 / +21,2%), BMW (619 / +34,3%), Land Rover (246 / -2,4%), e Jac Motors (195/ -3,9%).

Entre as associadas com produção nacional - BMW, CAOA Chery, Land Rover e Suzuki -, em outubro último, o emplacamento de 3.471 unidades representou alta de 17,9% em relação a setembro de 2019, quando totalizaram 2.944 unidades e significaram alta de 36% ante outubro de 2018, quando anotaram 2.553 unidades.

Por marcas, a CAOA Chery, com 2.194 unidades emplacadas, registrou alta de 26,2% ante setembro de 2019; a BMW, com 832 unidades, alta de 1,2%; a Land Rover, com 291, alta de 23,8% e a Suzuki, com 154 unidades licenciadas, queda de 4,1%.

Somados os emplacamentos de unidades importadas e produzidas localmente, o ranking das cinco marcas, por volumes, aponta, a CAOA Chery com 2.194 unidades (só nacionais), a BMW com 1.451 unidades (832 nacionais + 619 importados), a Kia Motors com 990 veículos (só importados), a Volvo com 721 unidades (só importados), e Land Rover com 537veículos (246 nacionais e 291 importados).

Participações
Em outubro, ao considerar somente os veículos importados por associadas à entidade – total de 3.407 unidades -, o setor significou marketshare de 1,41%. Com 6.878 unidades licenciadas (importados + produção nacional), a participação das associadas à Abeifa foi de 2,85% do mercado total de autos e comerciais leves (241.175 unidades).

Saiba mais

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

MARCOPOLO E MERCEDES-BENZ VÃO FORNECER 147 NOVOS ÔNIBUS PARA A CUTCSA, DO URUGUAI


Veículos serão entregues no final deste ano e elevarão ainda mais o padrão de qualidade do transporte coletivo urbano de Montevidéu.


A Marcopolo e a Mercedes-Benz fecharam a venda de 147 novos ônibus urbanos para a CUTCSA – Companhia Uruguaia de Transportes Coletivos S.A. –, principal empresa do segmento no Uruguai. Os novos veículos, os primeiros equipados com ar-condicionado, são do modelo Torino Low Entry, com chassi OH 1721LE Euro 5 e vão contribuir para elevar o padrão de qualidade do transporte coletivo urbano da capital uruguaia.

“Participar das constantes renovações de frota da CUTCSA, cliente há mais de 20 anos, atesta a estreita parceria que possuímos e a sua satisfação com a qualidade dos nossos ônibus”, comenta José Luiz Moraes Goes, gerente executivo de Negócios Internacionais - Região Américas. A CUTCSA possui frota com mais de 1.100 veículos, todos com carroceria Marcopolo. Nos últimos anos foram cerca de 300 novas unidades entregues.

Os 147 novos ônibus têm 11.800mm de comprimento e capacidade para transportar 31 passageiros sentados em poltronas do modelo City. Possuem rampa de acesso para portadores de deficiência e mobilidade reduzida na porta entre-eixos do lado direito, cortinas, itinerário eletrônico, janelas de correr e assoalho em alumínio liso com revestimento de alta resistência.

A utilização de novos ônibus vai permitir a constante melhoria na qualidade do serviço oferecido nas linhas urbanas de transporte em Montevidéu. A CUTCSA é uma das mais tradicionais companhias de transporte urbano do Uruguai, tem mais de 80 anos de atividades e atua em cerca de 100 diferentes linhas intermunicipais e urbanas. 

Foto: Douglas de Souza Melo.

Marcopolo
Secco Consultoria de Comunicação

Leia> Coisas de Agora

NISSAN PASSA A ADOTAR FERROVIAS PARA O TRANSPORTE DE PEÇAS.


Nova modalidade de transporte contribui para a diminuição de emissões e do tráfego nas rodovias

A Nissan passou a adotar o modal ferroviário como transporte preferencial de todas as peças importadas pela montadora e utilizadas na produção de seus veículos no Complexo Industrial de Resende, no Rio de Janeiro. Hoje, 68% de todo o deslocamento dessas peças já usa essa modalidade. A novidade implementada pela fabricante japonesa vem contribuindo para a diminuição das emissões de CO2 e do tráfego nas rodovias.
Semanalmente, contêineres chegam aos portos do Estado do Rio de Janeiro trazendo peças de diferentes países para serem usadas na fabricação dos modelos compactos Nissan March e Nissan Versa, além do crossover Nissan Kicks. Depois de desembarcarem, os itens – que antes eram levados de caminhões até a fábrica - agora são transportados por trens até um terminal multimodal em Itatiaia (RJ), de onde partem para a planta em caminhões, percorrendo um trecho rodoviário muito menor.
"Com a nova modalidade de transporte conseguimos reduzir em 47% as emissões de CO2, além de contribuir com a diminuição dos engarrafamentos nas estradas. A adoção de trens para o deslocamento das peças traz também redução de custos, mais segurança para a carga, e melhor rastreabilidade em seu caminho até a planta. É ainda uma alternativa para o transporte quando imprevistos, como acidentes, impedirem a utilização de rodovias", explica Cleiton Lima, gerente de Logística de Peças Importadas da Nissan.
O Complexo Industrial da Nissan em Resende, que completou cinco anos de operação em 2019, já recebeu mais de R$ 2,6 bilhões de investimento e conta com um ciclo completo de produção. As atividades na unidade vão desde a área de estamparia até as pistas de testes, passando pela chaparia, pintura, injeção de plásticos, montagem e inspeção de qualidade, além da fábrica de motores.
A unidade do sul-fluminense é pioneira na utilização de tecnologia a favor da sociedade. A fábrica conta com 97 robôs e 167 AGV's (Automatic Guided Vehicles), veículos guiados automaticamente, responsáveis por otimizar o tempo de produção, facilitando o processo e o transporte dos carros na linha.

