terça-feira, 21 de maio de 2019

CONVERSA DE PISTA.
Por Wagner Gonzalez*

IMORTAL, LAUDA PARTE AOS 70 ANOS



Super homem austríaco venceu desafios da família, as pistas e nos ares


Raros nomes do automobilismo mundial, e poucos no cenário mundial de negócios, conseguiram a unanimidade de Andrea-Nikolaus Lauda (foto de abertura/Mercedes). Indivíduo dos mais motivados e focados, abdicou a carreira de herdeiro de uma importante instituição financeira familiar para ir atrás do seu ideal. Ao final de sete décadas de existência terrena (22/2/1949-20/5/2019) deu seu último suspiro sempre ligado a grandes momentos da F-1 e com a mesma emoção que o levou a conquistar três títulos mundiais e consolidar seu espaço entre os grandes do esporte. O último título foi conquistado por escasso meio-ponto e ao volante do icônico McLaren MP4/2 TAG. O pódio dessa conquista, o GP de Portugal de 1984, é o retrato de uma era da F-1: nele  esse austríaco nascido em Viena foi ladeado por seu sucessor imediato, Alain Prost e a então estrela em ascensão Ayrton Senna. Há alguns anos o austríaco era o presidente não executivo da Mercedes-Benz e figura central no programa de competições da marca.

Niki Lauda significa para o automobilismo muito mais que um tricampeão mundial de F-1: seus outros títulos foram conquistados em 1975 e 1977. Capaz de misturar boas doses de frieza empresarial com a emoção de fazer negócios de perfil glamoroso, ele investiu boa parte da fortuna construída em terra em companhias aéreas; Lauda Air e Niki as mais importantes entre várias outras associadas a companhias de maior porte. A paixão pela velocidade no ar foi semelhante a aquela que o destacou nas pistas: ele possuía brevê para pilotar vários aviões que compuseram a frota que cruzava os céus da Europa, Ásia, Austrália, África e, por breve período, para capitais do nordeste do Brasil.

Embraer E-190 fez parte da frota da Niki, uma das várias empreitadas de Lauda na aviação comercial. Foto: Embraer.

Além dos Boeings 737 e 767 que Lauda pilotou, a companhia aérea chegou a operar Boeing 777, Airbus A320 e Bombardier CRJ-100, todos eles batizados sugestivamente com os nomes de Janis Joplin, Frida Kahlo, Ernest Hemigway, Enzo Ferrari e até mesmo Ayrton Senna. Ao incomodar a Austrian Airlines, companhia de bandeira do país,  iniciou uma guerra política que culminou na incorporação da empresa do piloto pela estatal austríaca. A Lauda Air existiu de Abril de 1979 a julho de 2012 Anos mais tarde, entre novembro de 2003 e dezembro de 2017, Niki usou o apelido para batizar uma nova empreitada no gênero low cost e que chegou a operar 84 aviões, incluindo sete Embraer ERJ 190, alguns deles batizados como Samba, Lambada, Calypso, Rumba e Tango. Estes aviões atualmente são operados pela Helvetic Airways e voam nas cores da Swiss, companhia que sucedeu à Swissair e incorporou a Crossair, cliente que lançou a família E-175 da empresa brasileira.

Pela Ferrari: dois títulos mundiais, 15 vitórias, 23 poles, 32 pódios e 12 voltas mais rápidas. Foto: Ferrari.

Os dois títulos na Ferrari poderiam ter sido três consecutivos: em um final de semana chuvoso na metade da temporada, em Nürburgring, Niki Lauda tentou convencer seus colegas a não largar, cena imortalizada no filme Rush, de Ron Howard, e gravada na mente de todos os entusiastas do automobilismo desde a terceira volta do GP da Alemanha disputado no primeiro dia de agosto de 1976. Ao se aproximar da curva Bergwerk o Ferrari 312 T2 número 1 avançou sobre a zebra e foi impulsionado contra o guard-rail do lado oposto e, em seguida, atingido pelo Hesketh-Ford 308D de Harald Ertl e pelo Surtees-Ford TS19 de Brett Lunger . No choque a estrutura de borracha do tanque de combustível rompeu-se e provocou um incêndio. Ertl, Lunger e Guy Edwards, que conseguiu evitar que seu Hesketh-Ford 308D atingisse o Ferrari, tentaram retirar Lauda do cockpits, mas apenas o franzino italiano Arturo Merzario conseguiu enfrentar as chamas o tempo suficiente para soltar a fivela do cinto de segurança, que estava travada.

A ingestão de gases tóxicos foi quase fatal para o austríaco, que após ser atendido no Hospital de Adenau foi transferido para a Clínica Universitária de Mannhein, onde iniciou um longo e dolorido processo de desintoxicação. Quarenta e dois dias depois o austríaco alinhava no GP da Itália; sua cabeça ainda envolta em bandagens que cobriam queimaduras ainda escondia o que restou de sua orelha direita. A força de vontade e o desejo de sobreviver, porém, seguiam intactos. Da mesma forma, o respeito aos riscos desnecessários o levou a abandonar o primeiro GP do Japão da história da F-1, prova que encerrou a temporada daquele ano. Chovia forte na terceira volta quando Lauda entrou nos boxes e foi sucinto ao declarar que era mais importante sobreviver do que outra coisa. Danielle Audetto, então chefe da Scuderia Ferrari, tentou convence-lo a dar uma justificativa diversa, alegando uma falha no carro, mas  não obteve sucesso na empreitada.

A F-1 caminhava para o final a temporada de 1979 e a Brabham, equipe que defendia desde o ano anterior, chegava ao Canadá com dois novos BT49, chassi equipado com motores Ford Cosworth V8 em lugar dos pesados e pouco confiáveis V12 Alfa Romeo. Lauda completou 10 voltas no treino de sexta-feira, parou no box e foi para o aeroporto de Mirabel, passando rapidamente no hotel para pegar sua bagagem. Em que pesasse os esforços de Bernie Ecclestone em tentar convencer a todos de que Niki não se sentia bem, não demorou muito para que todos soubessem que ele, conforme suas próprias palavras, estava "cansado de ficar andando em círculos" e que o argentino Ricardo Zunino o substituiria a partir de então. Três anos depois ele voltava para coroar sua carreira com tries temporadas na McLaren e seu terceiro título mundial.

