terça-feira, 20 de agosto de 2019

NISSAN E SEM PARAR FAZEM ACORDO INÉDITO PARA OFERECER SERVIÇO DE MOBILIDADE PARA OS BRASILEIROS

Com o objetivo de oferecer cada vez mais serviços de mobilidade que facilitem a vida dos brasileiros, a Nissan e o Sem Parar fecham acordo inédito que vai permitir aos consumidores a possibilidade de pagar diversos serviços usando apenas o carro. Por meio da parceria, os veículos Nissan serão disponibilizados de fábrica com o sistema do Sem Parar, que permite o pagamento de estacionamentos, drive-thrus de lanchonetes, lava-rápidos e pedágios usando exclusivamente o adesivo instalado no para-brisa.

"Na Nissan, estamos constantemente pensando em soluções que facilitem a vida dos nossos clientes e contribuam para a integração do carro ao dia a dia da sociedade. O acordo reforça o nosso compromisso com a Nissan Intelligent Mobility, a visão da marca que está transformando a maneira como os carros são conduzidos, impulsionados e integrados na sociedade. Com o sistema, o condutor ganha mais agilidade para usufruir diferentes serviços e, como resultado, fica com mais tempo livre", disse Humberto Gómez, diretor de Marketing da Nissan do Brasil.

Os compradores de modelos Nissan receberão o carro com o adesivo e poderão optar por ativá-lo ou não. Se decidirem pelo acionamento junto ao Sem Parar, terão dois planos com valores e ofertas especiais.

O consumidor que decidir aderir ao serviço do Sem Parar terá 12 meses de isenção de mensalidade caso opte pelo plano Cidades, que contempla estabelecimentos como estacionamentos, postos de combustíveis, drive-thrus de lanchonetes e lava-rápidos. Já aqueles que utilizam as rodovias com frequência e têm interesse em um plano mais completo, com a opção de pedágios, podem escolher pelo plano Em Todo Lugar, que por meio da parceria fica isento de quatro mensalidades. Após o fim desses prazos, o dono do carro que desejar manter o serviço contará com desconto especial.

Para Fernando Yunes, CEO do Sem Parar, esta parceria reforça ainda mais a visão da empresa de trazer comodidade e fluidez para as pessoas seja na estrada ou em grandes centros urbanos. "Com esta nova iniciativa, esperamos agregar mais um benefício aos proprietários dos carros da Nissan. Pois, queremos para todos um mundo sem filas e paradas onde as pessoas terão tempo para aproveitar a vida da forma que quiserem", conta o executivo.

Atualmente, o Sem Parar está disponível em mais de três mil pontos de uso, considerando que já são 650 postos de combustível, mais de 1300 estacionamentos e 300 drive-thrus em todo o país.

Sem Parar 

Empresa pioneira no mercado de pagamento automático de pedágios, estacionamentos e abastecimento no Brasil, o Sem Parar permite que seus 5,5 milhões de clientes tenham à disposição a maior cobertura em todas as rodovias pedagiadas no Brasil, mais de 650 postos de combustível, mais de 1.300 estacionamentos com e sem cancela de shoppings, aeroportos, universidades e centros comerciais, em 13 Estados. O Sem Parar dispõe de diversos planos, que se encaixam no perfil de cada cliente e podem ser adquiridos em mais de 2.500 pontos de venda, além do site e aplicativo onde é possível comprar e receber no endereço de sua preferência.

Nissan do Brasil

Leia> Coisas de Agora

VOLKSWAGEN CELEBRA UM ANO DE PARCERIA COM CERVEJARIA AMBEV PARA VIABILIDADE DA DISTRIBUIÇÃO ELÉTRICA

Balanço sustentável: mais de 11 toneladas de CO2 deixaram de ser emitidas nos primeiros 15 mil quilômetros percorridos pelo caminhão elétrico e-Delivery, envolvendo testes de engenharia e condições reais de aplicação.



Um ano após a Cervejaria Ambev anunciar que terá mais de 1/3 da frota parceira composta por pelo menos 1.600 caminhões Volkswagen elétricos até 2023, maior anúncio do tipo no mundo, as duas empresas celebram conquistas para a viabilidade da distribuição elétrica. Além de assinar um termo de cooperação global para o desenvolvimento de um modelo de negócio de mobilidade elétrica, as duas trabalham em conjunto nos testes do caminhão elétrico e-Delivery, que já rodou mais de 15 mil quilômetros em testes de engenharia e condições reais de operação na cidade de São Paulo, distribuindo bebidas de marcas como Skol, Brahma, Antarctica e água AMA.

Graças a esse teste, que começou na sequência ao anúncio, mais de 11 toneladas de CO² deixaram de ser emitidas na atmosfera e, até agora, o e-Delivery deixou de consumir mais 3.300 litros de diesel. Além disso, o caminhão elétrico é recarregado com 100% de energia elétrica proveniente de fontes limpas, como eólica e solar, 43% de sua energia provém do próprio sistema regenerativo de freios do veículo.

“Os resultados dessa primeira etapa de testes em condições reais de distribuição numa metrópole como São Paulo superaram as nossas expectativas. E provaram que a tecnologia da VW Caminhões e Ônibus está na rota de desenvolvimento mundial e, mais do que isso, de viabilidade da aplicação elétrica junto com a Cervejaria Ambev. Graças à nossa parceria, que já dura mais de vinte anos, fomos os primeiros a desenvolver veículos vocacionais para distribuição de bebidas. E agora, mais uma vez, saímos juntos na frente, tornando a era elétrica uma realidade”, afirma Roberto Cortes, presidente e CEO da VW Caminhões e Ônibus.

O objetivo das empresas é somar forças para viabilizar a utilização da propulsão elétrica na distribuição urbana de produtos e criar um benchmarking em sustentabilidade para o mercado logístico global, contemplando a operação do caminhão VW e-Delivery e seu abastecimento por meio de fontes de energia sustentáveis.