Nissan do Brasil

Leia> Coisas de Agora

CONVERSA DE PISTA.
Por Wagner Gonzalez*

ROGER PENSKE AUMENTA SEUS DOMÍNIOS

Empresário norte-americano compra o complexo de Indianapolis e quer F-1


Roger Penske e Tony George selam a venda do complexo de Indianapolis. Foto: Indycar.

O que pode ser mais importante às vésperas do GP do Brasil de F-1: a conquista do sexto título mundial de Lewis Hamilton, o rompimento do contrato entre McLaren e Petrobrás ou a compra do Império IMS por Roger Penske? Nacionalismos à parte a última opção é a notícia mais impactante das três mencionadas: Hamilton está numa fase excelente, o divórcio entre e a empresa nacional e a equipe inglesa era um tema já perto de se tornar um fato consumado e a capacidade intelectual e financeira do bilionário norte-americano tem poder de impactar o status quo do automobilismo mundial de forma mais do que simplesmente abrangente.

Líder de um império que emprega mais de 64.000 pessoas e tem uma receita consolidada que ultrapassa os US$ 32 bilhões anuais, Roger Penske é conhecido por seus empreendimentos de sucesso, apreço a soluções que unem funcionalidade e lucratividade e está ligado por parte considerável dos seus 82 anos de vida. Seus negócios espalham-se pelo mundo: no Brasil é sócio do seu ex-piloto André Ribeiro em uma concessionária de automóveis (talvez espinha dorsal dos seus negócios) e mantém centros de distribuição e logística, o maior deles na Grande São Paulo.

Penske (E), Gil e Castro Neves: essa formação conquistou quatro vitórias na Indy 500.  Foto: Indycar.Com.

Nas pistas a presença de seu nome em qualquer lista de inscritos é motivo de preocupação e respeito por parte dos seus adversários: invariavelmente carros e equipes com seu sobrenome disputam as principais posições e, mais cedo do que tarde, tornam-se invariavelmente vencedores e campeões em qualquer categoria que participem. Só em Indianapolis seu nome está diretamente ligado a 18 vitórias, cinco delas através de pilotos brasileiros: Emerson Fittipaldi (1989), Gil de Ferran (2003) e Hélio Castro Neves (2001/02/09). Este ano o vencedor Simon Pagenaud conduziu um carro de sua equipe.

Juan Pablo Montoya e Dave Cameron e o Accura vencedor do principal título da temporada IMSA. Foto: IMSA.

Não é só na Indy que sua marca brilha: Juan Pablo Montoya e Dane Cameron levaram o Acura DPi, um protótipo com mecânica Honda, ao título do Weathertech Sportscar Championship. Em uma lista de 46 carros inscritos na temporada da Nascar três dos dez primeiros colocados são seus pilotos: Joey Logano (4º), Ryan Blaney (6º) e Brad Keselovski (9º). Detalhe, carros que representam a marca Ford, o que mostra sua capacidade de desenvolver projetos paralelos com marcas concorrentes. General Motors, Mercedes e VW são outros grupos com os quais ele mantém bem sucedidos relacionamentos, seja através de conquistas nas pistas, seja participando de conselhos ou diferentes ou como revendedor.

A negociação para a compra da Hulman & Company, empresa proprietária do autódromo de Indianapolis, do evento 500 Milhas de Indianapolis e do campeonato Indycar Series, começou recentemente, fala-se em menos de um ano, e foi completada sem que o assunto vazasse. O anúncio oficial aconteceu ontem (foto de abertura/Indycar), e ontem mesmo o novo proprietário começou a trabalhar no que considera os dez pontos para atacar de imediato. Embora a negociação ainda deva ser aprovada pelas autoridades norte-americanas, ninguém acredita que haverá objeções para Penske tornar-se o quarto proprietário desse império nascido em 1909 em um investimento de Carl Fisher. O fundador de Indy ficou à frente do negócio até 1927, quando Eddie Rickenbacker assumiu o comando, posição que manteve por 18 anos, até passar o controle para família de Tony Hulman.

Indy não é o primeiro autódromo nos negócios de Roger Penske: ele já possui os autódromos de Cleveland, Fontana e Nazareth e tem investimentos nas etapas da Carolina do Norte, Cleveland e Detroit. Nos seus planos para Indy estão a realização de uma prova de 24 Horas do calendário da IMSA, negociar um GP do Campeonato Mundial de F-1 e fazer um fim de semana reunindo provas da Nascar e da IndyCar. Para evitar conflitos de interesse Roger Penske anunciou que vai afastar do controle operacional de sua equipe de IndyCar, posição que será assumida por braço direito na categoria Tim Cendric. Prova que sua nova empreitada é vista com bons olhos é a ausência de críticas à essa negociação, que foi elogiada por diversos chefes de equipe e formadores de opinião do automobilismo norte-americano.


* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores ClássicosTwitter: @motclassicosFale com o Wagner Gonzalez: wagner@beepress.com.br.



Leia> Coisas de Agora

domingo, 3 de novembro de 2019

NOVOS URBANOS NEOBUS NEW MEGA PARA BRASÍLIA


A Sustentare Saneamento S/A, empresa com expertise na prestação de serviços integrados de limpeza urbana, vai incorporar à sua frota oito novos ônibus NEOBUS New Mega. Os veículos serão utilizados para transportar as equipes de funcionários da empresa que atuam no desenvolvimento de serviços ambientais, como poda, capina e roçagem, pintura de meio fio, limpeza de boca de lobo de praças, parques e de áreas ajardinadas, lavagem de vias, prédios e monumentos públicos da cidade de Brasília.