Apesar de todos os obstáculos com sua sua saúde, Lauda sempre manteve-se acessível e atuante na F-1. Foto: Mercedes.

Lauda voltou às pistas em 1982, aceitando o convite de Ron Dennis para disputar três temporadas. Nos muitos anos que acompanhei a F-1 tive inúmeras oportunidades de entrevistar e interagir com Niki Lauda, como aquele momento de coragem do repórter em começo de carreira nos treinos livres para o GP de 1976, no Interlagos de oito quilômetros, até para falar da Lauda Air durante um GP de 1998. Ao mencionar meu interesse em voar por sua empresa aérea para o GP da Austrália de 1999 ele me aconselhou a procurar um certo funcionário em Londres. Ao ligar para o executivo descobrir que Niki tinha instruído para facilitar a emissão de meu bilhete para Melbourne.

Seu último trabalho foi construir a supremacia da Mercedes na F-1 ao lado de Toto Wolff . Foto: Mercedes.

Verdadeiro super homem, Andreas-Nikolaus Lauda vendeu seu Porsche 911 para investir na sua carreira, no seu ideal de felicidade, contrariando Ernst-Peter Lauda, seu pai, importante banqueiro austríaco. Sobreviveu ao desafeto paterno, a um incêndio em Nürburgring, a um transplante de rim, outro de pulmão, construiu e se desfez de empresas aéreas, foi três vezes campeão mundial de F-1, presidente não executivo de umas maiores fábricas de automóvel do mundo e, mais importante do que tudo isso, sempre foi fiel a seus princípios. Por tudo isso jamais será apenas uma lembrança para aficionados do automobilismo: quem ouviu falar do seu nome sabe que ele é imortal.

* Wagner Gonzalez é jornalista especializado em automobilismo de competição, acompanhou mais de 350 grandes prêmios de F-1 em quase duas décadas vivendo na Europa. Lá, trabalhou para a BBC World Service, O Estado de S. Paulo, Sport Nippon, Telefe TV, Zero Hora, além de ter atuado na Comissão de Imprensa da FIA. Atualmente é diretor de redação do site Motores ClássicosTwitter: @motclassicosFale com o Wagner Gonzalez: wagner@beepress.com.br.


Leia> Coisas de Agora.

MECÂNICA ONLINE®.
Por Tarcisio Dias*

OS CARROS COM MENOR DEPRECIAÇÃO DO MERCADO



O sonho de ter um carro na garagem ainda fascina muitos brasileiros. Porém, comprar um carro é uma tarefa que exige pesquisa desde sua funcionalidade, desempenho até seu visual. Quando escolhido o modelo, o preço e o valor de mercado ainda são desafios.

Para auxiliar o consumidor nesta jornada, a KBB Brasil reuniu os automóveis que custam até R$ 150 mil e levantou as versões que mais e menos depreciaram após o primeiro ano de uso. Vamos apresentar abaixo esse levantamento para você fazer valer seu suado dinheirinho na hora da compra do próximo modelo.

Quando o assunto é preço de carros, há duas metodologias para calcular a perda de valor: desvalorização e depreciação.

Desvalorização é a comparação do preço atual de um veículo 0 Km com os valores aplicados pelo mercado à mesma versão fabricada em anos anteriores.

Depreciação usa o valor do veículo 0 Km em um período determinado em relação a seu atual valor residual, sempre considerando o mesmo ano/modelo e sem o mesmo rigor de sua definição contábil, que tem regras muito estritas.

Neste levantamento, foi aplicado o conceito de depreciação.

Na edição anterior da sua coluna Mecânica Online apresentamos os veículos mais depreciados. Agora é o momento dos modelos MENOS DEPRECIADOS.

Levantamentos de depreciação de carros podem apresentar comportamentos fora do padrão, como índices valorizados, em que o preço de um usado hoje é mais alto que o mesmo veículo 0 Km há um ano atrás.

Na análise de automóveis menos depreciados até R$ 50 mil, o Volkswagen Gol City 1.0 4 portas Flex ganha destaque pelo aumento de 1,5% de seu valor inicial ao longo do primeiro ano de uso. Uma forte alta do veículo, variação do câmbio - implicando diretamente em importados – e um bom posicionamento no mercado explicam essa ocorrência.

Apresentando, de fato, a menor porcentagem de depreciação, o Chery QQ 1.0 12V Flex garante a segunda posição no ranking com uma redução de 2,67% em seu preço após um ano de uso. Em seguida, o Volkswagen Gol City 1.0 2 portas, com 3,62% em queda, possivelmente um reflexo do bom rendimento da versão quatro portas. Ainda abaixo de 4%, o Fiat Mobi Like 1.0 garante a quarta posição, com uma taxa de 3,84% no período analisado.

Entre R$ 50 mil e R$ 70 mil os três primeiros colocados pertencem à montadora Volkswagen, são eles: Saveiro Cabine Dupla Trendline 1.6 manual, apresentando 5,51% de valorização após o primeiro ano de uso, seguido pela versão Highline 1.6 manual, que soma um saldo positivo de 1,78% no mesmo período. Na terceira posição, o High UP! 1.0 TSI mostra valorização de 1,16%.

O carro mais vendido do mundo não apresentou resultado diferente do esperado, o Toyota Corolla GLI 1.8 CVT soma um valor positivo de 0,88%. Uma forte alta do veículo, variação do câmbio - implicando diretamente em importados – e um bom posicionamento no mercado explicam essas ocorrências.

A alemã Volkswagen é destaque ainda na quinta, sexta e sétima posição de menores desvalorizações. O Polo Highline 200 TSI trouxe 1,49% em desvalorização após um ano de uso, seguida pela versão Comfortline 200 TSI, com queda de 2,14% de seu valor 0 Km. A presença da marca é encerrada com a versão de entrada do modelo 1.6 16V Flex, com redução de 3,10% em seu preço após o primeiro ano.