Prova disso é a instalação de painéis solares em um dos maiores Centros de Distribuição da Ambev, localizado na edificação histórica da Mooca, na zona Leste de São Paulo, local que abrigou a primeira cervejaria da empresa no Brasil. Diariamente, o veículo sai carregado de bebidas e cruza a cidade em direção à zona Sul da capital paulista, para abastecer a badalada rota de bares e restaurantes de bairros como Itaim e Vila Madalena.

Além disso, a Cervejaria Ambev anunciou, em junho deste ano, que irá inaugurar mais de 30 plantas solares pelo Brasil até março de 2020. As usinas vão produzir eletricidade o suficiente para abastecer 100% dos 94 centros de distribuição da companhia pelo país. Assim, 100% dos caminhões elétricos que prestarem serviço para a Cervejaria Ambev serão alimentados por energia renovável quando a frota estiver completa.

“Ficamos muito felizes com os resultados que vimos até agora. O caminhão elétrico tem mostrado uma performance muito boa e, mais importante, um potencial muito grande de impacto positivo sobre o meio ambiente”, afirma Bernardo Adão, gerente de sustentabilidade e logística da Cervejaria Ambev. “Nosso maior objetivo é contribuir para a construção de um legado sustentável para as próximas gerações e a parceria com a Volkswagen nesse projeto é fundamental para chegarmos lá” conclui o executivo.

e-Delivery e Ambev



O e-Delivery é o primeiro caminhão leve 100% elétrico da América Latina com zero emissão de CO2, NOX e material particulado. A solução está alinhada à política de desenvolvimento e promoção de tecnologias limpas do Grupo TRATON, do qual a VW Caminhões e Ônibus faz parte, e da Cervejaria Ambev.

Desenvolvido no Brasil, o e-Delivery traz soluções de última geração para logística verde, como sistemas inteligentes para ajustar a demanda da bateria conforme a operação e para recuperar a energia da frenagem. Os caminhões podem chegar a uma autonomia de até 200 quilômetros, de acordo com a aplicação e a configuração do veículo. O nível de ruído é extremamente baixo quando comparado aos modelos tradicionais, melhorando o conforto do motorista e seus ajudantes na operação.

Com a parceria entre Cervejaria Ambev e Volkswagen, 1.600 caminhões VW elétricos serão utilizados na distribuição de bebidas até 2023. Isso significa que mais de 1/3 da frota que atende a cervejaria será composta por veículos movidos a energia limpa, deixando de emitir mais de 30,4 mil toneladas de carbono em sua cadeia logística por ano.

A parceria é um marco na história das duas empresas. O trabalho em conjunto representa um passo importante em direção a um futuro cada vez menos dependente de combustíveis fósseis e tem por objetivo reduzir ainda mais as emissões de gases de efeito estufa na frota que atende a Cervejaria Ambev. Entre 2014 e 2017, a companhia já reduziu esse índice em 33,9%.

Cervejaria Ambev e a Sustentabilidade


A sustentabilidade socioambiental é um pilar central do negócio da Cervejaria Ambev. Nos últimos cinco anos, a companhia destinou mais de R$ 1 bilhão para projetos voltados a esse fim em sua operação. Agora, a cervejaria anunciou mais um passo importante nesse trabalho, com novos compromissos, que tem previsão de atingimento até 2025. 

As metas, definidas pela AB InBev globalmente, são divididas em quatro pilares, sendo que um deles se refere especificamente à redução das emissões de carbono em suas operações e à compra de eletricidade de fontes renováveis:

Ações Climáticas: 100% da eletricidade comprada pela Cervejaria Ambev deve ser advinda de fontes renováveis. Além disso, a cervejaria vai reduzir em 25% as emissões de carbono ao longo da nossa cadeia de valor.

Embalagem Circular: 100% dos produtos da Cervejaria Ambev devem estar em embalagens retornáveis ou que sejam majoritariamente feitas de conteúdo reciclado.
Gestão de Água: melhorar de forma mensurável a disponibilidade e a qualidade da água para 100% das comunidades em áreas de alto estresse hídrico com as quais a cervejaria se relaciona.

Agricultura Inteligente: 100% dos agricultores parceiros da cervejaria devem estar treinados, conectados e com estrutura financeira para desenvolver um plantio cada vez mais sustentável.

Clique na telinha e assista o vídeo "Diário de Bordo"



CONVERSA DE PISTA.
Por Wagner Gonzalez*

VERÃO EUROPEU DÁ COR PÁLIDA AO FUTURO DA F-1


Faíscas do GP da Hungria ainda não incandesceram grandes mudancas para 2020. Foto: Red Bull/Getty Images.

Exceção feita à equipe McLaren, as demais nove equipes que formam o grid do Campeonato Mundial de F-1 seguem numa toada discreta para definir seus pilotos para 2020, quando tudo indica que a temporada terá 22 GPs, um a mais que este ano. No universo pilotos o processo está girando em torno da opção que Toto Wolff escolherá para o segundo carro da Mercedes, enquanto a entrada dos GPs da Holanda e do Vietnam são os acréscimos que causam importantes discussões entre a Liberty Media, que explora o lado comercial da categoria, e as escuderias.

Carlos Sainz Jr. e Lando Norris seguem na McLaren, que se recupera de anos de fracassos. Foto: McLaren.

Em pleno processo de reestruturação a McLaren optou por reforçar um clima de segurança e tranquilidade e antecipou-se aos seus concorrentes ao anunciar que vai continuar com seus pilotos Carlos Sainz e Lando Norris para 2020. Trata-se de uma sensação que nomes como Valteri Bottas, Nico Hulkenberg, Romain Grosjean, Kevin Magnussen, Antonio Giovinazzi, George Russell e Robert Kubica, sem deixar de lado a possibilidade de alguns confirmados mudarem de status.