Segundo Douglas Cristiano Pessoa, supervisor de vendas da NEOBUS, a venda é a primeira realizada para a Sustentare e demonstra o crescimento que a marca vem conquistando neste ano em todas as regiões do País. “Temos conseguido ampliar a nossa participação no mercado brasileiro tanto com o fornecimento para novos clientes e novos segmentos, como também com a ampliação das entregas para os clientes tradicionais”, comenta.

Os oito New Mega têm chassi Volkswagen 17.230 OD, 12.565mm de comprimento e capacidade para transportar 45 passageiros sentados e 24 em pé, com duas portas do lado direito. Os veículos são equipados com sistema de ar-condicionado “Valeo CC355 S”, elevador instalado junto à porta traseira para total acessibilidade, janelas com dois vidros móveis, itinerário eletrônico frontal e sensor traseiro de aproximação para auxílio nas manobras de marcha à ré. Os ônibus também contam com poltronas City com apoio de cabeça e cinto de segurança em todas as poltronas.

INSTITUTO RENAULT DOA STEPWAY À AACD

Durante a 22ª edição do Teleton, a Renault, por meio do Instituto Renault, doou à AACD um Stepway 2020 0KM. O veículo será utilizado pela AACD para captar recursos, que refletirão em mais atendimentos à crianças e adultos com deficiência física que são tratados pela Instituição.



O Teleton é uma maratona de solidariedade que tem como propósito arrecadar doações para a AACD. A doação foi anunciada durante o programa pelo diretor de RH da Renault do Brasil, Douglas Pereira.  “As pessoas são o bem mais precioso da Renault, e apoiar uma instituição como a AACD, que promove transformação na vida de tantas pessoas, nos enche de orgulho”, comentou. 

A parceria entre a Renault e a AACD existe desde 2011 e este é o sétimo veículo doado à instituição. “Valorizamos esse tipo de ação, que tem relação com um dos eixos de atuação do Instituto Renault, a inclusão. Temos certeza que o veículo vai contribuir para que eles consigam auxiliar cada vez mais pessoas”, afirmou Caique Ferreira, vice-presidente do Instituto Renault e diretor de comunicação da Renault do Brasil.

Fundada em 1950, a AACD é uma Instituição privada e sem fins lucrativos, que presta atendimento completo e de excelência em ortopedia, graças a uma infraestrutura completa dedicada à reabilitação e habilitação de pessoas com deficiências físicas e necessidades neuro-ortopédicas – composta por um hospital ortopédico, nove unidades de reabilitação e cinco oficinas para fabricação de produtos ortopédicos. Anualmente, realiza cerca de 800 mil atendimentos especializados para pacientes de todas as idades, via SUS, particular e convênios. Conta ainda com as áreas de Ensino e Pesquisa, que dissemina os conhecimentos adquiridos ao longo de sua história aos profissionais de todo o País, e com a AACD Esporte e AACD Escolar, que contribuem para a inclusão da pessoa com deficiência.

A instituição trabalha em frentes necessárias para que as pessoas com deficiência física e mobilidade reduzida possam atingir seu máximo potencial, evoluindo além de suas limitações e contribuindo para uma sociedade que acolhe melhor a diversidade. Por conta disso, além da reabilitação física, a AACD também desenvolve diversas outras atividades, como a inserção no esporte paralímpico e o empenho em assegurar a plena integração social aos pacientes, promovendo melhorias por meio da superação diária e da orientação de uma equipe multidisciplinar especializada.

Para viabilizar todos os projetos e oferecer excelência nos serviços, a AACD conta com o apoio de empresas e pessoas que acreditam e compartilham na causa da pessoa com deficiência física. Além disso, a Instituição conta com o engajamento de aproximadamente 1.900 funcionários e 1.300 voluntários, que participam ativamente da reabilitação dos pacientes.

O Instituto Renault, fundado em 14 de setembro de 2010, já impactou mais de 700 mil pessoas, atuando nos eixos de inclusão e mobilidade sustentável.  Criado há nove anos, o Instituto Renault tem como objetivo promover ações voltadas à sustentabilidade socioambiental, atuando em dois eixos: Mobilidade Sustentável e Inclusão. 

No eixo Inclusão, além do Renault Experience a Renault apoia a Associação Borda Viva, para promoção do desenvolvimento social, da segurança alimentar para crianças e do empoderamento feminino por meio do empreendedorismo e da geração de renda. Cerca de 90 mil pessoas já foram atingidas pelas ações da Associação em parceria com o Instituto Renault.               

No eixo Mobilidade Sustentável, destaque para o Programa “O Trânsito e Eu”, de educação para segurança no trânsito, presente de forma permanente em oito municípios do país: Curitiba, São José dos Pinhais, Maringá e Arapongas, no Paraná; Pelotas (RS); além das cidades paulistas de São Bernardo do Campo, Santa Bárbara d’Oeste e São Paulo, capital. O programa também desenvolve ações itinerantes em parques, shoppings e eventos. Cerca de 230 mil crianças já foram impactadas pela iniciativa. No mesmo eixo, a Renault já comercializou cerca de 200 veículos 100% elétricos no Brasil a empresas que possuem projetos relacionados à mobilidade zero emissão.