Na faixa de R$ 70 mil a R$ 90 mil, dentre os modelos analisados, o Suzuki JIMNY 4Sport 1.3 16V apresenta o menor índice de depreciação, com uma queda de apena 3,07% de seu valor no primeiro ano de uso. Ele é seguido pelo Honda City LX 1.5 16V CVT, que deprecia 3,56% no mesmo período.

A terceira posição - última que apresenta um índica abaixo de 5% - fica com a francesa Peugeot. O modelo 308 Griffe THP 1.6 16V Tiptronic contabiliza uma perda de 4,54%.

A quarta posição vai para a versão topo de linha do Volkswagen Virtus, a Highline 200 TSI, que conta com uma depreciação de 5%.

No mercado de automóveis que custam entre R$ 90 mil e R$ 150 mil, as versões que perderam menos valor após o primeiro ano de uso, ficou com a alemã Volkswagen, que trouxe uma curiosidade que a colocou no topo do pódio com a picape Amarok 2P CS S 2.0 TDI mecânica, com uma taxa de valorização de 1,74% na versão usada. Ou seja, há 12 meses, a versão podia ser encontrada por R$ 110.000 e, atualmente, o mesmo veículo 0 Km seria vendido por R$ 111.909.

Esse comportamento fora do padrão, em que o preço de um carro usado hoje é maior que o de um 0 Km há um ano atrás, pode ocorrer por diversos fatores, como, por exemplo, o valor da versão 0 km de um determinado veículo ter sofrido forte alta, o que consequentemente é refletido no valor do veículo usado, deixando-o mais caro do que o 0 km vendido um ano antes.

Por outro lado, falando de fato sobre depreciação, é possível notar neste levantamento que 90% dos modelos que menos depreciam são parte dos catálogos de marcas japonesas. A Mitsubishi aparece em segundo lugar no ranking, com a L200 Pickup 4P TRITON GL 4X4, com queda de 2,05% de seu valor original no período. Suzuki, Toyota, Honda também compõem o levantamento com os veículos que menos depreciam.

Online


Recall 1 - Recurso essencial na indústria automotiva por corrigir defeitos de fábrica, o recall movimentou as montadoras e motoristas brasileiros no primeiro trimestre de 2019. Os três primeiros meses deste ano registraram 34 campanhas, afetando 13 montadoras e 66 modelos diferentes de veículos.

Recall 2 - A montadora BMW é a líder de campanhas no trimestre, com oito recalls. A Toyota ocupa a segunda posição, com cinco chamamentos, seguida pela Mercedes-Benz com quatro. Além disso, praticamente um terço das fabricantes (32%) realizou alguma campanha de reparação nesse período.

Recall 3 - O Audi A5 teve 12 recalls únicos nos três primeiros meses do ano, enquanto que o Audi A4 realizou dez – o Saveiro ficou na terceira posição com sete. No total, 8% dos modelos que circulam no Brasil foram afetados.

Conectividade - 4ª edição do Frotas Conectadas acontece dias 21 e 22 de maio, no Parque Tecnológico da USP, apontando as oportunidades que a tecnologia já oferece aos negócios de logística e transporte. Além de trazer a cápsula protótipo do Hyperloop TT, que promete revolucionar o conceito de viagens.

Escapamento - Localizado no sistema de escapamento do carro, o catalisador tem a função de converter até 98% dos gases poluentes, provenientes da combustão, como monóxido de carbono (CO), óxidos de nitrogênio (NOx) e hidrocarbonetos (HC) em substâncias inofensivas à saúde humana.

Catalisador - Os principais sinais de mau funcionamento são o aumento de consumo, ruídos anormais e redução no desempenho do carro. Além disso, um problema no catalisador pode fazer acender a luz de alerta da injeção eletrônica no painel, que tem o formato de um pequeno motor.


* Tarcisio Dias é Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica, e Radialista. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Coluna Mecânica Online®  aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral.


Leia> Coisas de Agora

segunda-feira, 20 de maio de 2019

HYUNDAI MOTOR GROUP DESENVOLVE SISTEMA INTELIGENTE DE PURIFICAÇÃO DE AR

O Hyundai Motor Group, conglomerado automotivo do qual a Kia Motors Corporation faz parte, desenvolveu um “sistema inteligente de purificação de ar”. A inovação introduz um novo sistema de monitoramento automatizado, que verifica continuamente a qualidade do ar no interior do veículo, para filtrá-lo até atingir o status "Excelente"



Combinada com inovações avançadas de filtragem, a tecnologia pode remover partículas finas antes que os passageiros entrem no carro e purificar o ar da cabine durante uma viagem. O novo desenvolvimento, já em consideração para os futuros veículos da Kia, vai de encontro às crescentes preocupações sobre o impacto dessas partículas finas na saúde das pessoas, especialmente em áreas urbanas altamente congestionadas.

Os sistemas de purificação de ar convencionais só funcionam durante um período definido quando ativados, desligando-se após determinado tempo, independente da qualidade atual do ar da cabine. No entanto, o novo sistema Smart Air Purification monitora constantemente o ar do interior do veículo, ativando a função de purificação se a qualidade dele diminuir para o nível "Razoável". Em seguida, mantém o processo de limpeza até que a qualidade melhore para um nível "Excelente". Mesmo que o ar exterior esteja no nível "Insatisfatório", o sistema pode purificar o ar interno, atingindo a qualidade "Excelente" quase instantaneamente.

Os passageiros podem monitorar os níveis de qualidade do ar interior pela tela de navegação do carro, em um display digital que indica as características do ar em tempo real. Isso é categorizado de acordo com as normas da instituição Korea Environmental Corporation, que classifica quatro níveis de qualidade do ar com base na presença de partículas finas: Excelente, Boa, Razoável e Ruim.