Valtteri Bottas parece ter a chave para definir as principais vagas em aberto para a 2020. Foto: Mercedes.

De todos os nomes acima é Valtteri Bottas quem vai definir o rumo da maioria das negociações. Ao desembarcar na F-1 o finlandês trazia consigo um manto que o vestia como sucessor de Kimi Räikkönen e como futuro campeão; o destino não ajudou muito e hoje ele está em uma encruzilhada. Há duas temporadas faz bem feito o papel de coadjuvante de um Lewis Hamilton a caminho de bater todos os recordes da categoria e paga o alto preço de anular suas pretensões. Este ano até pintou uma chance de inverter os papéis parcialmente, mas após seis GPs tudo voltou ao que era antes e, para piorar, o nome de Estebán Ocón passou a soar mais frequentemente nas declarações de Toto Wolf.

Estebán Ocón: grandes chances de ser o novo companheiro de Lewis Hamilton em 2020. Foto: Mercedes.

Ocón, francês e filho de um casal catalão, tem a seu favor o lado fato de ser jovem e empresariado pelo próprio Wolf; em outras palavras teria um ano de aprendizado para desenvolver seu potencial e substituir Hamilton quando o inglês optar por retirar-se das pistas, algo previsto para 2021, no máximo 2022. Em uma organização tão cartesiana quanto a da Mercedes esta opção soa bem melhor que arriscar ficar com Bottas mais um ano e retardar o desenvolvimento do substituto do atual campeão e primeiro piloto do time.

Os caminhos para Bottas e Ocón são bastante similares e o nome Renault é o que aprece em maior destaque. A esquadra francesa manterá Daniel Ricciardo por mais um ano e precisa decidir o que fará com Nico Hulkenberg, nome já marcado pelo estigma de ter ser o piloto com maior número de GPs disputados sem jamais ter subido ao pódio de uma corrida. Confiável, mas sem a agressividade que falta para um vencedor, o alemão tem boas chances de perder seu lugar para Bottas ou mesmo para Ocón. A chance de promover algum piloto de categorias inferiores para novo companheiro de Ricciardo é relativamente remota.

Nico Hulkenberg ainda não tem claro o que o futuro lhe reserva para 2020. Foto: Renault.

Em situação bem pior que a Renault está norte-americana Haas, que até agora insistiu na continuidade para superar a relação "fogo (não tão) amigo" entre o franco-suíço Romain Grosjean e o dinamarquês Kevin Magnussen. Grosjean tem um currículo marcado por muitos momentos dramáticos e algumas raras sequências de bons resultados, a mais longa delas em seus tempos de Lotus. Magnussen não está longe de ser descrito como um viking que conduz sua embarcação com a fúria que Thor manejava seu martelo. E nessa toada Gene Haas vai acumulando prejuízos financeiros e seu chefe de equipe Gunther Steiner uma úlcera do tamanho do mar Mediterrâneo.  Candidatos para essas vagas são Bottas, Hulkenberg e até mesmo um jovem egresso da Ferrari Academy, o que pode entrar como moeda de troca para manter o bom relacionamento com seu fornecedor de motores e tecnologia. Pietro Fittipaldi pode ser a surpresa: tem feito testes pela Haas e sua ligaçñao com a Claro pode ajudar a trazer um bom patrocínio.

Gunther Steiner (ao centro) deve definir até setembro se mantém Grosjean (E) e Magnussen (D). Foto: Haas.

A vaga da Haas também poderia ser o destino de Antonio Giovinazzi, que ainda não desencantou na categoria, apesar do esforço da Alfa Romeo em confirmá-lo para esta temporada. Não parece ser uma boa aposta colocar fichas na continuidade dessa união e ainda não está muito clara a profundidade dos alicerces da associação entre a marca italiana e a própria Sauber.

Gene Haas amarga temporadas de prejuízo, cortesia da impetuosidade de seus pilotos atuais. Foto: Haas.

Como é normal acontecer com as equipes que fecham o pelotão, o futuro da Williams tem excelentes chances de ser definido aos 48' do segundo tempo e com uso do VAR. Sem resultados e assombrada pela possibilidade de ver seu contrato com a Mercedes reavaliado, o time de Grove atravessa uma das suas piores temporadas desde que Frank Williams se aventurou na categoria. Robert Kubica já é considerado carta fora do baralho para o grid de 2020; George Russell é um nome que tem respeito de alguns chefes de equipe e deve continuar na lista de inscritos, não necessariamente na sua equipe atual.

Com relação ao calendário a confirmação do GP do México coloca em risco o GP da Alemanha, evento que há alguns anos dá prejuízo ao ADAC, o Automóvel Clube Alemão, responsável pela sua promoção. Nos últimos dias a Mercedes anunciou que não pretende bancar novamente a corrida, tal qual fez este ano, decisão que coloca a continuidade da corrida em situação delicada. Outra corrida em cheque para o ano que vem é o GP da Espanha, que não deverá contar com o apoio econômico das autoridades da Catalunha.


* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores ClássicosTwitter: @motclassicosFale com o Wagner Gonzalez: wagner@beepress.com.br.

Leia> Coisas de Agora

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

SERTÕES 2019 TERÁ VEÍCULOS CONECTADOS PELA PRIMEIRA VEZ

Sistema de telemetria da Smart Driving Labs será instalado em mais de 50 picapes de apoio cedidas pela Mitsubishi Motors para o rali.

A 27ª edição do Sertões – maior competição de rali das Américas - começa no próximo dia 24 de agosto, em Campo Grande (MS), e serão percorridos 4.857 km até a chegada, dia 1º de setembro, em Aquiraz (CE). Este ano, a grande novidade em relação aos carros de apoio é que estarão todos conectados com a tecnologia da Smart Driving Labs – empresa especializada em soluções de software e hardware para coleta, análise e interpretação de dados telemáticos automotivos. 