Renault do Brasil
Assessoria de Imprensa

Leia> Coisas de Agora 

sábado, 2 de novembro de 2019

SBCTRANS REFORÇA SERVIÇO EM SÃO BERNARDO DO CAMPO NOS DIAS DO ENEM


Para facilitar o deslocamento e colaborar com a tranquilidade e serenidade dos estudantes que irão realizar as provas do ENEM-2019, a SBCTrans ampliará o seu atendimento nos próximos dias 3 e 10 de novembro em suas linhas em São Bernardo do Campo.

Para que os candidatos possam chegar aos locais das provas com tempo e com tranquilidade, a empresa colocará em circulação onze veículos além da quantidade normalmente utilizada nos finais de semana. Além disso, algumas linhas vão contar com veículos articulados para aumentar a oferta de lugares.

As linhas com mais oferta de veículos e lugares são: 05B, 15, 21, 51 e 53. Os ônibus articulados circularão nas linhas 1, 5, 11, 29 e 51.

“Nosso objetivo é tornar mais fácil, cômodo e confortável o trânsito e a movimentação desses estudantes nos dias do ENEM. Assim colaboramos para que possam chegar com a antecedência desejada, se concentrem nas provas e questões e não se preocupem com o transporte”, explica Milena Braga Romano, diretora executiva da SBCTrans.

A SBCTrans, fundada em 1998 na cidade de São Bernardo do Campo, conta com frota com mais de 400 veículos, que proporcionam conforto e segurança aos clientes. Considerada a melhor empresa de transporte público do Estado de São Paulo, tem como missão oferecer proximidade, facilidade e qualidade aos clientes.

SBCTrans
Secco Consultoria de Comunicação

Leia> Coisas de Agora

sexta-feira, 1 de novembro de 2019

PRÉ-VENDA DO CHEVROLET BOLT EV COMEÇA EM 12 CIDADES


Bolt EV vai estrear no Brasil já com a nova geração de baterias que eleva a autonomia média para 416 km, a maior da categoria


A Chevrolet inicia oficialmente a pré-venda do Bolt EV no Brasil. O mais novo crossover da marca começa a ser ofertado inicialmente em 12 cidades, selecionadas com base em estudos de mercado. São elas: São Paulo, Campinas, São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Florianópolis, Joinville (SC), Recife (PE) e Vitória (ES).

O Bolt EV se destaca pelo seu conjunto tecnológico avançado:
· Desempenho excepcional aliado a um baixo custo de rodagem;
· Conceito de segurança 360 graus com câmeras auxiliares de alta definição;
· Design com aproveitamento maximizado do espaço interno e posição elevada de guiar;
· Ampla lista de equipamentos de conforto e conveniência;
· Sistema de propulsão que não emite poluentes.

"O Bolt EV é um crossover que reúne tudo aquilo que o consumidor contemporâneo deseja. É atraente, inteligente, divertido de guiar e muito equipado. Além disso, é um veículo zero emissão", destaca Carlos Zarlenga, presidente da GM América do Sul.

Tudo porque o Bolt EV é um carro 100% elétrico de última geração, que o posiciona tecnologicamente à frente de híbridos e de automóveis puramente a combustão.

O novo crossover da Chevrolet ainda oferece o alto torque característico dos motores elétricos. Arrancadas de 0 a 100 km/h podem ser feitas em aproximadamente 7 segundos. Isto porque o conjunto propulsor entrega 203 cv de potência e 36,7 kgfm de torque em qualquer faixa de rotação. Retomadas também são igualmente vigorosas, elevando a segurança em ultrapassagens.

Segurança, aliás, é um dos pilares do Bolt EV. São 10 airbags, assistente de permanência na faixa, alerta de ponto cego, aviso de tráfego traseiro cruzado, alerta de colisão frontal e sistema de frenagem automática com detecção de pedestres para mitigar acidentes.

Outra novidade da linha 2020 são as câmeras -- agora de alta definição - para visão 360 graus que auxiliam manobras de estacionamento e ficam localizadas nas extremidades do veículo, melhorando a visibilidade. O veículo conta com uma interessante tecnologia que transforma o espelho retrovisor central numa tela que projeta imagens da parte traseira em maior ângulo.

A grade dianteira com elementos em alto relevo também caracteriza a linha 2020, assim como o comando remoto na chave presencial para interromper a recarga e destravar o plug.


Principais tecnologias disponíveis no Bolt EV, que será ofertado no país apenas na versão de acabamento Premier, sinônimo de máxima sofisticação na linha Chevrolet

· Modo de direção "One Pedal" com sistema regenerativo dos freios
· Espelho retrovisor central por câmera
· Assistente de estacionamento com visão 360 graus
· Painel digital customizável com tela de 8 polegadas
· MyLink com tela de 10,2 polegadas compatível com Apple CarPlay e Android Auto
· Sistema de som de alta definição Bose
· Faróis com tecnologia HID e luzes de condução diurna em LED
· Lanternas traseiras em LED
· Sensor crepuscular
· Pneus autovedantes com rodas aro 17
· Assoalho plano com fechamento aerodinâmico
· Sistema de recarga de smartphone por indução magnética (sem fio)
· 10 airbags
· Assistente de permanência na faixa
· Alerta de ponto cego com sensor de aproximação repentina
· Aviso de tráfego traseiro cruzado
· Alerta de colisão frontal com detecção de pedestres
· Frenagem automática em baixa velocidade para mitigar acidentes
· Bancos de couro com aquecimento e ventilação
· Sistema de partida do motor por controle remoto
· Freio de estacionamento elétrico com acionamento por botão


São 4.165 mm de comprimento por 1.765 mm de largura e 1.610 mm de altura. O entre-eixos é de 2.600 mm, enquanto o peso de 1,6t é distribuído de forma quase simétrica entre os eixos. Soma-se isso ao baixo centro de gravidade, o que contribui para uma excelente dirigibilidade e estabilidade do veículo.