O Hyundai Motor Group projetou um sensor integrado de laser para garantir a durabilidade e a confiabilidade do sistema. Sensores comuns são propensos a problemas de confiabilidade, pois partículas finas podem se acumular gradualmente na lente de medição. Além disso, testes rigorosos garantem que os motores e os sensores dos ventiladores do purificador manterão a funcionalidade total em ambientes de calor e frio extremos.

O novo sistema de purificação do interior é combinado com filtros de ar avançados de alto desempenho, que aumentam a taxa de coleta de partículas finas de 94% para 99%. Além disso, o novo sistema de filtragem possui uma função de desodorização à base de carvão e pode fechar automaticamente as janelas do carro para auxiliar no processo de purificação.


MAIS 10 NOVOS VOLKSBUS SÃO ENTREGUES PARA A TRANSCAP

O transporte urbano de passageiros da região que compreende o extremo sul da cidade de São Paulo conta agora com importante reforço. A Auto Viação TransCap acaba de renovar sua frota com 10 Volksbus 17.230 ODS com suspensão a ar. Os ônibus foram entregues pela Apta Caminhões e Ônibus, de São Bernardo do Campo.

A economia na operação e a robustez dos ônibus Volkswagen conquistaram a TransCap, que também adquiriu 10 unidades do Volksbus 9.160 OD Euro 5 em abril do ano passado.

O Volksbus 17.230 ODS com suspensão a ar é indicado para severas operações de transporte urbano e fretamento, adapta-se a carrocerias de até 13,2 metros, une robustez e versatilidade. Com polia adicional de série, facilita a instalação do ar-condicionado. Equipado com motor MAN D08 EGR (que dispensa o uso do Arla 32), o chassi é utilizado com sucesso em diversos lugares no mundo.

Os veículos adquiridos pela TransCap são completos, equipados com ar condicionado, USB para carregamento de dispositivos móveis e plataforma de acessibilidade para deficientes físicos, com requisitos que atendem à legislação para o transporte público na cidade de São Paulo.

O modelo ainda traz embreagem de 395 mm de diâmetro e caixa de transmissão ZF 6S 1010 BO de seis velocidades com servo-assistência e troca de marchas acionada por cabos, o que garante maior conforto e durabilidade de todo o conjunto.

De acordo com a montadora, os ônibus Volkswagen lideram o segmento de fretamento graças ao acerto na equação robustez e custo operacional, atendendo às necessidades dessa operação com confiabilidade.

A Apta Caminhões e Ônibus é uma das mais modernas concessionárias de caminhões e ônibus da rede MAN Latin America/ Volkswagen. Possui unidades estrategicamente bem localizadas às margens da Rodovia dos Imigrantes, uma no planalto no Km 26 na junção com o Rodoanel e outra na Baixada Santista no KM 64. As concessionárias atuam com uma linha completa e sua estrutura se divide entre vendas de caminhões e ônibus, novos e usados, além de peças e assistência técnica. A Apta atende 39 municípios da Grande São Paulo e 11 do litoral paulista. 

sexta-feira, 17 de maio de 2019

123CARROS COMEMORA 5.000 SEMINOVOS INSPECIONADOS EM MENOS DE DOIS ANOS DE OPERAÇÃO

A 123carros, um dos principais canais web para comercialização de carros usados do país, acaba de atingir uma marca histórica, que suplanta mais de 330% as expectativas desenhadas na fundação da empresa: um Ford Fusion Titanium 2.0 GTDI Eco, ano 2015, é 5.000º veículo a procurar a empresa para recorrer ao apoio na venda.



Nem todos os 5.000 seminovos, porém, chegaram a ser "trabalhados" para venda. Prestes a completar seu segundo aniversário, a 123carros mantém inalterados os critérios que nortearam sua criação em 2017. "Cerca de 25% dos candidatos foram rejeitados na pré-inspeção. Outros 10% também não passaram no crivo da avaliação dos técnicos", lembra Andréas Visnardi, Chefe de Inspeções da 123carros, ressaltando que o maior patrimônio da empresa é garantir qualidade e confiabilidade nos modelos à venda.

O interessado na venda leva seu carro ao Centro de Inspeção, onde ele será meticulosamente vistoriado – num total de 305 itens verificados em todos os veículos –, fotografado e avaliado. Não se coloca carro à venda que não atenda aos padrões de qualidade e que possua qualquer tipo de impedimento na documentação. A vantagem recai, naturalmente, para o cliente que compra seu carro na 123carros: há a certeza de não adquirir um "problema".

Outro fenômeno marcante, apesar da curta trajetória no mercado, é a fidelização. Exatamente por não trabalhar com veículos mal conservados ou restritivos nos documentos, a 123carros possui um invejável índice de fidelização. "9% das vendas atuais ocorrem com clientes que já haviam adquirido um seminovo conosco e agora retornam para adquirir o segundo carro da família. Esse percentual é altíssimo para uma empresa que atua há menos de dois anos no mercado", celebra o responsável por Inspeções.

Como funciona?


A 123carros utiliza um algoritmo para definir o preço "real" de cada carro usado anunciado, cruzando centenas de parâmetros (valor referencial de tabela Fipe, opcionais do veículo, estado de conservação, cor mais aceita comercialmente, quilometragem, desgaste de pneus etc.)

Bastante difundida no ambiente virtual – www.123carros.com.br –, a 123carros conta com públicos diversos e presença em todos os segmentos de preços de seminovos. Para trabalhar cada venda, a 123carros utiliza uma plataforma virtual de grande alcance em busca de eventuais compradores. Mas vai além: aquele mesmo algoritmo interno que calcula o verdadeiro preço de venda de cada modelo oferece opções próximas ao carro que o comprador está pesquisando, caso ele não localize exatamente o veículo desejado. Se a opção do comprador for por um modelo específico que não exista no estoque da empresa, a 123carros também possui ferramentas para localizar o carro no mercado e, após atestar se seu estado de conservação atende às exigências de qualidade, promover a negociação.

e-Pincigher Comunicação Corporativa
eduardopincigher@hotmail.com
11 997-229-356

Leia> Coisas de Agora

VIAÇÃO ATALAIA RECEBE 28 NOVOS ÔNIBUS MARCOPOLO TORINO


Nesta sexta-feira (17), a Viação Atalaia, uma das principais operadoras de transporte urbano de Sergipe, recebeu, 28 novos ônibus Marcopolo Torino. Os veículos foram entregues na cidade de Aracajú, durante a realização do Prêmio Setransp - Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Município de Aracaju.