Pela primeira vez na história do evento, as 55 picapes L200 Triton Sport cedidas pela Mitsubishi Motors como carros de apoio estarão conectadas. Durante as oito etapas da prova, a plataforma captará, em tempo real, diversos parâmetros dos veículos, como velocidades média e máxima, altitude, nível de combustível e de desgaste dos carros, entre outros, além de eventuais incidentes capturados pelo "acelerômetro" existente no dispositivo. 

"A Mitsubishi Motors e a organização do Sertões receberão um relatório de utilização dos carros no período do rali, com dados analisados e interpretados, e poderão ainda acompanhar em tempo real diversos parâmetros, como a pontuação de cada condutor. Como a plataforma fornece diversos dados do veículo, podemos personalizá-lo de acordo com a necessidade de cada cliente, ou seja, para um, o tempo do carro parado é importante; já para outro, é saber o consumo de combustível", explica Fernando Schaeffer, CEO da Smart Driving Labs.

O objetivo é ter um mapeamento da condução dos motoristas e as respectivas peculiaridades.", afirma Schaeffer.

Com o conceito "Reinventando a maneira de dirigir", a Smart Driving Labs marca presença no rali com a missão de evidenciar o carro conectado, uma realidade próxima e que exigirá uma transformação no comportamento do motorista. "A indústria automobilística e as relacionadas estão à beira de grandes mudanças devido à introdução de novas tecnologias. Em alguns anos, a forma como usamos carros mudará drasticamente", diz o CEO.

Dados da empresa de consultoria Gartner mostram que haverá 250 milhões de carros conectados em vias públicas até 2020. Esse crescimento no número de carros conectados terá um impacto positivo na infraestrutura de transporte do mundo. Para Schaeffer, esse aumento permitirá melhorar muito a segurança viária e levar esse setor de serviços a um novo patamar de desenvolvimento, aumentando o conforto e conveniência para os consumidores.

Tecnologia


A Smart Driving Labs desenvolve e fabrica soluções de telemática, utilizando software e hardware com a missão de tornar os veículos mais inteligentes e conectados. A tecnologia melhora a segurança dos motoristas, detecta acidentes, previne furtos e roubos, proporciona ao usuário fácil controle dos principais parâmetros do veículo, melhora a experiência de dirigir, permite monitorar remotamente o status operacional do veículo e gera relatórios sobre o comportamento dos condutores. 

Tudo isso pode ser acompanhado por aplicativo (Android e iOS) pelo usuário final, por dashboards corporativos disponibilizados na web e facilmente integrado com os sistemas legados através de APIs.



O dispositivo Element - nome dado ao Hardware - ocupa pouco espaço no veículo, é de fácil instalação e é um dispositivo autônomo, ou seja, não depende de nenhum outro dispositivo externo para se comunicar com a plataforma na nuvem.

Com o Hardware/Firmware patenteados, a empresa pode rapidamente conectar e integrar veículos de diversas marcas e modelos com o ecossistema de carros conectados (montadoras, seguradoras, concessionárias, frotistas).

Os fabricantes de automóveis estão começando a implementar soluções de conectividade. "Mas, os dispositivos OEM - Original Equipment Manufacturer - têm algumas limitações, porque não podem ser projetados e lançados para cada necessidade específica. Nosso hardware pode ser complementar, permitindo expandir as funcionalidades de soluções básicas com recursos inteligentes avançados, suportados pelo coração de nossas soluções.", explica Schaeffer.

Smart Driving Labs



Fundada na Rússia em 2015, com tecnologia e mecanismos desenvolvidos por uma equipe profissional experiente em telemática e negócios automotivos, a Smart Driving Labs foi lançada no mercado brasileiro em janeiro de 2019 por Fernando Schaeffer, executivo e empreendedor na área de Tecnologia e Inovação há mais de 25 anos. 

Especializada em desenvolvimento de soluções para carros conectados, sistema de chamada de emergência (por exemplo, o eCall), seguro inteligente (UBI – Usage-based Insurance), antirroubo, rastreamento de veículos com pontuação de condução, diagnóstico remoto e coleta de dados de telemática, a plataforma permite ter uma visão 360 graus do negócio do cliente e conexões com todos os players automotivos: fabricantes de automóveis, companhias de seguros, rede de concessionárias, financeiras e frotistas. Entre as ferramentas, estão os sistemas para analisar a eficiência e reduzir custos operacionais, conhecer o real perfil dos shoppers e aumentar a fidelidade dos clientes.

Entre os clientes atendidos está a Mitsubishi, que atualmente utiliza a plataforma para mensurar e melhorar a efetividade de test-drivers no lançamento da nova Pajero Sport. A empresa está no comando também de alguns projetos-pilotos para outras montadoras, financeiras e para um órgão público de transporte e, em breve, contará mais novidades.


VOLKSWAGEN INOVA COM ÔNIBUS DE 15 METROS E TERCEIRO EIXO DIRECIONAL

Nesta configuração, Volksbus com motor dianteiro é a novidade no Seminário Nacional NTU, em Brasília

A Volkswagen vai apresentar mais um integrante em sua família de chassis de ônibus. Em avant-première, a empresa leva ao Seminário Nacional NTU, em Brasília, seu primeiro chassi que permite encarroçamento com 15 metros, uma receita de sucesso que combina dimensões maiores e motorização dianteira.

A grande novidade é o posicionamento do terceiro eixo na dianteira, o que permite que o chassi tenha uma capacidade de carga de 22 toneladas, possibilitando as mais diversas configurações de acordo com a necessidade da operação. O Volksbus é equipado ainda com suspensão pneumática e motorização MAN D08, umas das combinações que oferecem a melhor relação de custo x benefício para o segmento.