Como as baterias ficam localizadas sob o assoalho plano e o motor elétrico é bastante compacto, o espaço interno é surpreendente, inclusive o do compartimento de bagagens. Sua capacidade vai de 478 a 1603 litros (com os bancos traseiros rebatidos), medidas semelhantes ao do Chevrolet Equinox.

Maior rede de concessionárias especializadas em EVs



O primeiro lote do Bolt EV começa a ser entregue aos consumidores a partir do início do próximo ano. Os carros já virão equipados com a nova geração de baterias, que proporcionam a maior autonomia da categoria.

De acordo com o ciclo norte-americano EPA, o Bolt EV percorre, em média, 416 km a cada recarga completa da bateria -- a distância pode variar conforme a forma de condução e a maior utilização do sistema regenerativo que aproveita a energia dissipada em frenagens e desacelerações para ampliar sua autonomia e garantir tranquilidade ao usuário em viagens mais longas.

Os interessados pelo mais novo crossover da Chevrolet podem fazer as reservas através da página da Chevrolet na internet ou em qualquer uma das 25 concessionárias credenciadas, que, além da tradicional exibição e demonstração do produto, estarão aptas a realizar serviços como os de manutenção. Com isso, a marca líder entra no segmento de elétricos com a mais abrangente rede credenciada do país.

A estratégia comercial do Bolt EV foi traçada com base na experiência adquirida pela empresa com a venda do modelo em outros mercados globais.

A empresa acredita que, no futuro, os automóveis serão elétricos por uma série de razões. A começar pelas leis ambientais, cada vez mais rígidas, passando pelo fato de os elétricos possuírem completa compatibilidade com as próximas gerações de tecnologias de conectividade e de condução autônoma, por exemplo.

O maior conhecimento dos benefícios da tecnologia por parte dos consumidores, a expansão da infraestrutura de recarga e a evolução das baterias são catalisadores que ajudarão a popularizar os carros elétricos.

Maior autonomia e menor custo por quilômetro rodado



Divertido de dirigir, o Bolt EV pode ser conduzido no modo One Pedal (um pedal). Assim, basta aliviar a pressão do pedal do acelerador para que o veículo reduza instantaneamente a velocidade e inicie a frenagem de forma otimizada a fim de aproveitar a energia dissipada do sistema para incrementar a autonomia.

O Bolt EV estreia no Brasil equipado com uma última geração de baterias (10% mais eficiente devido a nova composição de seus elementos químicos), com 66 kWh de capacidade, configuração recém-lançada nos Estados Unidos, onde o produto é produzido.

A energia elétrica, além de mais limpa, gera economia para o motorista do Bolt EV. Hoje, o custo estimado por quilômetro rodado do elétrico da Chevrolet é até quatro vezes inferior ao de um modelo flex do mesmo porte -- e inferior ao de híbridos também.

Solução complementar de recarga



Além do veículo em si, as concessionárias Chevrolet credenciadas para comercializar o Bolt EV estarão aptas a oferecer o aparelho de recarga rápida para ser instalado na garagem do cliente.

"A Chevrolet recomenda a todos os clientes do veículo a instalação do equipamento complementar de recarga, que auxilia em situações específicas e amplifica a experiência do cliente com este tipo de produto", diz Rodrigo Fioco, diretor de Marketing de Produto da Chevrolet.

Quatro vezes mais eficiente que a recarga numa tomada 220V convencional, o aparelho de recarga rápida fornece uma quantidade de energia por hora suficiente para que o veículo rode aproximadamente 40 km, média que um motorista comum percorre por dia. Neste caso, a recarga completa das baterias leva aproximadamente dez horas.

Já em eletropostos de alta voltagem, bastam 30 minutos de recarga para o carro rodar mais cerca de 160 km. O Bolt EV conta com garantia de três anos para o veículo e de oito anos para as baterias de íon-lítio.

O plano de revisão segue o padrão global da marca para carros elétricos, que tem uma manutenção bem mais simplificada e espaçada do que os modelos a combustão tradicionais que necessitam de troca de óleo, velas, correia e diversos filtros, por exemplo.

Até os 240.000 km, os principais serviços de revisão do Bolt EV se concentram nas trocas de itens de desgaste decorrentes do uso do veículo, como o filtro ar-condicionado e as pastilhas dos freios.

O novo crossover da Chevrolet estreia em cinco opções de cores: Branco Summit, Vermelho Glory, Prata Switchblade, Preto Ouro Negro e Cinza Graphite.

General Motors

Leia> Coisas de Agora

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

JCB DO BRASIL ANUNCIA NOVA CFO PARA AMÉRICA LATINA

A JCB, empresa britânica e líder mundial em retroescavadeiras e manipuladores telescópicos, anuncia a chegada de Erica Jonas para a função de CFO da companhia na América Latina. 



A executiva conta com mais de 25 anos de atuação na área financeira e uma carreira desenvolvida e consolidada no Brasil e exterior, atuando nos setores automotivo, de autopeças e equipamentos para construção e mineração.

Em sua última posição como Gerente Geral de Finanças na Hyundai Motors do Brasil, implementou e conduziu diversas melhorias nos processos financeiros, tanto voltados para as operações fabris, quanto para o mercado, trabalhando no desenvolvimento de soluções de financiamento e viabilização de capital junto a clientes e distribuidores em todo o continente. Tal abrangência lhe conferiu uma visão completa e holística do segmento automotivo e de máquinas.