Os 28 ônibus Marcopolo Torino têm chassis Mercedes-Benz OF-1721 e são equipados como itens para garantir mais conforto, segurança e comodidade, como elevador para passageiros portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida, itinerário eletrônico, poltronas City estofadas, sendo 13 preferenciais, câmeras internas de monitoramento e sistema GPS.

“Esta aquisição é muito importante para a Marcopolo, pois representa a primeira compra da Viação Atalaia, um dos principais operadores do Nordeste brasileiro”, comemorou Rodrigo Pikussa, diretor do Negócio Ônibus da Marcopolo.

Os novos ônibus entregues serão incorporados à frota da empresa e utilizados no sistema de transporte coletivo urbano da capital de Sergipe.

JAMEF, HÁ 56 ANOS LEVANDO O MELHOR PARA TODO O BRASIL

Habilidade é o que você é capaz de fazer; motivação determina o que você faz com a sua habilidade e a atitude determina o quão bem você faz tudo isso! Com esses três pilares que incluem, acima de tudo, a atitude de iniciar um grandioso projeto, José Alves Martins em parceria com seus filhos, fundou a Jamef.

No mês de maio, a empresa completa 56 anos e o seu sucesso é o resultado do compromisso contínuo com a inovação e o desenvolvimento de seus colaboradores, fatores essenciais que garantem a qualidade dos serviços prestados, a agilidade e a segurança de toda carga transportada.

Tudo começou em 1963, no interior de Minas Gerais, na época, com apenas um caminhão, a Transportadora Divinópolis transportava café da Torrefação Divinópolis até Belo Horizonte.

Após nove anos, em 1972, a empresa trocou o seu nome e deu início à expansão para outras regiões do país. O novo nome, Jamef, surgiu da união das iniciais de José Alves Martins e Filhos. Na mesma década foram inauguradas as filiais de São Paulo e Rio de janeiro.

Já na década de 80, a Jamef, é reconhecida como referência nacional e se especializou no transporte de cargas fracionadas e a partir desse foco, uma constante fase de investimentos asseguraram a empresa, um crescimento sólido e sustentável.

Desde 1998 quando conquistaram o Certificado ISO, Sistema de Gestão da Qualidade, iniciaram um caminho de melhorias contínuas na relação com seus clientes. Princípios como excelência no atendimento e pontualidade nas entregas, garantiram a recertificação ISO 9001:2015, um selo que fortalece o compromisso com a satisfação do cliente.

Sempre a frente de seu tempo e atentos às necessidades de seus clientes, a Jamef mantém firme seus planos de crescimento e ampliação. Recentemente, as filiais de Barueri, Brasília, Recife e Campinas ganharam novos endereços com estruturas amplas e modernas, reforçando suas capacidades operacionais e de produtividade.

Com a determinação de oferecer aos motoristas ainda mais segurança e conforto em suas viagens, constantemente, sua frota é renovada com o que há de mais inovador no segmento. Todos os veículos e equipamentos, cumprem as exigências das políticas internacionais de emissão de CO2, por meio de manutenção preventiva frequente.

A Jamef se dedica em oferecer um serviço de excelência por meio de um ambiente saudável, mantendo uma relação de transparência e de muito respeito com seus colaboradores, clientes e parceiros. Diante disso, o seu Manual de Ética foi fortalecido com o lançamento do Canal de Ética e Conduta.

E para dar início ao novo ciclo, recentemente a empresa apostou em soluções ainda mais eficazes, inovando com a mais completa tecnologia, como: o sistema de Automação Operacional com Sorter, instalado na unidade de Barueri, SP, que garante ainda mais precisão e segurança durante todo o processo operacional; o Detector de Fadiga, com a instauração de um roteador pré-configurado no caminhão, dentro das cabines com câmeras e algoritmos de inteligência artificial e conexão 4G; o software Tracking on time, uma solução de inteligência artificial que aprende os roteiros, condições de trânsito e tempo de parada nos clientes, ampliando a produtividade das entregas e antecipando informações em tempo real, além do App Jamef Ratreamento, exclusivo para o cliente consultar o posicionamento da encomenda em dispositivos mobile.

Essa é sem dúvida, uma trajetória construída por meio de muitas batalhas e vitórias e que merece destaque e os votos de muito sucesso e prosperidade para os próximos anos.

Fundada em 1963 e especializada no transporte de cargas fracionadas, a Jamef Encomendas Urgentes (www.jamef.com.br) atua em todo o território nacional por meio dos modais rodoviário e aéreo e conta com mais de 3.000 colaboradores diretos, 1.200 veículos e 30 unidades. A empresa investe constantemente em infraestrutura, tecnologias integradas, capacitação de colaboradores, ações sustentáveis e inovação para sempre levar o melhor serviço ao cliente, com pontualidade e cuidado no transporte de mercadorias e atenção no atendimento. Toda a frota é 100% rastreada via satélite e os terminais são monitorados 24 horas por dia, para garantir a segurança total de todas as cargas, desde a coleta até a entrega. No site é possível acompanhar cada etapa do transporte, em tempo real, e ainda realizar cotações e solicitar a coleta. 

VW DELIVERY EXPRESS APOSTA EM VERSATILIDADE PARA AVANÇAR AINDA MAIS NO BRASIL


O Delivery Express, da Volkswagen Caminhões e Ônibus, é um exemplo de liderança incontestável. Lançado em junho de 2018, o veículo detém cerca de 27,5% de participação no segmento de 3,5 toneladas – um dos mais disputados do mercado –  nos quatro primeiros meses de 2019. Mesmo com tamanho sucesso, a VWCO está certa de que o veículo tem potencial para conquistar uma fatia ainda maior de market share. Para isso, a marca irá lançar nesta sexta-feira (17) uma nova campanha nacional que reforça os principais atributos do Express.