“A premissa da VW é aumentar o conforto com o melhor custo-benefício ao cliente. É por isso que oferecemos um portfólio de soluções desde micros até os veículos de maior capacidade, de modo que os operadores possam adequar-se à demanda e sazonalidade de cada operação”, comenta Jorge Carrer, gerente executivo de Vendas de Ônibus da VWCO.

O seminário NTU deste ano tem como tema Inovação e  Reinvenção: O Futuro do Transporte Público na Perspectiva da Sociedade. O evento acontece nos dias 20 e 21 de agosto e é realizado pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos.

Volkswagen Caminhões e Ônibus
Comunicação Corporativa

Leia> Coisas de Agora

MARCOPOLO FECHA A VENDA DE 58 NOVOS ÔNIBUS PARA A CATEDRAL, DE BRASÍLIA

Veículos, dos modelos Paradiso New G7 1800 DD, Paradiso New G7 1600 LD, Torino e Senior, serão entregues até dezembro.

A Catedral, operadora de transportes de Brasília, no Distrito Federal, acaba de adquirir 58 novos ônibus Marcopolo. Os veículos, dos modelos rodoviários Paradiso New G7 1800 DD e Paradiso New G7 1600 LD, urbano Torino e micro-ônibus Senior, serão entregues entre os meses de agosto e dezembro deste ano.

Serão 46 unidades de modelos rodoviários, sendo 36 Paradiso New G7 1600 LD e dez Paradiso New G7 1800 DD, em diferentes configurações, com poltronas Leito, Leito Cama, Semileito Master e equipamentos como sistemas de ar-condicionado, áudio e vídeo e streaming para entretenimento a bordo. Os veículos contam ainda com parede de separação total, cortinas, itinerário eletrônico, bagageiro, preparação para sistema de monitoramento e porta-pacotes, além de porta copos e tomada USB individuais.

Urbanos Torino e micro-ônibus Senior


Além dos 46 rodoviários, a Catedral também adquiriu seis unidades do modelo urbano Torino e outras seis do micro-ônibus Senior. Os Marcopolo Torino têm 13.345mm de comprimento e são equipados com elevador para acessibilidade e tomadas USB para mais conforto e comodidade dos passageiros. Os seis micros Senior têm configuração urbana e serão utilizados no transporte urbano no entorno de Brasília e também contam com tomadas USB além de equipamento de monitoramento interno para proporcionar maior segurança para os usuários.

Foto: Douglas de Souza Melo.

sábado, 17 de agosto de 2019

RUMO MOVIMENTA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO


A alta performance da ferrovia que conecta a cadeia produtiva do Centro-Oeste ao Porto de Santos (SP) trouxe resultados expressivos no segundo trimestre da Operação Norte da Rumo. Foram cerca de 60 mil vagões de grãos descarregados no principal porto da América Latina para atender o mercado de exportação, movimentação que pelas rodovias equivaleria a mais de 125 mil viagens de caminhões. 

Estratégica no atendimento ao agronegócio brasileiro, a ferrovia foi o principal caminho utilizado para o transporte do milho, destaque dos resultados operacionais da Rumo no segundo trimestre. Impulsionada pela safra recorde nacional e a expectativa de quebra da safra americana, a operação movimentou 1,5 milhões de toneladas do cereal entre os Estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

“Os resultados comprovam a eficiência da ferrovia para o produtor brasileiro. Retomamos a importância do modal para a economia do país por meio da capacidade de transportar grandes volumes em trajetos de longa distância aliada a segurança da operação”, explica Darlan Fábio De David, vice-presidente da Operação Norte da Rumo.

Recordes de junho

A movimentação mensal entre Rondonópolis (MT) e o cais santista foi a melhor da história. Foram 2,9 milhões de toneladas transportadas, superando as 2,7 milhões toneladas de agosto de 2018.  Mais eficiente, o consumo de diesel das locomotivas teve redução de 2,3%.  Já o transit time (tempo de viagem) dos trens melhorou em 4,3%, que significa cerca 85 horas no corredor de exportação.

Outros recordes expressivos, do mês, foram os desempenhos nas operações de carga e descarga em um único dia. No terminal de Rondonópolis (MT), foram carregados 883 vagões no dia 19 de junho, superando a marca de 767 vagões obtida em 24 de abril do ano passado. Já na descarga, o recorde foi de 1.192 vagões no Porto de Santos, ultrapassando os 1.106 vagões descarregados em 12 de agosto de 2018.

Neste segundo trimestre, a empresa aumentou em 8 pontos percentuais o market share, representando 52% do volume de cargas do Porto de Santos e consolidando o crescimento da Companhia.

“É uma operação robusta, planejada e com potencial para atender os mais diversos segmentos do agronegócio e da indústria brasileira”, conclui Darlan. 

A Rumo é a maior operadora de ferrovias do Brasil e oferece serviços logísticos de transporte ferroviário, elevação portuária e armazenagem. A companhia opera 12 terminais de transbordo, seis terminais portuários e administra cerca de 14 mil quilômetros de ferrovias nos estados de Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás e Tocantins. A base de ativos é formada por mais de mil locomotivas e 28 mil vagões.

Rumo.
Loures Comunicação e Relações Corporativas

Leia> Coisas de Agora.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

VOLKSWAGEN CAMINHÕES E ÔNIBUS APRESENTA VEÍCULOS SOB MEDIDA PARA O AGRONEGÓCIO

O extrapesado em destaque é o MAN TGX 29.480 6x4.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus vai estar na 27ª edição da Fenasucro & Agrocana, evento que reúne toda a cadeia de produção do setor de agronegócio em Sertãozinho (SP), entre os dias 20 e 23 de agosto, para apresentar alguns de seus maiores sucessos para a aplicação.