De acordo com José Luis Gonçalves, presidente da JCB Brasil e América Latina, a vivência da executiva proporciona uma visão ampla de mercado, com histórico de sucesso em diferentes áreas para criar sinergias e ter um impacto positivo nos negócios da JCB.

"A chegada da Erica fortalece o nosso time em linha com o planejamento estratégico e adiciona diversidade com um ótimo background à equipe JCB", revela. "É um mercado cada vez mais ocupado por mulheres, certamente acredito na influência e inovação que isso trará às discussões de negócio."

Erica é formada em ciências contábeis e também em administração de empresas, ambas pela Universidade Metodista de Piracicaba, tendo diploma em Administração pela Kellogg School of Management (EUA) e um MBA em Controle de Finanças pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) de Campinas. A executiva especializou-se ainda em gestão de pessoas e negociações sindicais, e atua como membro do Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros (IBEF) e do Turnaround Management Association no Brasil e EUA.

"Fazer mudanças é o mesmo que desafiar-se. Ao ser apresentada ao mundo JCB tive a certeza que o desafio é enriquecedor", finaliza Érica.

Líder mundial em vendas de máquinas retroescavadeiras e manipuladores telescópicos Loadall, a JCB é a terceira maior fabricante global de equipamentos para construção. Empresa de origem britânica com mais de 70 anos de atuação, dos quais há mais de 20 no País, possui 22 fábricas que produzem mais de 300 modelos de máquinas. A fábrica no Brasil fica no município de Sorocaba (SP), a qual atende a toda a América Latina, e onde são comercializadas as retroescavadeiras modelos 3CX e 4CX, miniretroescavadeira 1CX, escavadeiras hidráulicas de esteira JS130, JS210, JS220LC e JS235LC, pá carregadeira 422ZX, miniescavadeiras 8026CTS e 55Z-1, minicarregadeiras 155, 190 e 250, empilhadeiras TLT35D e RTFL940, Loadalls 535-125, 540-170, 531-70 e 541-70 e rolos compactadores JCB 116D, CT160 e CT260.

MARCOPOLO CONQUISTA PRÊMIO TOP DE MARKETING ADVB 2019


A Marcopolo acaba de conquistar o Prêmio Top de Marketing ADVB 2019 na categoria Marketing Global. A empresa foi agraciada pelo case “A conquista da África”, apresentando as estratégias bem-sucedidas adotadas para ampliação de sua presença no mercado africano nos últimos anos.

Segundo André Armaganijan, diretor de Estratégia e Negócios Internacionais da Marcopolo, a conquista representa um importante marco para a empresa. “Conseguimos ampliar as vendas para o continente africano em 400% somente no último ano, que representaram 33% do volume das exportações da empresa a partir do Brasil”, destacou.

Segundo Armaganijan, a África é um continente que representa desafios e oportunidades para a Marcopolo, com a renovação do transporte de pessoas, fator essencial para o aumento da produtividade. “Tais elementos, portanto, conduziram a empresa a um novo momento dentro de seu espectro de exportações, com estratégias de marketing global focadas no aumento das vendas para o continente africano”.

Sobre o Prêmio Top de Marketing 2019

A Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing (ADVB) do Rio Grande do Sul promove o Top de Marketing há 37 anos, em reconhecimento às melhores estratégias e práticas como uma das formas da instituição cumprir a sua missão de desenvolver a cultura do marketing no Estado.  Na edição deste ano do mais respeitado reconhecimento do sul do País no setor, o processo seletivo dos cases foi composto por duas etapas de avaliação. Na primeira, um júri formado por acadêmicos de referência e executivos de marketing selecionou três finalistas em cada uma das categorias (exceto a categoria Influenciador Digital, que teve cinco participantes da final). Em um segundo momento, as organizações apresentaram os seus cases diante de um júri presencial, formado por empresários e profissionais do mercado. A Baker Tilly Brasil, empresa de consultoria, foi a responsável pela auditoria do prêmio.

A cerimônia de premiação do Top de Marketing ADVB/RS 2019 será realizada no dia 12 de novembro, na Casa NTX, localizada na Av. das Indústrias,1.395, no bairro São João, em Porto Alegre.

Marcopolo
Secco Consultoria de Comunicação

Leia> Coisas de Agora

TRANSPORTES LINEA, DO PERU, ESCOLHE VEÍCULOS VOLARE ATTACK 8 4X4 PARA APLICAÇÃO NO SEGMENTO DE MINERAÇÃO


A Transportes Línea, uma das maiores e mais importantes operadoras de transportes do Peru, acaba de adquirir 10 novos miniônibus Volare Attack 8 com tração 4x4. Esta é a primeira compra realizada pelo cliente peruano e os veículos serão utilizados no transporte de trabalhadores mineiros do alojamento para o interior dos túneis de exploração.

Segundo Rodrigo Bisi, gerente de exportação da Volare, a aquisição é fruto de um longo e extensivo trabalho de relacionamento e pesquisa para o desenvolvimento de veículos de acordo com as necessidades e aplicações da Transporte Línea. “Foram vários meses e diversas reuniões até chegarmos à configuração que atendesse as necessidades do cliente, tendo como argumentos decisórios os padrões de qualidade, segurança, conforto e prazo de entrega”, destaca.

“Esses são os primeiros veículos Volare Attack 8 4x4 a operar no setor de mineração no Peru, o que abre novas e boas perspectivas para crescimento naquele país, visto que existe a demanda por um veículo robusto, resistente e que pode trafegar em locais sem pavimentação de outras empresas do segmento, o mais representativo na economia peruana”, explica Rodrigo Bisi.