Criada pela AlmapBBDO, a campanha fará sua estreia no intervalo dos principais jornais noturnos da TV aberta, com o filme “Samba da Entrega”. Nele, o cantor Léo Chaves – em uma paródia de “Mulheres”, de Martinho da Vila – faz uma homenagem à versatilidade do Express, enumerando os principais tipos de carga transportados pelo veículo. A letra foi construída com base na análise e no cruzamento de dados sobre as atividades dos clientes que compraram o modelo desde seu lançamento, revelando a diversidade de aplicações e perfis dos compradores – o que é refletido na canção.

“O sucesso imediato do Delivery Express no mercado se deve a uma série de diferenciais, como o fato de ele já vir implementado de fábrica e ser veículo o mais versátil para todos os tipos de entrega. Como costumamos dizer, o Express é o caminhão que todo mundo pode dirigir, um verdadeiro exemplo da engenharia ‘sob medida’, que nos permite oferecer sempre as melhores soluções para os nossos clientes”, afirma Ricardo Alouche, vice-presidente de Vendas, Marketing e Pós-Venda da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Além do filme na TV, a campanha também será veiculada em rádio e com forte estratégia digital.

Manual Express


A campanha que entra ao ar nesta sexta mira novos clientes, mas a Volkswagen Caminhões e Ônibus também se lembrou daqueles que já adquiriram o Delivery Express. Para eles, a marca prepara uma série especial no YouTube e no Facebook com outro filmes que passarão instruções de utilização do veículo, ajudando os usuários a obter resultados ainda melhores com o caminhão. Chamada Manual Express, a série terá oito episódios, que tratarão de temas como economia de combustível, distribuição de cargas e check-list diário, voltados para públicos específicos: entrega de materiais de construção, hortifrúti, lavanderias etc.

Novamente ancorado por Léo Chaves, esse conteúdo tem sua estreia prevista para o mês de junho. O cantor terá seu próprio Delivery com carroceria carga seca para utilizar no dia a dia e nos seus negócios. Com o caminhão, ele continuará gerando conteúdo para as redes sociais da VWCO, mesmo após a campanha.

Delivery Express


Sob medida para entregas urbanas, o Delivery Express destaca-se por oferecer agilidade em manobras e, ao mesmo tempo, robustez a toda prova característica reconhecida na marca, com a vantagem de poder ser conduzido por motoristas com carteira de habilitação B, além de trafegar em áreas onde a circulação de caminhões é restrita. Nos trechos intermunicipais o Delivery Express também pode ser um grande aliado do operador: o rodado simples na traseira traz o benefício da cobrança de pedágio no valor de um automóvel. Para agilizar sua entrada em operação, o Delivery Express pode sair com implemento de fábrica. O cliente pode escolher entre carga seca ou baú, com todas as garantias desses equipamentos preservadas por seu fabricante, a Randon. Além disso, os caminhões passam a dispor da instalação da câmera de ré pelo parceiro exclusivo da marca, o BMB. Os implementos tiveram um projeto cuidadosamente desenvolvido pela Randon para os caminhões VW.  

quinta-feira, 16 de maio de 2019

COMO VIRAR O JOGO.
Por Fernando Calmon*

Entre as inúmeras frases de efeito criadas no mundo dos negócios está o termo BTR (De Volta à Corrida, na sigla em inglês). Esse termo se aplica bem ao esforço recente da Peugeot em mudar sua imagem no Brasil. A marca teve algo em torno de 2,5% de participação de mercado e caiu para menos de 1%. Hoje, ronda 1,2% ou metade do que já representou. Este cenário coincidiu com dificuldades financeiras da matriz na França, agora lucrativa, depois do controle tripartite das ações entre família fundadora, governo francês e chinesa Dongfeng. 

A virada aqui começou pelo básico. Renovação de 70% das concessionárias, investimento em treinamento – em três anos se gastou mais que nos últimos 15 anos – e disponibilização de uma frota própria de 1.000 carros de reserva distribuída entre quase 100 pontos de venda. Ao mesmo tempo bateram na tecla: “Se o cliente não estiver satisfeito com o serviço ou atrasou a entrega, não paga.” Foi criado serviço de reboque para veículos de até oito anos de uso, em pane ou acidentado.

Agora apresenta a primeira revitalização do SUV compacto 2008. Mudaram para-choque dianteiro, grade, capô, logotipo do leão estilizado saiu do capô para a grade, DRL e rodas. 


A inspiração estilística veio do 3008, importado da França, que passou a oferecer versão de entrada por competitivos R$ 139.990. No 2008, o interior recebeu nova central multimídia, teto solar e ar-condicionado bizona. Neste caso, os preços se mantiveram nominalmente iguais de R$ 69.990 a R$ 99.990, o que significa queda real de preços. A empresa espera aumento de 30% nas vendas do modelo.

Faz, ainda, outro movimento ousado. Torna-se a primeira marca generalista no Brasil a aposentar totalmente a caixa manual. Tanto os motores de 1.600 cm³ de aspiração natural (118 cv/etanol) quanto o turbo (173 cv/etanol) só são oferecidos com câmbio automático de seis marchas.

Desde o lançamento do 2008, em 2015, apesar dos vários desmentidos da Peugeot, essa coluna antecipou que o motor turbo seria acoplado ao câmbio automático. Não havia empecilho técnico ao analisar o carro. Provavelmente, existia estoque elevado, a ser escoado, da anterior e sofrível caixa automática de quatro marchas. Para ajudar na decisão, o mercado brasileiro deu uma forte guinada e foi deixando de lado as caixas manuais. A marca francesa afirma oferecer o único SUV automático abaixo de R$ 70.000 para o público PcD.

O carro perde em espaço interno para seu irmão de arquitetura Citroën C4 Cactus e ganha no volume do porta-malas. No entanto, apresenta comportamento dinâmico um pouco melhor, em especial em arrancadas mais fortes com o motor turbo. Seu volante ligeiramente ovalado e de pequeno diâmetro permite experiência muito interessante, inclusive visão do quadro de instrumentos por cima da parte superior do aro.