Modelo que chegou no mercado brasileiro este ano, o Constellation 15.190 4x4 é um sucesso. Com força para rodar em qualquer terreno e capacidade de vencer subidas extremas, ultrapassa qualquer barreira no fora de estrada, tem peso bruto total combinado de 27 toneladas e entrega 186 cavalos de potência com motor MAN D08 de quatro cilindros e reduzido peso, ideal para esse tipo de aplicação. Além disso, não requer utilização de Arla 32, o que simplifica sua logística em locais sem infraestrutura de abastecimento e diminui os custos operacionais.

Marcando presença na feira, o Constellation 31.280 6x4 com câmbio automático está nos canaviais Brasil afora. Conta com transmissão Allison, que confere maior disponibilidade e elimina uso da embreagem. Combinada à caixa de direção hidráulica Knorr-Bremse com assistência eletrônica de última geração e sistema de auxílio de partida em rampa, aumenta a segurança na operação. Graças à tração 6x4, o veículo traz alta capacidade de carga e ainda mais estabilidade.

Também da família Constellation, o 32.360 V-Tronic é uma das apostas da VWCO. Equipado com transmissão automatizada e eixo traseiro com redução nos cubos, oferece robustez e produtividade às severas operações deste segmento. Vem ainda com bloqueio longitudinal e transversal para o trânsito em terrenos difíceis além de auxiliar no caso de atolamentos. Este modelo atende às operações mais pesadas do campo: produção, transbordo e apoio.

O extrapesado em destaque é o MAN TGX 29.480 6x4. O motor MAN D26 de seis cilindros e 12,4 litros garante um torque de 2.400 Nm  em uma ampla faixa de rotações, o que proporciona maior capacidade de sustentação da velocidade em rampa e menor necessidade de troca de marchas. O caminhão tem ainda uma das maiores capacidades de tração do mercado e está equipado com freios de serviço a tambor nos eixos dianteiros e traseiros, seguindo a preferência do mercado.  Por isso, atende todos os segmentos rodoviários de carga que precisam de um veículo traçado.

“Temos veículos sob medida para todas as operações do agronegócio. Nosso objetivo é estar sempre junto e apoiando com caminhões e ônibus que conferem alta produtividade e confiabilidade, além de baixo custo operacional e forte atendimento no pós-vendas”, afirma Ricardo Yada, supervisor de Marketing do Produto da VWCO.

Para o transporte das equipes envolvidas na operação, a montadora vai levar sua linha Volksbus, representada pelo micro-ônibus 8.160, que reúne características de robustez, durabilidade, segurança e acessibilidade. Com 7,6 metros de comprimento, o modelo tem capacidade para até 25 lugares. É equipado com o motor Cummins ISF de 3,8 litros e 162 cv, com tecnologia Euro 5 e quatro cilindros. Este Volksbus se destaca com um raio de giro menor que 8 metros, o que proporciona ângulos de entrada e saída diferenciados para a operação na região do campo.

Localizada em um dos principais e mais produtivos polos do setor sucroenergético no mundo, a Fenasucro & Agrocana reúne toda a cadeia de produção do setor em um mesmo local, contemplando desde o preparo do solo, plantio, transporte até a industrialização do produto final e sua distribuição.

Volkswagen Caminhões e Ônibus
Comunicação Corporativa

Leia> Coisas de Agora

EM DÓLAR, PREÇOS DE VEÍCULOS IMPORTADOS CAEM EM MÉDIA 19% EM DOIS ANOS.


Pesquisa realizada entre as marcas associadas à Abeifa mostra que os preços de veículos importados caíram, em média e em dólar, 19% em dois anos. Tendência de alta da moeda norte-americana, acima dos R$ 3,95, indica que o momento é o melhor para a compra de veículos importados.


Embora o dólar, principal componente na comercialização de importados, tenha se valorizado 24,6% entre janeiro de 2017 e agosto de 2019 (R$ 3,20 x R$ 3,99), os preços finais dos veículos importados ao consumidor, em reais, não acompanharam a evolução da moeda norte-americana. Além disso, em dólar, os preços caíram, em média, 19% nos últimos dois anos.

A pesquisa foi realizada nesta data entre as 15 marcas associadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores.

No principal produto de volume da Kia Motors, o SUV Sportage, a queda de preços em dólar também é muito significativa. Em janeiro de 2017, o Sportage, na versão de código P.776, era vendido por R$ 112.990,00, US$ 35,3 mil. Hoje, o similar, P.163, é comercializado a R$117.990,00, US$ 29,4 mil, redução de 16,7%; na versão topo de linha, seu preço era de US$ 43,7 mil e, hoje, US$ 38,7 mil, redução de 11,5%.

O Vitara 4Sport All Grip, da Suzuki, era ofertado no mercado brasileiro a US$ 35 mil. Dois anos depois, o mesmo produto custa US$ 30,6 mil, uma redução de 12,5%. Em reais, o produto custava R$ 112 mil e, agora, R$ 122,5 mil, alta de 9,3%. Outro produto da linha Suzuki, o S-Cross 4Style All Grip, custava em janeiro de 2017 US$ 36,250.00 e, hoje, US$ 30,300.00, queda de 16,4%. Em reais, esse produto, em dois anos, subiu de R$ 116 mil para R$ 121,5 mil, alta de apenas 4,7%.

A Volvo Cars, por sua vez, apresentou os preços praticados do modelo XC90, nas versões T6 Momentum e T8 Inscription Híbrida, respectivamente, de R$ 323,9 mil (janeiro 2017) para R$ 299,9 mil (agosto 2019), queda de 7,4%, e de R$ 419,9 mil para R$ 359,9 mil, queda de 14,2%. Em dólar, a versão T6 Momentum custava em 2017 US$ 101 mil e em 2019 US$ 75 mil e a T8 Inscription Híbrida US$ 131,2 mil (2017) e US$ 90,2 mil (2019), respectivamente quedas de 25,7% e 31,2%.