Os Volare Attack 8 4x4 desenvolvidos para a Transportes Línea possuem, além de tração 4x4, freios ABS e sistema EBD. Contam com poltronas reclináveis equipadas com cinto de segurança de três pontos, sistema de ar-condicionado com calefação, iluminação e indicadores externos especiais para segurança de todos os passageiros.

Indicado para trafegar em locais de difícil acesso e estradas secundárias, o Attack 8 4x4 oferece conforto, rapidez e principalmente segurança no transporte. O modelo tem características técnicas diferenciadas e conta com um conjunto powertrain, com eixo dianteiro tracionado e sistema de transmissão com a opção de utilização 4x2 (somente tração nas rodas traseiras), 4x4 (tração nas rodas dianteiras e traseiras) e 4x4 com reduzida.

O modelo desenvolvido para a Transportes Línea possui ângulos de entrada e saída maiores, estepe no bagageiro traseiro, proteção especial para o cárter do motor e para o tanque de combustível, e é equipado com motorização Cummins ISF 3.8, de 152 cv de potência. Conta ainda com carroceria com saia lateral mais alta, suspensão reforçada, sinalização diferenciada e espelhos que permitem total visualização em torno do veículo, o que proporciona maior facilidade e segurança em manobras e deslocamentos.

Foto: Adriano Chaves/DC Multimídia.

ALLISON FAZ ENTREGA DOS PRIMEIROS ÔNIBUS OF 1721 AUTOMÁTICOS PRODUZIDOS EM SÉRIE PARA EMPRESA DO RIO


A Allison Transmission esteve presente à entrega técnica dos primeiros cinco OF 1721 equipados com transmissões Allison da Série 3000™ produzidos pela Mercedes-Benz para a Auto Viação Três Amigos. Eles fazem parte das primeiras dez unidades adquiridas pelo grupo carioca que é proprietário da Auto Viação Três Amigos entre outras. A segunda parte de cinco veículos está destinada às empresas Auto Viação Santo Antonio e Expresso Garcia. A Três Amigos conta com uma frota de 172 ônibus convencionais e 27 articulados para o Bus Rapid Transport (BRT).

A experiência das empresas com ônibus automáticos vem de dois protótipos montados em 2010, já em parceria com a Allison, o que foi determinante para a decisão da compra dos novos OF 1721. Esses protótipos já rodaram mais de 1,1 milhão de quilômetros sem qualquer problema. Essas dez unidades Mercedes-Benz foram as primeiras da série a serem produzidas com motor dianteiro e transmissão automática Allison.

“Os novos ônibus automáticos serão colocados em circulação em uma das nossas linhas principais em termos de topografia, distância e carregamento”, afirma Claudio Marcelo Ferreira, diretor administrativo da Três Amigos. “Trata-se da linha 355, que vai de Madureira à Praça Tiradentes, com 58 quilômetros de extensão, onde os ônibus rodarão em média 250 km diários em dois turnos. Portanto, é uma das rotas mais travadas da cidade e uma das mais indicadas para a robustez das transmissões automáticas”.

Entre as vantagens das Allison Automáticas™ listadas pela empresa, está a maior produtividade. Isso é resultado de uma aceleração mais ágil, o que leva o veículo à sua velocidade de cruzeiro mais rapidamente, além do menor ruído dentro da cabine, já que as marchas são trocadas em regime de giros mais baixos do motor, e da maior suavidade na operação pela ausência de trancos nas mudanças de marchas.

Os motoristas que conduzirão os novos veículos também estão recebendo um treinamento específico da Allison para que possam operar a transmissão da forma mais eficiente em termos de desempenho e para obter índices mais baixos de consumo de combustível. Isso é importante porque as planilhas de controle da empresa indicam que o diesel representa mais de 30% dos custos de operação da frota.

“Em termos de manutenção e disponibilidade do veículo, as automáticas Allison também trarão uma grande economia para a empresa. Em nossos percursos, um ônibus com transmissão manual troca todo o sistema de embreagem com a quilometragem entre 60 mil e 70 mil quilômetros, situação que jamais ocorrerá com os novos veículos automáticos da frota”, constata Ferreira.

“Temos uma expectativa muito grande em relação a esses ônibus que estão chegando. Além da transmissão automática eles têm suspensão pneumática, o que também colabora para um maior conforto dos passageiros”, diz Ferreira. “Vamos fazer o máximo para que eles sejam operados da forma mais correta e que esse investimento nos garanta um bom diferencial em relação às demais empresas de transportes. A concorrência está muito grande”.



A Allison Transmission (NYSE:ALSN) é o maior fabricante mundial de transmissões automáticas para veículos comerciais médios e pesados. As transmissões Allison são usadas nas mais variadas aplicações incluindo caminhões coletores de resíduos, construção, bombeiros, distribuição, ônibus, motorhomes, militares e energia. Fundada em 1915, a Allison tem sede em Indianápolis, Indiana, EUA. Com presença no mercado de mais de 80 países, a Allison possui escritórios regionais na Holanda, China e Brasil e fábricas nos Estados Unidos, Hungria e Índia. A Allison também tem aproximadamente 1.400 distribuidores independentes e revendedores em todo o mundo. 

terça-feira, 29 de outubro de 2019

CONVERSA DE PISTA.
Por Wagner Gonzalez*

ACIMA DE MALES E INTEMPÉRIES


Lewis Hamilton se consolida como o maior piloto da década de 2010. Foto: Mercedes.