ALTA RODA


FCA anuncia, na próxima semana, que terá motores turbo de três e quatro cilindros na sua gama Fiat e Jeep. Baseiam-se nos Firefly de 1 litro e de 1,33 litro para fabricação em Betim (MG). Serão motores sofisticados e disponíveis para 2020. O atual 1,75-litro de aspiração natural E-Torq (mais barato de produzir) continuará em linha ao menos até 2023 e também receberá atualizações.

PRIMEIRO carro elétrico da Jaguar, I-Pace, chega ao Brasil por R$ 437.000, incluídas revisões grátis nos cinco anos de garantia. Potência total de 400 cv (dois motores, um para cada eixo, tração 4x4) e nada menos de 69,6 kgfm lidam bem com o peso adicional das baterias de 90 kWh: acelera de 0 a 100 km/h em 4,8 s. Autonomia de 470 km, no ciclo WLTP, mais próximo da realidade.

USO prático do I-Pace, nas condições brasileiras de subidas e descidas, não deve garantir tanta autonomia. Há apenas 200 carregadores públicos no País contra 40.000 postos de combustíveis. Mas a Jaguar criou um sistema de navegação inteligente, capaz de cruzar as informações da rota desejada com a autonomia disponível para viagens mais descontraídas.

CHEVROLET Tracker Midnight, importado do México, segue a moda dos apliques pretos do logotipo às rodas. O desempenho do motor turbo (1,4 L, 153 cv) é o maior destaque deste SUV compacto. Suas dimensões limitam o espaço interno e o tamanho do porta-malas. Direção precisa, câmbio automático de seis marchas e suspensão bem acertada destacam-se.

PESQUISA feita na Alemanha pela Bosch revelou que há grande demanda para aplicativos de telefone celular substituírem as chaves tradicionais ao abrir/fechar o carro e desbloquear/bloquear a ignição. Entre as vantagens estão menos possibilidades de extravio, mais pessoas compartilharem o carro e a segurança em caso de furtos graças ao bloqueio remoto.

EMPERRADA há mais de dois anos no Contran, a vinculação do licenciamento anual à comprovação de atendimento a um eventual recall pode se tornar obrigatória. Pelo menos esta é a proposta tramitando na Câmara dos Deputados, de autoria de Juninho do Pneu (DEM-RJ). Apenas 40% dos proprietários, no máximo, atende aos recalls, uma ameaça à segurança.

* Fernando Calmon - fernando@calmon.jor.br - é jornalista especializado desde 1967. Engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada em O Brasil Sobre Rodas, WebMotors, Gazeta Mercantil e também em uma rede nacional de 52 jornais, sites e revistas. 
É, ainda, correspondente para a América do Sul do site Just-auto (Inglaterra).
Siga: www.twitter.com/fernandocalmon  - www.facebook.com/fernando.calmon2.


HYUNDAI DOA SEIS VEÍCULOS HB20S PARA A CAMPANHA APAE NOEL 2019

A Hyundai Motor Brasil realizou, nesta semana, a doação de seis veículos HB20S Comfort Plus 1.0 para os sorteios da Campanha Apae Noel 2019, promovida pela Fenapaes - Federação Nacional das Apaes. Os recursos financeiros captados com a venda dos bilhetes serão aplicados no apoio a projetos sociais desenvolvidos pelas 2.201 entidades filiadas da Rede Apae no País, responsáveis por promover a inclusão e a melhoria  da qualidade de vida de milhares de pessoas com deficiência intelectual ou múltipla.

É a primeira vez que a Hyundai apoia nacionalmente um projeto da Apae Brasil. Desde 2012, a marca realizou diversas iniciativas locais, como a doação de equipamentos médicos e hospitalares para as prefeituras de nove cidades próximas a Piracicaba (SP). As doações beneficiaram diversas Apaes e instituições que trabalham com o mesmo propósito.

O apoio à campanha é mais uma ação alinhada com os projetos de Responsabilidade Social Corporativa da Hyundai Motor Brasil, que possui como um dos temas centrais o "Easy Move", focado na assistência de pessoas com deficiência e a ampliação de instalações e estruturas de mobilidade.

"Ações como essa reforçam o compromisso da Hyundai de apoiar instituições dedicadas ao desenvolvimento da cidadania de grupos vulneráveis", comenta Ricardo Martins, vice-presidente administrativo da Hyundai Motor Brasil.

A entrega simbólica dos veículos aconteceu na fábrica da Hyundai em Piracicaba (SP), e contou com a presença de representantes da Apae Brasil, entre eles o presidente José Turozi e o diretor financeiro Nilson Alves Ferreira, e de executivos da Hyundai Motor Brasil, como o vice-presidente administrativo Ricardo Martins e o gerente sênior de assuntos corporativos e responsabilidade social, Eduardo Fischmann.

Na ocasião, José Turozi agradeceu à Hyundai a doação dos veículos e ressaltou os resultados esperados para a campanha. "A expectativa é arrecadar mais de R$ 7 milhões, o dobro do valor que alcançamos em 2018, e alocar parte dos recursos revertidos para o tratamento de milhares de pessoas com deficiência intelectual ou múltipla, atendidas pelas mais de duas mil entidades filiadas da Rede Apae de todo o Brasil", completou o presidente da Fenapaes.

A Campanha Apae Noel 2019 será iniciada no segundo semestre deste ano e terá a participação das Apaes  na comercialização de bilhetes para o sorteio, pela Loteria Federal, dos seis HB20S Comfort Plus 1.0. Um veículo será destinado para a Apae que comercializar o bilhete vencedor do primeiro prêmio da campanha e os cinco restantes, sorteados entre o público participante. O sorteio acontecerá ao final da campanha, em janeiro de 2020.

A Hyundai Motor Brasil está presente no País desde 2012, quando inaugurou sua fábrica em Piracicaba (SP), com investimento inicial de US$ 700 milhões. Conta com 2,7 mil colaboradores e é responsável pela fabricação e pela comercialização da família de veículos desenvolvida especialmente para o consumidor brasileiro, composta por HB20, HB20X, HB20S e HB20 R spec. Em 2017, iniciou a produção nacional do SUV compacto Hyundai Creta em versão exclusiva para o Brasil, com aporte adicional de US$ 130 milhões. Este ano, com investimentos de US$ 35 milhões, a capacidade produtiva foi aumentada de 180 mil para 210 mil carros por ano. Para saber mais sobre a Hyundai Motor Brasil e seus produtos, acesse www.hyundai.com.br. Acompanhe também o dia a dia da marca nas redes sociais – Facebook: www.facebook.com/hyundaibr, Instagram: www.instagram.com/hyundaibr e no YouTube: www.youtube.com/hyundaibr.

MISSÃO ELÉTRICA: CAMINHÕES VOLKSWAGEN DESEMBARCAM NO PARAGUAI


Vinte e um novos caminhões Volkswagen acabam de ser entregues no Paraguai, onde terão uma missão elétrica: os veículos foram adquiridos pela Ande, empresa responsável pela administração nacional de distribuição de energia naquele país. O lote é composto por 20 unidades do Delivery 9.170 e um Constellation 19.320, todos equipados com implementos eletricitários especiais e dedicados a uma região específica.

A Diesa, importadora oficial da VW Caminhões e Ônibus no Paraguai, e representantes brasileiros da VW Caminhões e Ônibus estiveram presentes na cerimônia de entrega dos veículos, que contou com a participação de autoridades daquele país.

Dentre os modelos Delivery, dezessete têm elevadores de 13 metros para manutenção em linhas de energia convencionais; outros três têm elevadores que alcançam 15 metros e dedicam-se a trabalhos em linhas energizadas. Já o Constellation 19.320 será utilizado no transporte de máquinas e equipamentos.


“A vocação sob medida da Volkswagen Caminhões e Ônibus foi determinante para o êxito desta negociação, uma vez que o processo licitatório exigia soluções técnicas que atendessem às necessidades das operações”, comenta Alexander Marafiotti, consultor de vendas da VW Caminhões e Ônibus responsável por aquele mercado.

No Brasil a marca é também a preferida no segmento eletricitário, com 45% de liderança nas vendas. E a nova linha Delivery tem papel de destaque, com uma lista de atributos específicos para essa operação. Produtividade, conforto e relação custo-benefício dos caminhões leves VW estão entre os atrativos que aguçam o interesse de clientes do setor. Seus caminhões conferem acessibilidade e manobrabilidade superiores no mercado, o que facilita a circulação dos veículos e o atendimento aos reparos em redes elétricas.

Também traz componentes de robustez em seu trem de força e chassi, que refletem na maior disponibilidade do veículo em operação. Outro benefício é o chassi que permite diversas configurações, o que facilita e agiliza o processo de implementação para que entrem em operação o quanto antes.

O que diferencia a Volkswagen Caminhões e Ônibus, principalmente em segmentos vocacionais, é a flexibilidade em produtos e serviços para oferecer o melhor custo total de operação ao cliente, expertise que a empresa exporta de seu centro mundial de desenvolvimento brasileiro, localizado em Resende (RJ) aos mais de trinta destinos.

Volkswagen Caminhões e Ônibus
Comunicação Corporativa

Leia> Coisas de Agora

BORGWARNER APRESENTA CARREGADOR DE BATERIA A BORDO PARA HÍBRIDOS E ELÉTRICOS.


A BorgWarner apresenta o seu OBC - Carregador de Bateria a Bordo, de última geração, complementando o portfólio de tecnologias da empresa para veículos plug-in híbridos e puramente elétricos. 


O equipamento utiliza tecnologia pioneira de carboneto de silício e é a melhor em sua categoria em densidade de potência, eficiência de conversão de energia e conformidade de segurança. 

O OBC é instalado em veículos híbridos ou elétricos para conversão de corrente alternada (AC) da rede elétrica em corrente contínua (DC) para carga das baterias. Esta tecnologia aceita uma faixa ampliada de entradas AC, incluindo classificações de tensão de 7,4 quilowatts (kW), 11 kW e 22 kW, com conversor DC-DC com integração de tensão de 2,3 kW a 3,6 kW, como opção. Mais importante ainda, é compatível com toda a química e voltagens das baterias de 400, 650 e 800 volts.

“Nosso centro técnico em Lugo, na Itália, dedica-se a projetar OBCs que sejam rigorosamente adequados aos mercados globais de veículos elétricos e híbridos”, disse Joel Wiegert, presidente e gerente-geral da BorgWarner Morse Systems. “Estamos orgulhosos de que o nosso mais recente produto com sua tecnologia de carboneto de silício proporcione a máxima eficiência de conversão elétrica, economizando, assim, energia e oferecendo mais opções às montadoras e seus clientes.”

Os OBCs da BorgWarner possuem uma ampla gama de tensões e capacidades de carga. O OBC, com uma tensão de carga nominal de 7,4 kW, também pode ser usado para tensões de carga de 1,8 kW, 3,3 kW e 6,6 kW e utiliza uma alimentação monofásica da rede elétrica. O OBC com uma tensão de carga nominal de 11 kW é mais eficiente com sua rede de alimentação trifásica e estratégia de carga rápida, enquanto o carregador integrado de 22 kW é ainda mais eficiente com o seu fornecimento trifásico e, portanto, com carga muito mais rápida.

Os OBCs da BorgWarner são projetados para atender aos padrões de uso em muitos países e regiões, incluindo: EUA, UE, Japão e China. Eles têm um bom isolamento entre a entrada principal e a saída DC, são herméticos à água e à poeira, possuem a classificação de segurança ISO 26262 e estão contidos em uma carcaça IP6K96 com refrigeração líquida.

Para futuras aplicações, a equipe de engenharia da BorgWarner está se concentrando em inovações em densidade de potência, carga de energia, eficiência, peso do volume, fator de potência e ajuste dos níveis de segurança para atender aos diversos padrões nacionais e regionais.