Na avaliação de José Luiz Gandini, presidente da entidade, “como todos os veículos importados são adquiridos em dólar e diante da tendência de alta da moeda norte-americana no Brasil, não tenho dúvidas de que o momento é de compra de veículos importados. Essa tendência de alta do dólar é motivada por vários fatores externos, como a percepção de uma possível recessão global e de uma desaceleração mais forte das economias chinesa e alemã que faria outras economias também desacelerarem, sem considerar os possíveis sustos diários no mercado brasileiro, motivados pelo dia a dia das aprovações ou não das reformas. Por isso, a cotação do dólar no Brasil infelizmente pode se manter acima dos R$ 4,00. Em dólar, os preços de veículos nunca foram tão baixos em quase trinta anos de importação oficial, e as importadoras ou fabricantes não têm como segurar estes preços por um período grande de tempo. Tenho convicção que estes preços serão reajustados a curto prazo”.

ABEIFA
Textofinal de Comunicação Integrada

Leia> Coisas de Agora

MARCOPOLO PARTICIPA COM SUAS TRÊS MARCAS NO SEMINÁRIO NACIONAL NTU 2019


Modelos Marcopolo, Neobus e Volare serão destaques do evento voltado para mobilidade urbana e inovação


Focada no futuro da mobilidade urbana e do transporte público, a Marcopolo S.A. participa do Seminário Nacional NTU 2019 e expõe veículos de suas três marcas de ônibus, Marcopolo, Neobus e Volare. Esta será a segunda vez que a fabricante líder nacional expõe de maneira conjunta as três marcas, com o objetivo de destacar sua liderança e força nos mercados brasileiro e latino-americano.

A presença da Marcopolo no Seminário NTU faz parte das comemorações dos 70 anos de companhia na fabricação de carrocerias para ônibus. Fundada em 6 de agosto de 1949, é uma das maiores fabricantes de ônibus e soluções para o transporte de passageiros do mundo, com operações em nove países tais como, África do Sul, Argentina, Austrália, Brasil, China, Colômbia, Egito, Índia e México, além de participação em uma empresa canadense, líder na produção de ônibus urbanos, com fábricas nos Estados Unidos e Canadá.

A empresa aproveitará o Seminário NTU para reforçar o relacionamento com os clientes de cada uma das marcas e apresentar as suas soluções para o futuro da mobilidade urbana e da adoção de novas tecnologias sustentáveis. Cada marca com um foco e posicionamento diferente dentro da estrutura corporativa, de acordo com seu segmento de atuação e portfólio de produtos, e endossadas pela força e tradição da marca Marcopolo.

A Marcopolo apresenta dois veículos: um ônibus Torino 100% elétrico e um urbano Torino de 15m de comprimento. A Neobus expõe o seu modelo urbano de maior sucesso, o New MEGA, e a Volare, o seu maior modelo de micro-ônibus Fly 10.


A motorização elétrica é uma das alternativas para a evolução da indústria automobilística. O Torino 100% elétrico tem chassi BYD D9W Low Entry, comprimento total de 12.930mm, e possui suspensão pneumática dianteira e traseira para ampliar o conforto para os passageiros. O modelo tem capacidade para transportar 71 passageiros mais cadeirante, com acesso por rampa e espaço para cão guia, três portas de acesso e é equipado com poltronas City Confort com encosto de cabeça, dois monitores e sistemas de monitoramento interno por câmeras e entretenimento.


O modelo Torino de 15 metros de comprimento é mais robusto, espaçoso e confortável. Com chassi Volvo B270F 6x2 e capacidade para transportar até 113 pessoas (36 sentados e 77 em pé), conta com acessibilidade total, que inclui plataforma elevatória, bancos preferenciais anteriores à catraca e espaço para cadeirante, portas pivotadas retas com sistema de segurança Door Brake e poltrona do motorista com amortecimento e cinto de segurança três pontos retrátil com regulagem de altura, além de sistema de monitoramento interno com câmeras para maior segurança.


O Neobus New MEGA tem conquistado maior participação de mercado no segmento urbano brasileiro, em todas as regiões do País, em razão de suas vantagens competitivas e melhor relação custo/benefício. O modelo se destaca pela sua extrema robustez, com mais espaço interno para os passageiros, por ser econômico e oferecer conforto, ótimo desempenho, além de mais eficiência e rentabilidade ao operador.

O Neobus New MEGA exposto tem comprimento de 13.345mm, capacidade para 40 passageiros sentados e é equipado com elevador tipo escada para acessibilidade, sistema de ar-condicionado de teto Valeo 355, preparação para sistema de monitoramento com quatro câmeras e assoalho em alumínio lavrado com isolamento termo acústico.

A Volare expõe o micro-ônibus Fly 10 com configuração urbana e comprimento de 8.900 mm, indicado para linhas alimentadoras, pois permite o melhor aproveitamento do espaço e permite diferentes configurações internas. O veículo oferece total acessibilidade, com elevador semiautomático, e motorização Cummins ISF 3.8, de 162 cv de potência e câmbio de seis marchas, ideal para a aplicação urbana, garantindo mais conforto, menor custo de manutenção e melhor manobrabilidade, sobretudo em locais de difícil acesso ou vias estreitas. 

Com capacidade para 24 passageiros, além de um cadeirante, o Fly 10 conta com porta urbana de duas folhas com sistema Door Brake, janela de vidros móveis, poltrona do motorista com amortecimento hidráulico, meia parede de separação atrás do motorista em tubo com vidro superior, poltrona dos passageiros urbana de 860mm com encosto alto.