País com fartura de cores, costumes e pimentas, a etapa do México válida para o Campeonato Mundial de Fórmula 1 mostrou porque Lewis Hamilton (foto de abertura/Mercedes) é o melhor piloto da atualidade. Indiferente aos efeitos do Mal de Montezuma (que, mais uma vez, atacou boa parte do pessoal que trabalha na categoria) e às consequências da instabilidade meteorológica que marcou os dois dias de treinos, o piloto inglês demonstrou o completo domínio da situação e deu-se ao luxo de blefar com os adversários ao emitir mensagens que muitos interpretaram como verídicas. Tal como ele queria, não faltou quem acreditasse que seus pneus estavam desgastados a ponto de ele prever uma segunda parada. Seu estilo de pilotagem limpo ajudou a evitar esse novo pit stop e a dose de sorte que acompanha os campeões completaram o cenário de um final feliz.

Alex Albon largou bem e andou em terceiro. Anglo-tailandês é a surpresa do ano. Foto: BCCP-Getty Images.

Se Hamilton se consolida como o melhor da década, os nomes de seus possíveis sucessores receberam nova demão de acabamento, alguns para melhor outros nem tanto. O anglo-tailandês Alex Albon segue na toada de bater Max Verstappen em resultados, desempenho que coloca questões sobre o que acontece com o holandês. Charles Leclerc deu mostras que segue aprendendo e sabe enxergar o que pode melhorar enquanto equipes como a Alfa Romeo, Haas e, principalmente a Williams, parecem viver o que a Rainha Elizabeth definiu tempos atrás como "annus horribilis".

Indiferente às consequências que a água e a comida mexicanas causam a organismos mais delicados, Hamilton foi ainda mais forte ao explorar as consequências de dois de treinos onde a dinâmica de avaliação do desgaste de pneus foi pouco usual. Não é comum que a chuva impeça a borracha dos pneus da categoria fixar no asfalto, como aconteceu no fim de semana. Mesmo sem o engenheiro que o acompanha há sete anos, o inglês soube explorar os compostos mais duros do final de semana e deixar claro o valor da dobradinha que faz com uma equipe comandada brilhantemente por Toto Wolff. Aparte do inglês, o australiano Daniel Ricciardo também apostou nos compostos mais duros e explorou isso a seu favor: largou em décimo-terceiro e terminou em oitavo.

Sebastian Vettel liderou e tentou recuperar a posição nas voltas finais. Não conseguiu. Foto: Ferrari.

Já Sebastian Vettel, Charles Leclerc e Valtteri Bottas não exploraram a situação com a mesma eficiência. O alemão ainda conseguiu chegar em segundo, distanciou-se de Max Verstappen e se aproximou de Charles Leclerc na tabela de pontos. Leclerc admitiu que precisa impor sua opinião frente aos estrategistas da Ferrari (que seguem merecedores de aulas de aperfeiçoamento) enquanto Bottas conseguiu o mínimo desejado: adiar a decisão do título para, no mínimo o próximo final de semana. O sonho do primeiro título só chegará vivo a Interlagos se a diferença para seu companheiro de equipe, atualmente 74 pontos, diminuir, no mínimo, em 22 pontos. Algo pouco provável.

Valtteri Bottas (E) ainda pode ser campeão, mas seu companheiro de equipe é o favorito. Foto: Mercedes.

Comparado ao calvário de Max Verstappen na segunda fase da temporada, o finlandês está bem: é o virtual vice-campeão e segue subindo ao pódio. Desde o GP da Bélgica, quando Alex Albon assumiu o papel de seu escudeiro, o holandês marcou 39 pontos, contra 58 do anglo-tailandês e ele vem amargando dissabores de forma consecutiva.

Max Verstappen parece ter perdido o arrojo que forjou seu nome na F-1. Foto: RBCP-Getty Images.

No último fim de semana tinha a pole position garantida, saiu para melhorar e ignorou conscientemente uma bandeira amarela no final da prova de classificação. Foi demovido para o quarto no grid, se enroscou com Lewis Hamilton na primeira curva, caiu para último e, apesar de uma bela recuperação que o levou ao sexto lugar (atrás de Albon...), seus erros frequentes maculam o amadurecimento que se esperava dele. Uma fase de azar ou a postura que visa romper o contrato com a Red Bull são as explicações mais fáceis para explicar essa fase.

No GP do México Charles Leclerc aprendeu outra lição importante: impor sua opinião frente à equipe. Foto: Ferrari.

Nem por isso a manutenção de Alex Albon na equipe é dada como fato consumado: o alto comando da equipe emite comentários contraditórios sobre a decisão sobre seus dois pilotos para 2020, disputa que também inclui o francês Pierre Gasly. Dado o fato que Charles Leclerc está em seu segundo ano na categoria o anglo-tailandês pode ser considerado como a revelação da temporada: um resultado com direito a pódio é a conquista que lhe falta para consagrar-se acima da média dos nomes mais jovens na F-1 atual: Lando Norris, Antonio Giovinazzi, George Russell, Gasly, Leclerc e, por que não, Lance Stroll.

Daniel Ricciardo apostou na durabilidade dos pneus duros para terminar em oitavo. Foto: Renault.

O resultado completo do GP do México e as posições no campeonato você encontra aqui.

Katja Heim (1960-2019)



Triste descobrir pelo site do Circuito das Américas o falecimento da alemã Katja Heim. Empresária e Relações Públicas das mais capazes, Katja era uma das principais executivas do circuito norte-americano e liderava a KHP Consulting, empresa com escritórios em Abu Dhabi (EAU) Austin (EUA) e Londres (Inglaterra). Seu sorriso e sua generosidade, suas marcas registradas nos autódromos e circuitos do mundo inteiro, farão falta. (Foto: COTA)


* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores ClássicosTwitter: @motclassicosFale com o Wagner Gonzalez: wagner@beepress.com.br.


Leia> Coisas de Agora