O Seminário Nacional NTU 2019 - Inovação e reinvenção: o futuro do transporte público na perspectiva da sociedade será realizado nos dias 20 e 21 de agosto, no Hotel Royal Tulip Brasília Alvorada, em Brasília (DF). Em sua 33ª edição abordará temas e debaterá propostas para a superação dos desafios estruturais do setor, com destaque para a adoção de soluções inovadoras para elevar a operação das redes de transporte a um novo patamar de excelência e eficiência.

Fotos: Douglas de Souza Melo

PASSEIO DE SUPERESPORTIVOS TERÁ LARGADA EM SÃO PAULO

Capital paulistana recebe em setembro o Dream Route, evento de turismo de luxo que reúne super carros como Ferrari, Lamborghini, Porsche, Bentley e Rolls Royce. O passeio de quatro dias segue para Angra dos Reis com um dia no autódromo de Interlagos.



O Dream Route faz a sua estreia no eixo Rio-SP. Vem aí a sexta edição do primeiro evento de turismo automobilístico da América Latina e um dos maiores eventos do gênero no mundo. O evento tem largada em São Paulo no dia 12 de setembro rumo à Angra dos Reis, com um dia de piloto para os participantes no icônico autódromo de Interlagos, em São Paulo - que sedia a etapa da Fórmula 1 no Brasil - para testarem todos os limites dos carros.

O Dream Route segue até o dia 15 de setembro com muita emoção, conforto e luxo para seus cerca de 100 participantes. A largada em São Paulo será do sofisticado Palácio Tangará, considerado o único hotel 6 estrelas da América Latina. No dia seguinte o comboio segue para o Autódromo de Interlagos. 

Estrada Real

A descida para o litoral será pela espetacular Estrada Real, passando por Aparecida, até Angra dos Reis, com hospedagem no magnífico hotel Fasano. Na noite do terceiro dia os participantes serão brindados com um luau na praia e a festa de encerramento acontece no dia 15, com um belo almoço de confraternização em uma ilha particular do arquipélago de Angra dos Reis. 

Super Máquinas

Cerca de 50 carros especiais vão fazer parte da edição 2019 do evento. A icônica Ferrari F50, Rolls Royce Phantom, Lamborghini Aventador, Mercedes-Benz AMG GT, Porsche 911 Turbo e Audi R8 são alguns dos carros referência de cada montadora com presença garantida em setembro. Os participantes vêm de diversos Estados do Brasil e também do exterior, como Itália, Argentina, Uruguai e Chile. As inscrições estão abertas.

"Nossos participantes estão muito empolgados com esta primeira edição do Dream Route no eixo Rio-SP. Vamos largar da maior e mais importante cidade do país, acelerar no autódromo de Interlagos, e seguir para Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, um dos cenários mais lindos do mundo" comenta a organização do evento.

Conceito

Nova modalidade em turismo automobilístico de luxo no País, o Dream Route funciona em um sistema all-included, onde o participante usufrui de hotéis 5 estrelas, pistas de corrida, alta gastronomia com restaurantes e cardápios exclusivo, roteiro com belas paisagens, segurança privada, mecânica de luxo e guincho acompanhando o comboio dentre outras comodidades e serviços. 

A Dream Route conta ainda com o patrocínio de gigantes como a Pirelli, líder mundial na fabricação de pneus e uma das principais patrocinadoras da Fórmula-1. 

Inscrições
contato@dreamroute.com.br

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

A CULPA NÃO É DA UBER.
Por Vladimir Fernandes Maciel*

O perfil do usuário da modalidade "Uber Juntos" aponta para jovens entre 20 e 35 anos. Boa parte possui ou cursa o ensino superior, trabalha no setor de serviços ou é composta por profissionais liberais.

Os resultados vêm de um estudo da Quest Inteligência, companhia de inteligência de mercado, em parceria com o GAESI, grupo de tecnologias de automação e gestão de processos da Escola Politécnica da USP.

A análise indica que 62% dos usuários usavam transporte coletivo, a maioria ônibus, trem e metrô, sem assinalar outros tipos alternativos de locomoção, com bens próprios ou outros serviços de transporte.

O valor das corridas é pouco maior que uma passagem e meia de ônibus e não são trajetos muito longos. Isso mostra que os usuários deixam de utilizar o ônibus em seu dia a dia, sinalizando que a qualidade do serviço oferecido pelo ônibus é ruim.

Em vez de associações como a NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos) clamarem para que as prefeituras criem dificuldades e impeçam a Uber, por considerar a empresa como um elemento de concorrência desleal, deveriam se atentar aos resultados das pesquisas sobre os ônibus. Se as pessoas trocam de serviço, significa que o serviço está ruim.

Por um preço supercompetitivo, a Uber consegue, na modalidade conjunta, oferecer um transporte com mais segurança e regularidade do que o transporte coletivo. A ideia, olhando tudo isso e os resultados das pesquisas, é identificar o que está errado com os transportes coletivos – regularidade, frequência, segurança, modelos de licitação.

Esse modelo de licitações, em especial, é defasado e não incorpora novas tecnologias e nem melhorias necessárias à atualização do serviço. Não podemos culpar as pessoas e nem a Uber, dizendo, por exemplo, que "mais carros pioram o trânsito".

Isso é argumentar contra o objeto errado. As prefeituras devem olhar e se preocupar com o cidadão, não com as empresas de transporte.

Outro aspecto é a vantagem vista no preço. Entre os trajetos da Uber pesquisados pelo estudo, quase metade custou menos do que duas viagens de transporte coletivo em São Paulo – nos valores atuais, R$ 8,60, com valor unitário de R$ 4,30 para metrô, CPTM e ônibus.

* Vladimir Fernandes Maciel é professor de Economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, especialista em mobilidade e coordenador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica.